Sérgio Mattos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Sérgio Mattos (Fortaleza, 1 de julho de 1948) é um poeta, jornalista, compositor e professor universitário brasileiro.[1]

Está radicado em Salvador desde 1959. É mestre e doutor em Comunicação pela Universidade do Texas, em Austin. Foi editor do jornal A Tarde, de Salvador e é diretor da Associação Bahiana de Imprensa (ABI).[2]

Livros de poesia[editar | editar código-fonte]

  • Nas Teias do Mundo (1973);
  • O Vigia do Tempo (1977);
  • Time's Sentinel (1979);
  • Já Não Canto, Choro (I No Longer Sing, I Cry) (1980);
  • Lançados ao Mar(1985);
  • Asas Para Amar (1995);
  • Estandarte (1995);
  • Trilha Poética (1998);
  • Étendard (1998);
  • Fio Condutor (2006);
  • Essência Poética(2011);

Livros de prosa[editar | editar código-fonte]

  • A Batalha de Natal (1978);
  • Amadeu, um bandido Nordestino (2008);
  • Os Funerais de Dona Camila (2008);
  • As Confissões Sexuais de Maria Francisca (2008);
  • Só Você Pode, Jayme: um perfil biográfico de Jayme Ramos de Queiroz (2009);
  • Abre-te, Cuba! (2009);
  • O Guerreiro Midiático: biografia de José Marques de Melo (2010);
  • Um cidadão prestante- entrevista biográfica com Edivaldo M.Boaventura (2014);
  • Vida Privada no Contexto Público (2015);[2]
  • Leitura em primeira mão (2017);

Outras obras[editar | editar código-fonte]

  • Estudos de comunicação (1975);
  • The Impact of Brazilian Miluitary Governmet on the Development of TV in Brazil(1980);
  • The Development of Communication Policies Under The Peruvian Military Government (1981);
  • The Impact of The 1964 Revolution on Brazilian Television (1982);
  • Domestic an Foreign Advertising in Television and Mass Media Growth: a case study of Brazil (1982);
  • Irdeb - Relatorio das aividades-1983(1984);
  • Comunicação, Desenvolvimento e SegurançaNacional (1988);
  • Um perfil da TV brasileira: 40 anos de historia (1990);
  • Censura de Guerra: Da Criméia ao Golfo Pérsico (1991);
  • A Tarde Municípios: Uma experiência jornalistica voltada para o municipalismo (1993);
  • Bibliografia dos docentes do Departamento de Jornalismo: Produção científica, literária e artística (1994);
  • O controle dos meios de comunicação (1996);
  • A televisão e a cultura no Brasil e na Alemanha (1997);
  • A televisão e as políticas regionais de comunicação (1997);
  • A televisão na era da globalização (1999);
  • A televisão no Brasil: 50 anos de história (2000);
  • Imparcialidade é mito (2001);
  • História da televisão brasileira: Uma visão econômica, social e política (2002)
  • Mídia controlada: a história da censura no Brasil e no mundo (2005);
  • Cidadão sem fronteiras: conceitos e principios de comunicação, ética e cidadania (2007);
  • Comunicação Plural (2007);
  • Memória da Imprensa Contemporânea da Bahia (2008);
  • Relicário Comunicacional e Literário (2008);
  • O Contexto Midiático (2009);
  • A Mídia nas Páginas dos Jornais (2009);
  • Jornalismo, Fonte e Opinião(2011)
  • A revolução digital e os desafios da comunicação(2013)<[1]

Referências

  1. a b «Campus XIV: pesquisador Sérgio Mattos lançará livro na V Semana de Comunicação». Universidade do Estado da Bahia. 1 de dezembro de 2014. Consultado em 30 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 30 de outubro de 2017 
  2. a b «Jornalista Sérgio Mattos lança livro autobiográfico no dia 8». Instituto Geográfico e Histórico da Bahia. 17 de setembro de 2015. Consultado em 30 de outubro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.