Nasturtium officinale

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Rorippa nasturtium-aquaticum)
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Agrião.
Como ler uma caixa taxonómicaRorippa nasturtium-aquaticum
Nasturtium microphyllum, um agrião

Nasturtium microphyllum, um agrião
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Brassicales
Família: Brassicaceae
Género: Nasturtium
Espécie: R. nasturtium-aquaticum
Nome binomial
Rorippa nasturtium-aquaticum
Sinónimos
Nasturtium nasturtium-aquaticum L.
Nasturtium microphyllum Boenn ex Rchb.
Nasturtium officinale Ait. f.
Sisymbrium nasturtium-aquaticum L.

Rorippa nasturtium-aquaticum é vulgarmente designado por agrião. É uma planta comestível e que tem propriedades anticancerígenas[carece de fontes?]. É comummente usada em saladas e pode ser encontrada no meio natural em zonas úmidas como rios e riachos. É nativa da Europa e Ásia Central, onde cresce abundantemente nas margens dos rios e córregos.

Da familia das crucíferas, o agrião é conhecido em todo o mundo, pois pode ser cultivado. Descongestionante, béquico, digestivo, depurativo, diurético, o agrião é também rico em iodo, ferro, fosfato e óleos essenciais. Pessoas que fumaram e as prejudicadas pelo ácido úrico encontrarão nessa planta a ajuda para a limpeza do organismo.[carece de fontes?]

Seu uso interno em grandes quantidades pode provocar irritações na mucosa do estômago e nas vias urinárias[1] .

O agrião contém várias vitaminas dentre as quais: A, C e grupo B (B1, B2, B6 e B12). Possui também outros elementos tais como: ferro, ácido fólico (essencial para uma gravidez saudável), enxofre, potássio, cálcio, fósforo, iodo, beta caroteno (que produz vitamina A) e fibras. O seu potencial em vitamina C é conhecido desde a idade média, onde era usado para combater o escorbuto.

Foi recentemente considerado o mais nutritivo de todos os vegetais.[2]

Seu uso interno em grandes quantidades pode provocar irritações na mucosa do estômago e nas vias urinárias[3] .

Referências

  1. «Plantas Medicinais/USP». 
  2. Jennifer Di Noia (2014). «Defining Powerhouse Fruits and Vegetables: A Nutrient Density Approach» (em inglês). Prev Chronic Dis. Consultado em 7 de junho de 2014. 
  3. [ligação inativa]«Plantas Medicinais/USP». 
Ícone de esboço Este artigo sobre rosídeas, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.