Cabra-doméstica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Bode)
Disambig grey.svg Nota: "Bode, Cabra e Cabras" redirecionam para este artigo. Para a cidade estadunidense, veja Bode (Iowa). Para outros significados, veja Cabra (desambiguação).
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCabra
Ocorrência: ,01–0 Ma

Neolítico – Recente

Domestic Goat Portrait (aka).jpg
Estado de conservação
Não avaliada: Domesticado
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Artiodactyla
Família: Bovidae
Subfamília: Caprinae
Género: Capra
Espécie: C. aegagrus
Subespécie: C. a. hircus
Nome trinomial
Capra aegagrus hircus
Lineu, 1758

A cabra (ou bode, no masculino) (nome científico: Capra aegagrus hircus) é uma espécie domesticada herbívora de capríneo (Caprinae) pertencente ao gênero Capra, tipicamente mantida como gado.[1] Foi domesticada a partir da cabra-selvagem (Capra aegagrus) do sudoeste da Ásia e da Europa Oriental e é uma subespécie.[2] É um membro da família animal dos bovídeos (Bovidae) e da tribo Caprini, o que significa que está intimamente relacionado com a ovelha. Existem mais de 300 raças distintas de cabra.[3] É uma das mais antigas espécies de animais domesticados, de acordo com evidências arqueológicas de que sua primeira domesticação ocorreu no Irã em 10 mil anos atrás.[4] As cabras têm sido usadas para leite, carne, pelo e pele em grande parte do mundo.[5] Em 2011, havia mais de 924 milhões de cabras globalmente, de acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação.[6] Consta na Lista de espécies invasoras no Brasil[7], bem como na lista das 100 das espécies exóticas invasoras mais daninhas do mundo da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), onde está na décima sétima posição.[8]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Cabra" se originou do latim capra.[9]

História[editar | editar código-fonte]

As cabras estão entre os primeiros animais domesticados pelos humanos.[10] A análise genética mais recente[11] confirma a evidência arqueológica de que o íbex Capra aegagrus aegagrus das montanhas Zagros é o provável ancestral original de provavelmente todas as cabras domésticas de hoje.[10] Os agricultores neolíticos começaram a pastorear cabras selvagens principalmente para facilitar acesso ao leite e à carne, bem como ao esterco, que era usado como combustível; e seus ossos, pelos e tendões foram usados para roupas, construção e ferramentas.[3] Os primeiros vestígios de cabras domesticadas que datam de 10 mil anos AP são encontrados em Ganje Daré no Irã.[12] Restos de cabras foram encontrados em sítios arqueológicos em Jericó, Choga Mami,[13] Jeitum e Çayönü, datando a domesticação de cabras na Ásia Ocidental entre nove e oito mil anos atrás.[10] Estudos de evidências de ADN sugerem 10 mil anos atrás como a data de domesticação.[11] Talvez sua resistência natural e capacidade de adaptação a condições extremas tenha chamado a atenção dos povos nômades da região para este animal e à possibilidade de o domesticar.[14]

Anatomia e saúde[editar | editar código-fonte]

Cada raça reconhecida de cabra tem faixas de peso específicas, que variam de mais de 140 quilos (300 libras) para machos de raças maiores, como o bôer, a 20 a 27 quilos (45 a 60 libras) para cabras menores.[15] Dentro de cada raça, diferentes cepas ou linhagens podem ter diferentes tamanhos reconhecidos. Na parte inferior da faixa de tamanho estão as raças em miniatura, como o pigmeu-africano, que mede de 41 a 58 centímetros (16 a 23 polegadas) no ombro quando adultos.[16] As cabras não têm canais lacrimais.[17] Emitem um som chamado de "balido" e o substantivo coletivo para grupos de cabras é "fato".[14]

Chifres[editar | editar código-fonte]

