Rosa-rubra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaRosa gallica
Wild Rosa gallica Romania.jpg

Classificação científica
Reino: Plantae
Clado: angiospérmicas
Clado: eudicotiledóneas
Ordem: Rosales
Família: Rosaceae
Subfamília: Rosoideae
Género: Rosa
L.
Espécie: R. gallica
Nome binomial
Rosa gallica
L.

A rosa-rubra (Rosa gallica) é uma espécie de planta com flor, de forma arbustiva, pertencente à família das rosáceas. Tem folhas geralmente com cinco folíolos ovados ou orbiculares e flores grandes, de um tom vermelho vivo, é nativo de grande parte da Europa e uma parte da Anatolia, cultivado como ornamental e como medicinal. Cresce naturalmente nas Florestas Temperadas da Europa.

A Rosa gallica é um arbusto de folha caduca, ou seja, as folhas mudam de cor no outono, cai no inverno e só renova na primavera, as flores também brotam nessa estação. No verão a planta cresce. As hastes tem espinhos e cerdas glandulares. As folhas são pinadas, com três a sete folhetos verde-azulado. As flores são agrupadas em 1-4 conjunto único com cinco pétalas, e é muito perfumado. Os quadris tem um diâmetro de 10-13 mm, seu formato é redondo à ovóide com uma cor laranja à castanho. As cores da flor na primavera variam do branco (raro) ao rosa, vermelho e roxo profundo. Todas as rosas do grupo Gallica só florece uma vez ao ano e são facilmente cultivadas.

A autoridade científica da espécie é L., tendo sido publicada em Species Plantarum 1: 492. 1753.

Também é conhecida pelos nomes de rosa-francesa, rosa-vermelha, roseira-francesa e roseira-rubra.


História e variedades[editar | editar código-fonte]

Rosa vermelha R. gallica
Rosa violeta R. gallica
R. gallica var. officinalis 'Versicolor' (Rosa mundi)

A rosa-rubra foi cultivada pela primeira vez pelos antigos gregos, romanos e celtas á cerca de 2000 a.C., e foi muito usado em jardins na Idade Média. As rosas rubras eram tal procuradas durante o século XVII que a realeza da época considerava as rosas ou água de rosas como moeda legal, e era muitas vezes usado como troca ou pagamento. Todo mundo, pobres e ricos, queria ter um jardim de rosas vermelhas e violetas no quintal de sua casa durante a primavera e o verão. A esposa de Napoleão, Josephine estabeleceu uma extensa coleção de rosas no Castelo de Malmaison, uma propriedade de sete milhas à oeste de Paris em 1800. Este jardim Tornou-se o cenário para a obra de Pierre Joseph Redoute como ilustrador botânico. Em 1824, ele completou sua colecção de aguarelas "Les Rose," que ainda é considerado um dos melhores registos de ilustração botânica. No século XIX, foi a espécie mais importante de rosa a ser cultivada, e a rosa européia mais notavel no mundo. Na época antiga, medieval e iluminista, um buquê de rosas rubras era considerado o melhor presente que qualquer pessoa pode ganhar.

Os seguintes cultivares e híbridos de R. gallica abaixo ganharam a Sociedade Real de Horticultura's.

  • 'Beau Narcisse' (Mielles <1824)[1]
  • 'Belle de Crécy' (Roeser 1836; withdrawn)[2]
  • 'Cardinal de Richelieu' (Parmentier <1847; withdrawn)[3] - A genética dessa rosa foi utilizada para produzir a primeira rosa azul
  • 'Charles de Milles' (<1790)[4]
  • 'Complicata'[5]
  • 'Duc de Guiche' (<1810)[6]
  • 'Duchesse de Montebello' (Laffay 1824)[7]
  • 'Président de Sèze'[8]
  • 'Officinalis'[9]
  • 'Versicolor' ('Rosa mundi')[10]
  • 'Arbusto Toscana'[11]

Solo e Clima[editar | editar código-fonte]

A espécie é facilmente cultivada em solo bem drenado em área ensoladada ou semi-ensolarada; e pode sobreviver a temperaturas de até -25°C abaixo de zero no inverno. O clima ideal para a planta é o temperado de quatro estações.

Portugal[editar | editar código-fonte]

Trata-se de uma espécie presente no território português, nomeadamente em Portugal Continental.

Em termos de naturalidade é introduzida na região atrás indicada.

Protecção[editar | editar código-fonte]

Não se encontra protegida por legislação portuguesa ou da Comunidade Europeia.

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre a ordem Rosales, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


  1. «Royal Horticultural Society, 'Beau Narcisse'» 
  2. «Royal Horticultural Society, 'Belle de Crécy'» 
  3. «Royal Horticultural Society, 'Cardinal de Richelieu'» 
  4. «Royal Horticultural Society, 'Charles de Milles'» 
  5. «Royal Horticultural Society, 'Complicata'» 
  6. «Royal Horticultural Society, 'Duc de Guiche'» 
  7. «Royal Horticultural Society, 'Duchesse de Montebello'» 
  8. «Royal Horticultural Society, 'Président de Sèze'» 
  9. «Royal Horticultural Society, 'Officinalis'» 
  10. «Royal Horticultural Society, 'Versicolor'» 
  11. «Royal Horticultural Society, 'Tuscany superb'»