Portas abertas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Portas Abertas)
Portas abertas
Lema "Servindo cristãos perseguidos"
Tipo Cristã
Fundação 1955
Sede Harderwijk, Países Baixos
Fundador(a) Irmão André
Sítio oficial https://www.portasabertas.org.br/

Portas abertas (em inglês:"Open Doors") é uma missão não-denominacional de apoio a cristãos perseguidos em mais de 60 países onde o cristianismo é legalmente ou socialmente desencorajado, oprimido ou perseguido. Eles também estão envolvidos na distribuição de bíblias e literatura, gravações de áudio, transmissão e treinamento. Os objetivos abertos da Portas Abertas são conscientizar a perseguição global, mobilizar a oração, o apoio e a ação entre os cristãos de todo o mundo. É baseada em Harderwijk, Países Baixos. O escritório regional dos Estados Unidos está em Santa Ana, Califórnia. A Portas Abertas também abriu o seu escritório local no Brasil em 1978, sediado em São Paulo.

História[editar | editar código-fonte]

A Missão Portas Abertas foi criada em 1955 pelo holandês Anne van der Bijl, mais conhecido como Irmão André, que decidiu contrabandear bíblias para suprir os cristãos vivendo em países da então chamada "Cortina de Ferro".[1]

Após o sucesso inicial em entregar bíblias na Polônia, Irmão André prosseguiu fazendo o mesmo em diversos países alinhados com o regime soviético. Em 1957 ele passou a usar um fusca, que viria a percorrer mais de 300 mil km e se tornaria um símbolo da missão.[2]

Os anos iniciais da missão foram registrados no livro "O Contrabandista de Deus", publicado em 1967, onde André narra suas experiências em penetrar as fronteiras do Leste Europeu e o conta(c)to com os cristãos que viviam sua sob restrição.

As operações da Portas Abertas se estenderam para outros lugares, à medida que novas necessidades dos cristãos eram identificadas em diferentes localidades do mundo. Assim, Portas Abertas iniciou suas atividades na República Popular da China em 1965 e no Oriente Médio, em 1978, onde atualmente concentra a maior parte dos seus esforços.

Outro país que atrai grande parte dos esforços da missão é a Coreia do Norte, que encabeça a lista dos países com maiores restrições ao cristianismo publicada regularmente pela entidade[3]

Projeto Pérola[editar | editar código-fonte]

Em 1981, a Missão Portas Abertas Internacional organizou uma operação secreta denominada "Projeto Pérola"[4], que possibilitou a entrega na China de um milhão de Bíblias em uma única noite.[5]

Programas[editar | editar código-fonte]

Portas abertas conduzem os seguintes trabalhos em muitos países[6][7][8]:

  • Entrega Bíblias e outras literaturas cristãs
  • Fornecimento de treinamento pastoral e discipulado
  • Realização de seminários sobre vida cristã, vida familiar. "Estar forte através da tempestade" é o seminário que eles usam para ensinar igrejas sobre como sobreviver sob perseguição.
  • Realização cursos de alfabetização baseados na Bíblia
  • Fornecimento de equipamentos e treinamento profissional para ajudar as viúvas, as famílias dos presos de consciência, os deslocados e os desempregados a ganhar a vida
  • Fornecimento assistência jurídica e conforto espiritual e emocional aos prisioneiros e suas famílias
  • Financiamento e fornecimento de equipamentos para pastores, igrejas e faculdades bíblicas
  • Fornecimento de impressoras, rádios, cassete, fotocopiadoras e A / V e equipamentos de transporte
  • Patrocínio de faculdades bíblicas, ministérios de reconciliação e centros de restauração para refugiados, viúvas e órfãos cristãos.

Lista Mundial[editar | editar código-fonte]

De acordo com o Índice Global de Perseguição de Cristãos publicado pela organização, mais de 260 milhões de Cristãos (um em cada oito Cristãos) foram severamente perseguidos em todo o mundo por sua fé e, em 2019, mais de 2.983 morreu por causa de sua fé, no mundo.[9]

A organização publica uma "Lista Mundial" anualmente, que classifica os países pela gravidade da perseguição que os cristãos enfrentam para buscar ativamente sua fé. A lista baseia-se na pesquisa e comparação de pesquisadores de campo, especialistas externos, acadêmicos e documentos de pesquisa disponíveis publicamente. É um instrumento qualitativo baseado nessas opiniões subjetivas. Em 2012, a metodologia da lista foi amplamente revista, a fim de proporcionar maior credibilidade, transparência, objetividade e qualidade científica. Em 2013, foi feito um aperfeiçoamento da metodologia.[10]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. F.P., Portes ouvertes, une histoire dans l’Histoire, lavoixdunord.fr, França, 3 de outubro de 2012
  2. J. LEE GRADY, Secret Agent Man, charismamag.com, USA, 28 de fevereiro de 2005
  3. Classificação de países por perseguição Os países em que há mais perseguição aos cristãos.
  4. Projeto que entregou um milhão de Bíblias comemora 25 anos (18/6/2006)
  5. Risky Rendezvous at Swatow, por Russ Hoyle e Bing W. Wong Revista Time, 19 de outubro de 1981
  6. George Thomas Kurian, Mark A. Lamport, Encyclopedia of Christianity in the United States, Volume 5, Rowman & Littlefield, USA, 2016, p. 1688
  7. Green, George W. (2003). Special use vehicles: an illustrated history of unconventional cars and trucks worldwide. McFarland. p. 151. ISBN 0-7864-1245-3.
  8. Marking, J. G. (2005). A Voice Is Calling: Living the Life You Know Exists. A Voice Is Calling. p. 117. ISBN 1-933204-07-9.
  9. L'Obs, AFP, 260 millions de chrétiens "fortement persécutés" en 2019 en raison de leur foi, nouvelobs.com, França, 15 de janeiro de 2020
  10. «Cópia arquivada». Consultado em 27 de outubro de 2017. Arquivado do original em 15 de novembro de 2017 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Irmão André, John e Elizabeth Sherril, "O Contrabandista de Deus", Editora Betânia, ISBN 85-358-0073-5

Ligações externas[editar | editar código-fonte]