Núcleos de chifre da vila neolítica de Atlite Iã

A maioria das cabras tem naturalmente dois chifres, de várias formas e tamanhos, dependendo da raça. Houve incidentes de cabras policeratas (com até oito chifres), embora esta seja uma raridade genética que se acredita ser herdada. Ao contrário do gado, as cabras não foram criadas com sucesso para serem pesquisadas de forma confiável, pois os genes que determinam o sexo e os chifres que determinam estão intimamente ligados. Cruzar duas cabras geneticamente mochos resulta num alto número de indivíduos intersexuais entre os descendentes, que são tipicamente estéreis.[18] Seus chifres são feitos de osso vivo cercado por queratina e outras proteínas, e são usados para defesa, domínio e territorialidade. Os chifres são mais tipicamente removidos em rebanhos comerciais de cabras leiteiras para reduzir as lesões.[19]

Digestão e lactação[editar | editar código-fonte]

As cabras são ruminantes. Têm estômago de quatro câmaras que consiste no rúmen, o retículo, o omaso e o abomaso. Tal como acontece com outros ruminantes mamíferos, são unguladas com dedos pares. As fêmeas têm úbere composto por duas tetas, em contraste com o gado, que tem quatro tetas.[15] Uma exceção a isso é a cabra-bôer, que às vezes pode ter até oito tetas.[20][21]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Esqueleto
Cabra com seu filhote

Portugal conta com a presença de seis raças autóctones de cabras:[22] algarvia; bravia; preta montesinho; charnequeira; serpentina; e serrana. A cabra serrana é a raça mais representativa das raças portuguesas, sendo possível encontrá-la em mais de metade do território continental português.[23] A antiga estirpe inglesa, em particular, está entre as bases de algumas raças modernas padronizadas. Por exemplo, o anglo-núbio originou-se na Inglaterra nos anos 1920-1930, resultado do cruzamento entre as cabras inglesas e bodes importados.[24] Bodes de raças suíças e do norte entram no cio no outono, assim como nos ciclos de cio das fêmeas. Os machos de raças equatoriais podem apresentar fertilidade sazonalmente reduzida, mas, assim como as fêmeas, são capazes de se reproduzir em todos os momentos. O cio é caracterizado pela diminuição do apetite e interesse obsessivo pelas cabras.[19] Um bode no cio exibirá os lábios curvados e urinará nas patas dianteiras e no rosto.[25] As glândulas odoríferas sebáceas na base dos chifres aumentam o odor do bode, o que é importante para torná-lo atraente à fêmea. Algumas fêmeas não acasalam com um macho que tenha descendido.[19]

A duração da gestação é de aproximadamente 150 dias. Gêmeos são o resultado usual, com nascimentos únicos e trigêmeos também comuns. Menos frequentes são as ninhadas de quádruplos, quíntuplos e até sêxtuplos. O parto geralmente ocorre sem intercorrências. Pouco antes do nascimento, a cabra terá uma área afundada ao redor da cauda e do quadril, além de respiração pesada. Pode ter olhar preocupado, ficar inquieta e demonstrar grande afeição por seu guardião. A mãe muitas vezes come a placenta, que lhe dá nutrientes muito necessários, ajuda a estancar o sangramento e se assemelha ao comportamento de herbívoros selvagens, como veados, para reduzir a atração do cheiro de nascimento aos predadores.[26][27]

A produção de leite ocorre na fase de parto. Ela varia com a raça, idade, qualidade e dieta da fêmea; cabras leiteiras geralmente produzem entre 680 e 1 810 quilo (1 500 quatro mil libras) de leite por lactação de 305 dias. Em média, uma cabra leiteira de boa qualidade fornecerá pelo menos três quilos (seis libras) de leite por dia enquanto estiver lactando. Um ordenhador de primeira viagem pode produzir menos, ou até sete quilos (16 libras), ou mais de leite em casos excepcionais. Após a lactação, a fêmea irá "secar", normalmente após a reprodução. Ocasionalmente, cabras que não foram criadas e são ordenhadas continuamente continuarão a lactação além dos 305 dias típicos.[28] A lactação masculina também é conhecida por ocorrer em cabras.[29]

Dieta[editar | editar código-fonte]

Uma cabra doméstica se alimentando em um campo com ervas daninhas tóxicas à maioria dos animais de gado

