S-chanf

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
S-chanf
Brasão da comuna de S-chanf
{{{2}}}
S-chanf
Cantão Grisões
Distrito Maloja
Língua(s) oficial(is) Alemão e Romanche
Coordenadas 46° 37' N 9° 59' E
Altitude 1.673 m n.m.m.
Área 137,90 km²
População (2010)
 - Densidade
712 hab.
5 hab/km²
Fracções Chapella, Cinuos-Chel, La Resgia, Susauna
Fronteiras Bergün/Bravuogn, Davos, Livigno (IT-SO), Madulain, Susch, Zernez, Zuoz
Código postal 7525
Website {{{website}}}
Comuna de S-chanf a destacado.

S-chanf (em italiano: Scanevo) é uma comuna da Suíça, no Cantão Grisões, com 712 habitantes. Estende-se por uma área de 137,90 km², de densidade populacional de 5 hab/km². Confina com as seguintes comunas: Bergün/Bravuogn, Davos, Livigno (IT - SO), Madulain, Susch, Zernez, Zuoz.

As línguas oficiais nesta comuna são o alemão e o romanche.

Nome[editar | editar código-fonte]

S-chanf foi mencionada pela primeira vez por volta do ano 1137, como Scaneves. Em 1356, foi mencionada como Scanevo. O nome S-chanf, do romanche, é pronunciado [ʃtɕanf]. O nome alemão Scanfs foi oficial até 1943.[1] Chapella é uma capela, mencionada em 1209. Sasauna foi mencionada como Sauzana, em 1285.

Geografia[editar | editar código-fonte]

S-chanf tem uma área de 138 km2. Desta área, 23,7% é usada na agricultura, enquanto 18,6% é ocupada por florestas. Do resto do território, 0,6% é construído (edifícios ou estradas), e o restante (57,1%) corresponde a áreas não-produtivas (rios, geleiras e montanhas). A comuna está localizada na Engadina alta, no distrito de Maloja, ao longo do rio Inn, e na entrada do Passo Casanna. Consiste na vila de S-chanf, com as seções de Cinuos-chel e Susauna. A altitude da vila é de 1.662 metros.

Susauna é uma aldeia no território da comuna de S-chanf, situada na estrada que leva ao Passo Scaletta, uma rota internacional histórica de comércio.[2]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Em 1850, S-chanf possuía uma população de 439 habitantes, sendo que todos falavam romanche. A população decresceu para 402 no ano de 1900 e aumentou novamente para 460, no ano de 1950. Em 31 de dezembro de 2010, a população da comuna era de 712 habitantes. Em 2008, 11,2% da população era composta por estrangeiros. Nos últimos 10 anos, a população aumentou na razão de 7,5% ao ano.[3]

Idiomas[editar | editar código-fonte]

A maior parte da população, em 2000, falava romanche (51,8%), sendo o alemão a segunda mais comum (37,3%), e o italiano a terceira (5,6%). A população fala ou o dialeto Puter, do romanche, ou a variante Bündner do alemão suíço. Cerca de 68% da população compreende o romanche. Até meados do século XIX, todos os residentes da vila falavam romanche, mas, devido ao aumento do comércio com outras regiões, seu uso começou a declinar. Em 1880, cerca de 86% da população falava o romanche como primeira língua; em 1910, eram 92%, em em 1941, 81%. Em 1970, os índices caíram a 65%, e, e, 2000, a 52%.

Idiomas em S-chanf
Idiomas Censo de 1980 Censo de 1990 Censo de 2000
Número Percentual Número Percentual Número Percentual
Romanche 344 74.46 % 336 66.67 % 321 51.77 %
Alemão 74 16.02 % 129 25.60 % 231 37.26 %
Italiano 26 5.63 % 27 5.36 % 35 5.65 %
População 462 100 % 504 100 % 620 100 %

Turismo e infraestrutura[editar | editar código-fonte]

S-chanf é um dos acessos para pedestres ao Parque Nacional Suíço, sendo próxima à confluência do Val Trupchun, uma área do parque exclusiva para pedestres, e a Engadina. No parque, podem ser encontradas marmotas, e, no alto das montanhas, o Steinbock, bode das montanhas, que representa o animal-símbolo do cantão dos Grisões. Possui pelo menos dois hotéis: o Aurora e o Scaletta.

S-chanf é o destino final da Maratona de Esqui da Engadina, uma popular maratona de esqui, que tem sua partida em Maloja.

S-chanf também é usada como base do Exército suíço.

O hospício em La Chapella data aproximadamente de 1250. Foi abandonado ao final do século XVIII, e reaberto com outros propósitos (centro de férias), em 1967.

A capela de Susauna data de 1696, e tinha seus próprios pastores entre 1723 e 1834. Foi abandonada no século XX, e, atualmente, é habitada apenas sazonalmente.

Galeria[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. [http://www.bfs.admin.ch/bfs/portal/de/index/infothek/nomenklaturen/blank/blank/gem_liste/03.html Departamento Federal Suíço de Estatística (em alemão), acessado em 23 de setembro de 2009
  2. http://en.graubuenden.ch/hiking-switzerland/trekking/30-via-valtellina-gargellen-a-tirano-i.html Caminhada no passo de montanha nos Grisões em antiga rota de comércio] (em inglês)
  3. Departamento Federal Suíço de Estatística (em inglês) acessado em 21 de outubro de 2009.