República da Lituânia Central

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
República da Lituânia Central
Vidurio Lietuvos Respublika
Republika Litwy Środkowej

Estado autoproclamado

Flag of Lithuania (1918-1940).svg
 
Flag of Poland.svg
1920 – 1922 Flag of Poland.svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Localização de Lituânia Central
Território da República da Lituânia Central (a verde).
Continente Europa
País Lituânia
Capital Vilna (Wilno, Vilnius)
Língua oficial lituano e polaco
Religião Catolicismo
Governo República
Presidente
 • 1920-1922 Lucjan Żeligowski
Período histórico Período entreguerras
 • 1920 Fundação
 • 1922 Dissolução

A República da Lituânia Central ou Lituânia Central (em lituano: Vidurio Lietuvos Respublika, em polaco: Republika Litwy Środkowej, em bielorrusso: Рэспубліка Сярэдняе Літвы / Respublika Siaredniaje Litvy), na forma reduzida (em lituano: Vidurio Lietuva or Vidurinė Lietuva, em polaco: Litwa Środkowa, em bielorrusso: Сярэдняя Літва / Siaredniaja Litva), foi uma entidade política cuja independência não foi reconhecida internacionalmente e que durou poucos meses, entre 1920 e 1922.

Foi criada em 1920 a seguir à rebelião de Żeligowski de soldados da 1a Divisão de Infantaria Lituano-Bielorrussa do Exército da Polónia, com apoio da Força Aérea da Polónia, da cavalaria e da artilharia[1] Com território envolvente à capital do Grão-Ducado da Lituânia, Vilna (em lituano: Vilnius, em polaco: Wilno), durante 18 meses a entidade serviu como estado-tampão entre a Polónia, da qual dependia, e a Lituânia, que reclamava para si o território.[2] Depois de uma série de atrasos, uma eleição muito disputada ocorreu em 8 de Janeiro de 1922, e o território foi anexado à Polónia.

As fronteiras polaco-lituanas no período entre-guerras, embora reconhecidas pela Conferência de Embaixadores dos Aliados da Primeira Guerra Mundial[3][4] e pela Liga das Nações,[5] não foram reconhecidas pela República da Lituânia.[6] Em 1931 um tribunal internacional em Haia determinou que o cerco polaco e o consequente controlo da cidade eram violações do direito internacional.[5]

O seu chefe-de-estado foi Lucjan Żeligowski.

Referências

  1. Čepėnas, Pranas (1986). Naujųjų laikų Lietuvos istorija, vol. II (Chicago: Dr. Griniaus fondas). ISBN 5-899570121. 
  2. Rauch, Georg von (1974). «The Early Stages of Independence». In: Gerald Onn. The Baltic States: Years of Independence - Estonia, Latvia, Lithuania, 1917-40 C. Hurst & Co [S.l.] pp. 100–102. ISBN 0-903983-00-1. 
  3. Phipps, Eric; Romano Avezzana, Raymond Poincaré, Maurycy Zamoyski, M. Matsuda (1923). Decision taken by the conference of ambassadors regarding the eastern frontiers of Poland (pdf) Liga das Nações [S.l.] Consultado em 2008-03-11. 
  4. League of Nations, Treaty Series 15 League of Nations [S.l.] 1923. pp. 261–265. 
  5. a b Miniotaitė, Gražina (1999). «The Security Policy of Lithuania and the 'Integration Dilemma'» (pdf) NATO Academic Forum [S.l.]: 21. Consultado em 2008-03-14. 
  6. The Vilna problem (London: Lithuanian Information Bureau). 1922. p. 24-25. 
Ícone de esboço Este artigo sobre Estado extinto, integrado ao Projeto Estados Extintos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.