As cabras têm fama de estarem dispostas a comer quase tudo, incluindo latas e caixas de papelão. Embora não comam material não comestível, são animais que comem folhas e não pastam como gado e ovelhas, e (juntamente com sua natureza altamente curiosa) mastigam e provam praticamente qualquer coisa remotamente parecida com matéria vegetal para decidir se é bom comer, incluindo papelão, roupas e papel (como rótulos de latas).[30] Além de provar muitas coisas, são bastante específicas no que realmente consomem, preferindo comer nas pontas de arbustos e árvores lenhosas, bem como ocasionais plantas de folhas largas. No entanto, pode-se dizer que sua dieta vegetal é extremamente variada e inclui algumas espécies que são tóxicas.[31] Preferem comer em vinhas, como Pueraria lobata , em arbustos e ervas daninhas, mais como veados do que ovelhas, preferindo-os às gramíneas. Solanáceas são venenosas; folhas murchas de árvores frutíferas também podem matar cabras. Silagem (caules de milho fermentados) e feno (feno de capim fermentado) podem ser usados se consumidos imediatamente após a abertura – as cabras são particularmente sensíveis à bactéria Listeria que pode crescer em rações fermentadas. A alfafa, uma planta rica em proteínas, é amplamente usada como feno; Festuca é o feno menos palatável e menos nutritivo. O mofo na ração duma cabra pode deixá-la doente e possivelmente matá-la. Em vários lugares da China, as cabras são usadas na produção de chá. As cabras são soltas nos terraços de chá, onde evitam consumir folhas de chá verde (que contêm substâncias de sabor amargo), mas comem ervas daninhas. Os excrementos das cabras fertilizam as plantas de chá.[32]

Cabras se alimentando juntas no Japão

A fisiologia digestiva dum filhote muito jovem (como a de outros ruminantes) é essencialmente a mesma dum animal monogástrico. A digestão do leite começa no abomaso, tendo o leite contornado o rúmen através do fechamento do sulco reticuloesofágico durante a sucção. Ao nascimento, o rúmen não está desenvolvido, mas quando o filhote começa a consumir alimentos sólidos, o rúmen logo aumenta em tamanho e em sua capacidade de absorver nutrientes.[33] O tamanho adulto duma cabra em particular é um produto de sua raça (potencial genético) e sua dieta durante o crescimento (potencial nutricional). Tal como acontece com todos os animais, dietas proteicas aumentadas (10 a 14%) e calorias suficientes durante o período pré-puberdade produzem taxas de crescimento mais altas e tamanho eventual maior do que taxas de proteína mais baixas e calorias limitadas.[34] As cabras de estrutura grande, com tamanho esquelético maior, atingem peso maduro mais tarde (36 a 42 meses) do que as cabras de estrutura pequena (18 a 24 meses) se ambas forem alimentadas com todo o seu potencial. Cabras de estrutura grande precisam de mais calorias do que cabras de estrutura pequena para manutenção das funções diárias.[15]

Cabras estabelecem hierarquia de dominância nos rebanhos por meio de cabeçadas
Cabras bloqueando uma estrada me Ladaque, Índia

Comportamento[editar | editar código-fonte]

As cabras são naturalmente curiosas. Também são ágeis e conhecidas por sua capacidade de escalar e se equilibrar em lugares precários. Isso os torna o único ruminante a subir regularmente em árvores. Devido à sua agilidade e curiosidade, são notórias por escapar de seus cercados testando cercas e cercados, seja intencionalmente ou simplesmente porque estão acostumados a escalar. Se alguma das cercas puder ser superada, quase inevitavelmente escaparão. Foram consideradas tão inteligentes quanto os cães por alguns estudos.[35] Quando manejadas em grupo, tendem a apresentar menos comportamento de pastoreio do que as ovelhas. Quando pastam sem serem perturbados, tendem a se espalhar pelo campo ou intervalo, em vez de se alimentarem lado a lado, como ovelhas. Ao amamentar, deixarão seus filhos separados ("deitados") em vez de agrupados, assim como as ovelhas. Geralmente se virarão e enfrentarão um intruso e os bodes são mais propensos a atacar do que os carneiros.[36]

