Qualquer Gato Vira-Lata

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Qualquer Gato Vira-Lata
Pôster oficial do filme.
 Brasil
2011 •  cor •  95 min 
Direção Tomas Portella
Roteiro Daniela de Carlo
Baseado em Juca de Oliveira
Gênero Comédia
Música Pedro Bromfman
Cinematografia André Modugno
Edição Kiko Mascarenhas
Distribuição Downtown Filmes
Lançamento 10 de junho de 2011[1]
Idioma Português
Receita R$ 10.688.492[2]
Cronologia
Último
Qualquer Gato Vira-Lata 2
Próximo
Página no IMDb (em inglês)

Qualquer Gato Vira-Lata é um filme de comédia romântica brasileiro de 2011, dirigido por Tomas Portella e adaptado por Daniela de Carlo, a partir de uma peça de teatro de mesmo nome criada por Juca de Oliveira. O filme é estrelado por Cléo Pires, Malvino Salvador e Dudu Azevedo como Tati, Conrado e Marcelo respectivamente.

Ao ser adaptada para o cinema, teve o título encurtado e um aumento no número de personagens. A atriz Rita Guedes participou da peça como Tati, a protagonista, e no filme foi convidada para interpretar a ex-mulher de Conrado, Olga Portella, que não aparece na peça.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O filme acompanha um triângulo amoroso em que Tati, uma jovem abandonada pelo namorado Marcelo (um rapaz boa-vida, despreocupado e convencido), busca ajuda com Conrado, um cético professor de biologia que trabalha na faculdade onde estuda Tati. Assim, Conrado banca o terapeuta e sugere uma mudança de comportamento para que Tati possa reconquistar Marcelo.

Tudo vai bem até que o professor também se apaixona por ela, pior ainda pelo fato de Olga, a ex-mulher de Conrado e também sua vizinha, ainda estar apaixonada por ele. E a situação complica ainda mais quando, por um imprevisto, Marcelo e Conrado acabam se conhecendo e o rapaz já começa a desconfiar do professor, e ao sentir que está perdendo a então ex-namorada por definitivo, começa a ir atrás dela novamente. Cabe a Tati decidir o que será melhor para sua vida.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Marcelo Forlani em sua crítica para o Omelete disse que a "trama toda é bem feitinha, obedece às regras todas do gênero, com descoberta do amor verdadeiro, empecilhos e final feliz. Já a execução tem seus problemas. Tecnicamente, o filme traz um problema que parecia há muito solucionado no cinema nacional, o som direto, que falha algumas vezes, perdendo sincronia e/ou destoando do resto do ambiente em que a cena se passa."[3]

Thiago Siqueira do Cinema com Rapadura escreveu: "Já diz aquele velho ditado que tudo demais é veneno. Prova disto é este 'Qualquer Gato Vira-Lata', no qual é tudo muito exagerado, principalmente os personagens. Os babacas são extremamente babacas, a amiga excessivamente compreensiva, o biólogo é muito caricato e o roteiro conseguiu fazer com que a linda Cléo Pires se transformasse em uma namorada saída do inferno. Se o namorado não fosse um imbecil completo, dava até para dar razão a ele."[4]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

No primeiro final de semana 143 149 pessoas assistiram o filme nos cinemas, totalizando 144 066 bilhetes vendidos ao completar uma semana em cartaz. A partir da segunda semana o número de ingressos vendidos de Qualquer Gato Vira-Lata passou a cair consecutivamente. Na quinta semana atingiu um milhão de espectadores. A bilheteria foi finalizada com um público de 1 114 800 espectadores após seis semanas em cartaz.[5]

Sequência[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Qualquer Gato Vira-Lata 2

Em fevereiro de 2012, anunciou-se que o filme ganharia uma continuação e que os protagonistas e o diretor retornariam para seus papéis.[6] No final do mesmo ano, foi informado que o orçamento seria de 7,4 milhões de reais.[7] Em junho de 2013, foi informado que o filme estava em pleno desenvolvimento, e alguns atores além dos protagonistas tinham sido confirmados.[8].

Qualquer Gato Vira Lata 2, com roteiro de Paulo Cursino e direção de Roberto Santucci e Marcelo Antunez, teve pré-estreia em maio de 2015. A estreia está marcada para 4 de junho. Estão no elenco, além dos atores principais, Fabio Jr, Mel Maia, Rita Guedes, Letícia Novaes, Álamo Facó e Stela Miranda.[9]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Filme nacional "Qualquer Gato Vira-Lata" estreia nesta sexta». G1. 10 de junho de 2011. Consultado em 27 de abril de 2015. 
  2. «Qualquer Gato Vira-Lata - Orçamento, receita, números do filme». ePipoca. Consultado em 5 de Junho de 2013. 
  3. Marcelo Forlani (10 de junho de 2011). «Qualquer Gato Vira-Lata - Crítica». omelete.uol.com.br. Consultado em 14 de outubro de 2016. 
  4. Thiago Siqueira (11 de junho de 2011). «Qualquer Gato Vira-Lata (2011): comédia romântica é fraca e esquizofrênica». cinemacomrapadura.com.br. Consultado em 14 de outubro de 2016. 
  5. Redação (2011). «Bilheterias de filme». AdoroCinema. www.adorocinema.com. Consultado em 28 de outubro de 2016. 
  6. «Qualquer Gato Vira Lata terá continuação». O Fuxico. 2 de fevereiro de 2012. Consultado em 5 de Junho de 2013.  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (Ajuda)
  7. Lauro Jardim. «Cleo Pires na telona». Veja. Consultado em 5 de Junho de 2013. 
  8. «Vem aí Qualquer Gato Vira-Lata 2». AdoroCinema. 5 de Junho de 2013. Consultado em 5 de Junho de 2013.  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (Ajuda)
  9. http://globofilmes.globo.com/noticia-1120-qualquer-gato-vira-lata.htm
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.