Rio Séqua

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Rio Gilão / Séqua
Nascente Serra do Caldeirão
Altitude da nascente N/D m
Caudal médio N/D m³/s
Foz Ria Formosa
Área da bacia N/D km²
País(es) Portugal Portugal
Comboio de mercadorias atravessando a Ponte de Sta. Maria (Linha do Algarve), sobre o Rio Séqua.

O Séqua é um rio português que muda de nome para Rio Gilão ao chegar à ponte dita romana (na realidade, é de construção medieval), da cidade de Tavira. O rio Séqua nasce na Serra do Caldeirão, fruto da confluência das ribeiras de Alportel, Asseca e Zimbral. O Gilão desagua na Ria Formosa no Sítio das Quatro Águas.

Percorre um total de 56 km.

Nova ponte sobre o rio Gilão[editar | editar código-fonte]

Em 3 de dezembro de 1989 num temporal as inundações e enxurradas abateram parcialmente a ponte chamada "Romana"[1].

Foi construída uma ponte provisória, obra feita em tempo recorde, destinada a suprir uma necessidade premente da população de passagem de uma margem do rio Gilão para a outra. A ponte foi fechada ao trânsito em 2016 por apresentar problemas de degradação na sua estrutura.

Em 2019, foi iniciada a construção de uma ponte definitiva. A nova ponte terá dez metros de largura, em pleno centro histórico, a menos de 150 metros da ponte denominada romana.

A nova ponte foi alvo de contestação popular e um grupo de 24 arquitetos, entre os quais Álvaro Siza Vieira e Eduardo Souto Moura, pediram à Câmara de Tavira para repensar o projeto da nova ponte[2].

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  • CHAGAS, Ofir Renato das, Tavira, Memórias de uma Cidade, Edição do Autor, 2004.
Ícone de esboço Este artigo sobre Hidrografia de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.