Um estudo da Universidade Queen Mary relata que as cabras tentam se comunicar com pessoas da mesma maneira que animais domesticados, como cães e cavalos. A pesquisa realizada para testar as habilidades de comunicação descobriu que procuram ajuda dum humano quando enfrentam um desafio que já havia sido dominado, mas depois modificado. Especificamente, quando apresentado a uma caixa, a cabra foi capaz de remover a tampa e recuperar um petisco dentro, mas quando a caixa foi virada para que a tampa não pudesse ser removida, a cabra se virava e olhava à pessoa e se movia em direção a ela, antes de olhar de volta à caixa. Este é o mesmo tipo de comunicação complexa observada por animais criados como animais domésticos, como cães. Os pesquisadores acreditam que a melhor compreensão da interação humano-cabra pode oferecer melhoria geral no bem-estar dos animais.[37][38] O campo da antropozoologia estabeleceu que animais domesticados têm capacidade de comunicação complexa com humanos quando, em 2015, um cientista japonês determinou que os níveis de ocitocina aumentavam em seres humanos quando os cães eram expostos a uma dose do "hormônio do amor", provando que um vínculo humano-animal existe. Esta é a mesma afinidade que foi comprovada com o estudo de Londres acima; as cabras são inteligentes, capazes de comunicação complexa e capazes de formar laços.[39]

Doenças[editar | editar código-fonte]

As cabras podem ser infectadas com várias doenças virais e bacterianas, como febre aftosa, artrite encefalite caprina, linfadenite caseosa, conjuntivite, mastite e pseudo-raiva. Podem transmitir várias doenças zoonóticas às pessoas, como tuberculose, brucelose, febre Q, raiva.[19] O leite de cabra pode ser contaminado com toxoplasma e infectar humanos pela penetração dos taquizoítos pelas mucosas da boca e faringe, o que leva à toxoplasmose.[40]

Expectativa de vida[editar | editar código-fonte]

A expectativa de vida das cabras é entre 15 e 18 anos.[41] Foi relatado um caso de cabra atingindo a idade de 24 anos. Vários fatores podem reduzir essa expectativa média; problemas durante a brincadeira podem diminuir a expectativa de vida duma cabra para 10 ou 11, e o estresse de entrar no cio pode diminuir a expectativa de vida dum cervo para oito a 10 anos.[42]

Uso humano[editar | editar código-fonte]

A criação de cabras é comum na região de Norte Chico, no Chile, onde a criação intensiva de caprinos em terras secas pode produzir erosão severa e desertificação

Uma cabra é útil aos humanos quando está viva e quando está morta, primeiro como fornecedora renovável de leite, esterco e fibra, e depois como carne e couro à produção de calçado, vestuário e ainda artigos de decoração.[14][43] O intestino de cabras é usado para fazer catgut, que ainda é usado como material para suturas cirúrgicas internas humanas e cordas para instrumentos musicais. O chifre do bode, que significa fartura e bem-estar (a cornucópia), também é usado para fazer colheres.[44]

Carne[editar | editar código-fonte]

O sabor da carne de cabra é semelhante ao da carne de cordeiro da primavera;[45] de fato, nas ilhas de língua inglesa do Caribe e em algumas partes da Ásia, particularmente Bangladexe, Paquistão e Índia, a palavra "cordeiro" é usado para descrever a carne de cabra e ovelha. No entanto, alguns comparam o sabor da carne de cabra com vitela ou veado, dependendo da idade e condição da cabra. Diz-se que seu sabor está principalmente ligado à presença de ácido 4-metiloctanoico e 4-metilnonanoico.[46]

Leite, manteiga e queijo[editar | editar código-fonte]

Criação de caprinos adequada à espécie com estábulo e cesto de feno
Leite sendo extraído de cabras em Israel

