Religião matriarcal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A deusa das serpentes é muitas vezes utilizada como prova da existência de um matriarcado primitivo embora não haja provas de que esta imagem represente uma deusa.

Uma religião matriarcal é uma religião que se concentra em uma deusa ou deusas.[1] O termo é frequentemente utilizado para referir-se às teorias de religiões matriarcais pré-históricas que foram propostas por estudiosos como Johann Jakob BachofenJane Ellen Harrison, e Marija Gimbutas, e mais tarde popularizada pela segunda onda do feminismo.

História[editar | editar código-fonte]

O conceito de um matriarcado pré-históricos foi introduzido em 1861 quando Johann Jakob Bachofen publicou: Uma Investigação do Caráter  Religioso e Jurídico do Matriarcado no Mundo Antigo. Ele postulou que o histórico patriarcado é relativamente recente, tendo substituído um estado anterior de matriarcado,Bachofen, apresenta um modelo onde a sociedade matriarcal e os cultos de mistério são a segunda das quatro fases históricas de desenvolvimento da religião. A primeira fase ele chamou de "Hetaerism", que se caracteriza com a existência de caçadores coletores paleoliticos  a praticar poligamia . A segunda fase é a Neolítica, um matriarcal lunar , da agricultura, com uma primeira forma da deusa Deméter dominante . Este foi seguido por um período "Dionisíaco" fase  emergente do patriarcado que finalmente conseguiu se estabelecer no período "Apolíneo" fase do patriarcado e o aparecimento da civilização na antiguidade clássica[2]

No início de 1900, o historiador Jane Ellen Harrison, apresentou a teoria de que o panteão Olímpico substituiu uma anterior adoração as  deusas da terra.[3]

Robert Graves postulou um matriarcado pré-histórico na década de 1950, em seus Mitos gregos e A Deusa Branca, e deu uma descrição detalhada de uma sociedade do futuro com uma religião matriarcal, em seu romance  Sete Dias em Nova Creta.[4]

Segunda onda do feminismo e a Deusa movimento[editar | editar código-fonte]

As ideias de Bachofen foram retomadas na década de 1970 pela segunda onda feminista, como a autora Merlin Stone, que assumiu as estatuetas Paleolíticas de  Vênus como as provas de um  pré-histórico matriarcado. Ela apresenta religiões  matriarcais como envolvendo um "culto das serpentes" como um grande símbolo de sabedoria espiritual, fertilidade, vida, força.[5]

Além disso, a antropóloga Marija Gimbutas introduziu o campo da arqueologia feminista na década de 1970. Seus livros Os Deuses e Deusas da Velha Europa (1974), O Idioma da Deusa (1989), e A Civilização da Deusa (1991) tornaram-se obras-padrão para a teoria de que um patriarcado ou "androcracia" originou-se na Idade do Bronze, a substituição de uma Neolítica religião centrada na Deusa[6]. Estas teorias foram apresentadas como hipóteses acadêmicas , ainda que de um ponto de vista ideológico, na década de 1970, mas eles também influenciaram a espiritualidade feminista e, especialmente, feminista dos ramos do Neo-paganismo, que também surgiu durante a década de 1970 (ver Wicca Diânica e Recuperação (Neopaganismo)), de modo que a Religião Matriarcal também é contemporânea de um novo movimento religioso dentro do maior campo de neo paganismo, geralmente conhecida como a Deusa do movimento ou deusa Mãe.[6]

A maioria dos antropólogos modernos rejeitam a ideia de uma matriarcado pré-históricos , mas reconhecem grupos matrilineares ao longo da história humana.[7]

Críticas[editar | editar código-fonte]

O Debate continua sobre se a antiga religião matriarcal historicamente existiu. A estudiosa Americana Camille Paglia afirmou que "Não há um fragmento de evidência que suporta a existência do matriarcado em qualquer lugar do mundo em qualquer tempo," e ainda que "A ambivalência moral  das grandes Deusas-mães foi convenientemente esquecida pelas Americanas feministas que a ressuscitaram''. [8]Em seu livro O Mito do Matriarcado Pré-histórico (2000),a  estudiosa Cynthia Eller discute a origem da ideia de matriarcado pré-histórico, as evidências a favor e contra a sua precisão histórica, e se a idéia é boa para o feminismo moderno.[9]

Referências

  1. Andersen, Margaret L.; Taylor, Howard Francis (2010). Sociology: The Essentials Cengage Learning [S.l.] p. 439. ISBN 9780495812234. 
  2. Bachofen, Johann Jakob (1992). Myth, Religion, and Mother Right: Selected Writings Princeton University Press [S.l.] p. 93. ISBN 9780691017976. Consultado em 12 December 2012. «Although the struggle of matriarchy against other forms is revealed by diverse phenomena, the underlying principle of development is clear. Matriarchy is followed by patriarchy and preceded by unregulated hetaerism.» 
  3. Wheeler-Barclay, Marjorie (2010). «Jane Ellen Harrison». The Science of Religion in Britain, 1860-1915. Victorian Literature and Culture Series University of Virginia Press [S.l.] p. 231. ISBN 9780813930107. «[I]t was her interest in matriarchal religion and her insistence on its importance that most distinctly set her apart from other British scholars.... As early as 1900, she made note of the evidence of an older stratum of religion--the worship of earth goddesses--lying beneath Olympianism and supplanted it.» 
  4. Smeds, John (Winter 1990–1991). «Graves, Bachofen and the Matriarchy Debate» (PDF). Focus on Robert Graves and His Contemporaries [S.l.: s.n.] 1 (10): 1–17. Consultado em 12 December 2012. 
  5. Stone, Merlin (1978). When God was a Woman Houghton Mifflin Harcourt [S.l.] ISBN 9780156961585. 
  6. a b Christ, Carol P. (2002). «Feminist theology as post-traditional thealogy». In: Susan Frank Parsons. The Cambridge Companion to Feminist Theology Cambridge University Press [S.l.] p. 80. ISBN 9780521663809. «Marija Gimbutas unwittingly supplied the fledgling movement with a history, through her analysis of the symbolism of the Goddess in the religion of palaeolithic and neolithic Old Europe.» 
  7. Welsh, Elizabeth (2009). «Matriarchy». In: David A. Leeming; Kathryn Madden; Stanton Marlan. Encyclopedia of Psychology and Religion 2 Springer [S.l.] ISBN 9780387718019. Consultado em 12 December 2012. «Currently, most anthropologists concur that there is no evidence for the existence of matriarchal societies in the primary sense of the term, but that matrilineal/matrifocal groups have existed in various places for many centuries.» 
  8. Paglia, Camille (1991). Sexual Personae: Art & Decadence from Nefertiti to Emily Dickinson Random House Digital, Inc. [S.l.] p. 42 & 8. ISBN 9780679735793. Consultado em 12 December 2012. 
  9. Eller, Cynthia (2001). The Myth of Matriarchal Prehistory: Why an Invented Past Won't Give Women a Future Beacon Press [S.l.] p. 288. ISBN 9780807067932.