Símbolo não lógico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2016). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O conjunto dos símbolos não lógicos (pré-AO 1990: símbolos não-lógicos) é a parte de uma linguagem de primeira ordem que informa a sua “área de especialidade” (além da expressividade geral). Uma ideia análoga pode ser vista na distinção entre axiomas lógicos e os axiomas “próprios”, “profissionais” da teoria específica que se está axiomatizando ou investigando.

Os símbolos não-lógicos são estruturados de acordo com a assinatura adotada. Eles são os símbolos de função e os símbolos de relação (predicados) dessa assinatura e cada um deles (seja símbolo de relação ou de função) tem uma aridade. As constantes, por serem funções 0-árias, são também símbolos não-lógicos.

Exemplo[editar | editar código-fonte]

Considere a seguinte fórmula lógica:

R(x) e são relações, F(x) é uma função e 2 é uma constante. Todos eles são, portanto, símbolos não-lógicos.

Igualdade e pertinência[editar | editar código-fonte]

Quando usado para indicar identidade, o símbolo "=", igualdade, não é considerado um símbolo não-lógico.

Alfred Tarski, em um artigo publicado postumamente, intitulado "What are Logical Notions?", afirmou que a pertinência de um elemento a um conjunto, normalmente representada pelo símbolo , é lógica se a teoria dos conjuntos segue a teoria dos tipos, e não-lógica se a teoria dos conjuntos é determinada axiomaticamente, como é o caso dos axiomas de Zermelo-Fraenkel.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]