As cabras produzem cerca de 2% do suprimento anual total de leite do mundo.[47] O leite naturalmente tem glóbulos de gordura pequenos e bem emulsionados, o que significa que o creme permanece suspenso no leite, em vez de subir até o topo, como no leite de vaca cru; portanto, não precisa ser homogeneizado. De fato, se o leite for usado para fazer queijo, a homogeneização não é recomendada, pois isso altera a estrutura do leite, afetando a capacidade da cultura de coagular o leite e a qualidade final e o rendimento do queijo.[48] O leite é comumente processado em queijo, manteiga, sorvete, iogurte, cajeta e outros produtos. O queijo é conhecido como fromage de chèvre ("queijo de cabra") na França. Algumas variedades incluem Rocamadour e Montrachet.[49] A manteiga é branca porque as cabras produzem leite com o betacaroteno amarelo convertido numa forma incolor de vitamina A. O leite de cabra tem menos colesterol do que o de vaca.[50]

De acordo com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), os maiores produtores de leite de cabra em 2008 foram a Índia (4 milhões de toneladas), Bangladexe (2,16 milhões de toneladas) e o Sudão (1,47 milhão de toneladas).[51] A Índia abate 41% de 124,4 milhões de cabras a cada ano. Os 0,6 milhão de toneladas métricas de carne de cabra representam 8% da produção anual de carne da Índia.[52] Aproximadamente 440 milhões de cabras são abatidas a cada ano para carne em todo o mundo.[53] No subcontinente Indiano e em grande parte da Ásia, as cabras são criadas principalmente à produção de leite, tanto em ambientes comerciais quanto domésticos. As cabras nesta área podem ser mantidas alojadas de perto ou podem ser deixadas para comer forragem. A cabra-preta-salém é pastoreada nos campos e nas estradas durante o dia, mas é mantida encurralada à noite por segurança.[54]

Na África e Oriente Médio são normalmente conduzidas em rebanhos com ovelhas. Isso maximiza a produção por hectare, pois cabras e ovelhas preferem diferentes plantas alimentícias. Vários tipos de caprinocultura são encontrados na Etiópia, onde quatro tipos principais foram identificados: pastagens em sistemas de cultivos anuais, em sistemas de cultivos perenes, com gado e em áreas áridas, sob sistemas pastoris (nômades). Em todos os quatro sistemas, no entanto, as cabras eram normalmente mantidas em sistemas extensivos, com poucos insumos adquiridos.[55] As cabras domésticas são tradicionalmente mantidas na Nigéria. Enquanto muitas cabras podem vagar pela propriedade ou vila, outras são mantidas em currais e alimentadas no que é chamado de sistema de 'cortar e carregar'. Este tipo de criação também é usado em partes da América Latina. O corte e transporte, que se refere à prática de cortar gramíneas, milho ou cana para alimentação, em vez de permitir o acesso do animal ao campo, é particularmente adequado para tipos de alimentos, como milho ou cana, que são facilmente destruídos por atropelamento.[56]

Nutrição[editar | editar código-fonte]

Alguns pesquisadores e empresas produtoras de produtos lácteos de cabra fizeram alegações de que o leite de cabra é melhor à saúde humana do que a maioria do leite de vaca ocidental devido à falta duma forma de proteínas β-caseína chamada A1 e, em vez disso, conter principalmente a forma A2, que não metabolizar em β-casomorfina 7 no corpo.[57][58][59][60] A Academia Americana de Pediatria desencoraja a alimentação de bebês com leite derivado de cabras. Um relatório de caso de abril de 2010[61] resume sua recomendação e apresenta "revisão abrangente das consequências associadas a essa prática perigosa", afirmando também: "Muitos bebês são alimentados exclusivamente com leite de cabra não modificado como resultado de crenças culturais, bem como exposição a informações falsas on-line. Relatórios anedóticos descreveram uma série de morbidades associadas a essa prática, incluindo anormalidades eletrolíticas graves, acidose metabólica, anemia megaloblástica, reações alérgicas, incluindo choque anafilático com risco de vida, síndrome hemolítico-urêmica e infecções." A brucelose caprina não tratada resulta numa taxa de letalidade de 2%. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), o leite de corça não é recomendado para bebês humanos porque contém "quantidades inadequadas de ferro, folato, vitaminas C e D, tiamina, niacina, vitamina B6 e ácido pantotênico para atender às necessidades nutricionais dum bebê" e pode causar danos para os rins duma criança e pode causar danos metabólicos.[62]

