Rollinia sylvatica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaRollinia sylvatica
Ariticum.jpg
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Magnoliales
Família: Annonaceae
Género: Rollinia
Espécie: R. sylvatica
Nome binomial
Rollinia silvatica
(A. St.-Hil.) Mart.
Sinónimos
  • Annona exalbida Vell.
  • Annona fagifolia A. St.-Hil. & Tul.
  • Annona silvestris Vell.
  • Annona sylvatica A. St.-Hil.
  • Rollinia exalbida (Vell.) Mart.
  • Rollinia fagifolia A. St.-Hil.

Rollinia sylvatica é uma árvore que, quando adulta, atinge o porte de 6–8 m de altura. Tem seu desenvolvimento bem rápido, chegando ao tamanho adulto entre quatro a cinco anos após a germinação[1].

Conhecida popularmente por Pinha[2], Ariticum (SC, PR e RS), Araticum, Embira, araticum-cagão-macho (MG), cortiça-amarela, araticum-do-morro, araticum-grande, pasmada-do-mato (ES).

Nativa do Brasil, ocorre desde o Estado de Pernambuco até o Rio Grande do Sul, na faixa litorânea, e também nos Estados de Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso do Sul[1].

Seus frutos são muito apreciados pelas aves, por roedores e também pelos humanos, embora contenha pouca polpa. A presença é bastante comum em floresta semidecídua de altitude de até 800 metros, a exemplo do que ocorre em algumas regiões de mata atlântica. Para produção de mudas, suas sementes devem ser colhidas de frutos completamente maduros, quando estiverem amarelos e macios. Devem ser despolpados em água corrente e posteriormente esfregados com areia visando facilitar a germinação[3].

As sementes, no solo, tem sua germinação em torno de 50 dias após a semeadura. A raiz é do tipo pivotante possuindo muitas radicelas e os cotilédones, são completamente expandidos, foliáceos, delgados e fotossintetizantes[4].

Utilidade[editar | editar código-fonte]

O uso comercial da espécie é desconhecido, mas é bastante útil como espécie pioneira na recomposição de áreas degradadas, É bastante atrativa para a fauna, apesar de conter pouca quantidade de polpa quando comparada a outras espécies da família Annonaceae[2]

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Lorenzi, Harri: Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil, vol. 1. Instituto Plantarum, Nova Odessa, SP, 2002, 4a. edição. ISBN 85-86174-16-X

Referências

  1. a b Lorenzi, Harri: Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil, vol. 1. Instituto Plantarum, Nova Odessa, SP, 2002, 4a. edição. ISBN 85-86174-16-X
  2. a b «Árvores do Brasil». Consultado em 31 de janeiro de 2014 
  3. Glossário de Termos Técnicos de Botânica. «Família Annonaceae». Consultado em 31 de janeiro de 2014 
  4. SAMPAIO, J. L.; ALVES, A.C.A., SOUZA, L.A. de, BONA, C. Morfoanatomia da plântula e tirodendro de Rollinia sylvatica (A. St.-Hil.) Mart. (Annonaceae). Rev. bras. Bot. vol.31 no.4 São Paulo Oct./Dec. 2008