Quinto Fúfio Caleno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Quinto Fúfio Caleno
Cônsul da República Romana
Reinado 47 a.C.
Morte 41 a.C.

Quinto Fúfio Caleno (m. 41 a.C.; em latim: Quintus Fufius Calenus) foi um político da gente Fúfia da República Romana eleito cônsul em 47 a.C. com Públio Vatínio.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Denário de Caleno (ca. 70 a.C.).

Caleno foi eleito tribuno da plebe em 61 a.C. e atuou na defesa de Públio Clódio Pulcro em seu julgamento por ter violado os mistérios da Bona Dea[1]. Com o objetivo de evitar a condenação, propôs uma lei para que ele não fosse julgado por um tribunal especificamente reunido para este fim e sim por uma corte ordinária. A lei foi aprovada graças ao apoio do grande orador Quinto Hortênsio Hórtalo. Dois anos depois, foi eleito pretor por influência de Júlio César, a quem serviria ativamente no futuro, e elaborou uma lei que ditava que os senadores, equestres e tribunos erários, classes sociais que formavam os júris nos tribunais romanos, deveriam votar separadamente para que votação fosse anônima[2].

Em 52 a.C., Caleno apoiou o partido da Clódio depois que ele foi assassinado por Tito Ânio Papiano Milão e lutou nas Guerras Gálicas, no ano seguinte, sob o comando de César como seu legado. Quando irrompeu a segunda guerra civil, uniu-se aos cesarianos, juntando-se a César em Brundísio. No caminho, encontrou-se com Cícero em sua villa e, segundo este, chamou Pompeu de "criminoso" e acusou o Senado de "frivolidade e loucura"[3]. Combateu na Hispânia contra Lúcio Afrânio e Marco Petreio como legado de César. Quando ele seguiu para a Grécia, em 48 a.C., para perseguir Pompeu, Caleno ficou encarregado de levar até o Epiro o restante das tropas que ainda estavam na Itália. Durante seu retorno, ele e sua frota foram atacados pelo almirante pompeiano Marco Calpúrnio Bíbulo, que o derrotou de maneira tão devastadora que ele quase não conseguiu chegar à costa italiana. Mais para frente, Caleno voltou para o Epiro acompanhando de Marco Antônio.

Antes da decisiva Batalha de Farsalos, Júlio César o enviou até a Acaia, onde Caleno ocupou Delfos, Tebas e Orcomeno. Depois, Atenas, Megara e, finalmente, Patras.

Em 47 a.C., Caleno foi eleito para o consulado com Públio Vatínio graças à influência do ditador César. Depois que ele foi assassinado, Caleno uniu-se a Marco Antônio e, durante as operações militares na primeira metade de 43 a.C., defendeu Antônio no Senado contra os ataques de Cícero[4]. Na guerra contra Bruto e Cássio, foi legado de Antônio e comandou as legiões do norte da Itália. Quando terminou a Campanha de Perúsia (40 a.C.), Otaviano estava ansioso para se apoderar das legiões de Caleno, acampadas nos sopé dos Alpes. Para sorte de Otaviano, Caleno morreu e seu filho, que era muito jovem, entregou as legiões ao futuro imperador sem luta[5][6][7][8][9].

Segundo Apiano[10], Caleno teria salvado a vida de Cícero durante as proscrições de César.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Cônsul da República Romana
SPQR.svg
Precedido por:
Júlio César II
com Públio Servílio Vácia Isáurico I



Quinto Fúfio Caleno
47 a.C.

com Públio Vatínio





Sucedido por:
Júlio César III
com Marco Emílio Lépido I




Referências

  1. Cícero, Epistulæ ad Atticum 1.16.
  2. Dião Cássio, História Romana XXXVIII 8.
  3. Cícero, Epistulæ ad Atticum IX 5.
  4. Dião Cássio, História Romana XLII 1, & c.
  5. Cícero, Epistulae ad Familiares 6; Epistulæ ad Atticum I 14, 15, XI 15, 16; Philippicae VIII 4, & c
  6. Ascônio, ad Milan. p 43, ed Orelli;
  7. Júlio César, De Bello Gallico VIII 39; De Bello Civili III 8, 26, 55.
  8. Dião Cássio, História Romana XXXVIII 8, XLII 14, 55, XLVIII 10, 20.
  9. Apiano, De bellis civilibus II 58, V 3, 12, 24, 33, 51, 61.
  10. Apiano, De bellis civilibus IV 47.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Broughton, T. Robert S. (1952). The Magistrates of the Roman Republic. Volume II, 99 B.C. - 31 B.C. (em inglês) (Nova Iorque: The American Philological Association). p. 578. 
  • Canfora, Luciano (1999). Giulio Cesare. Il dittatore democratico (em italiano) Laterza [S.l.] p. 445-446. ISBN 88-420-5739-8. 
  • Carcopino, J. (1993). Anna Rosso Cattabiani (trad.), : . Giulio Cesare (em italiano) Rusconi Libri [S.l.] ISBN 88-18-18195-5. 
  • Bartels, Jens (2001). Der Neue Pauly. S. Isauricus, P (em alemão) 11 [S.l.: s.n.] p. 467.