O Departamento de Saúde do Reino Unido divulgou repetidamente declarações afirmando em várias ocasiões que[63] "o leite de cabra não é adequado para bebês, e as fórmulas infantis e fórmulas de transição à base de proteína do leite de cabra não foram aprovadas para uso na Europa" e "leites infantis à base de proteína do leite de cabra não são adequados como fonte de nutrição para bebês".[64] as indicações à alimentação de lactentes com leite de cabra não modificado são paralelas às associadas ao leite de vaca não modificado — especialmente no que diz respeito a reações alérgicas.[65] No entanto, alguns grupos de agricultores promovem a prática. Por exemplo, Small Farm Today, em 2005, alegou uso benéfico em dietas de inválidos e convalescentes, propondo que éteres de glicerol, possivelmente importantes na nutrição de lactentes, são muito mais elevados no leite do que no leite de vaca.[66] Um livro de 1970 sobre criação de animais afirmou que o leite difere do leite de vaca ou humano por ter maior digestibilidade, alcalinidade distinta, maior capacidade de tamponamento e certos valores terapêuticos na medicina e nutrição humanas.[67] George Mateljan sugeriu que o leite de cabra pode substituir o leite de ovelha ou o leite de vaca na dieta daqueles que são alérgicos ao leite de certos mamíferos. No entanto, assim como o leite de vaca, o leite de cabra contém lactose (açúcar) e pode causar problemas gastrointestinais em indivíduos com intolerância à lactose.[68] Na verdade, o nível de lactose é semelhante ao do leite de vaca.[64]

Composição básica de vários leites (valores médios por 100 g)[69]
Constituinte Doe (cabra) Vaca Humano
Gordura (g) 3.8 3.6 4,0
Proteína (g) 3,5 3.3 1.2
Lactose (g) 4.1 4.6 6.9
Cinza (g) 0,8 0,7 0,2
Sólidos totais (g) 12.2 12.3 12.3
Calorias 70 69 68
Análise da composição do leite, por 100 gramas[70]
Constituintes Unidade Vaca Cabra Ovelha Búfalo-asiático
Água g 87,8 88,9 83,0 81,1
Proteína g 3.2 3.1 5.4 4,5
Gordura g 3.9 3,5 6,0 8,0
Carboidratos g 4,8 4.4 5.1 4.9
Energia kcal 66 60 95 110
Energia kJ 275 253 396 463
Açúcares (lactose) g 4,8 4.4 5.1 4.9
Colesterol mg 14 10 11 8
Cálcio IU 120 100 170 195
Ácidos graxos saturados g 2.4 2.3 3.8 4.2
Ácidos graxos monoinsaturados g 1.1 0,8 1,5 1,7
Ácidos graxos poliinsaturados g 0,1 0,1 0,3 0,2

Limpeza de terreno[editar | editar código-fonte]

Cabras controlando o crescimento de plantas numa autoestrada 59 na Alemanha

As cabras têm sido usadas pelos humanos para limpar a vegetação indesejada há séculos. Eles foram descritos como "máquinas de comer" e "agentes de controle biológico".[71] Houve um ressurgimento disso na América do Norte desde 1990, quando os rebanhos foram usados para limpar o mato seco das encostas da Califórnia, consideradas ameaçadas por possíveis incêndios florestais. Essa forma de usar cabras para limpar a terra às vezes é conhecida como pastagem de conservação. Desde então, várias agências públicas e privadas contrataram rebanhos privados de empresas como a Rent A Goat para realizar tarefas semelhantes.[72][73] Isso pode ser caro e seu cheiro pode ser um incômodo.[74] Esta prática tornou-se popular no noroeste do Pacífico, onde eles são usados para remover espécies invasoras que não são facilmente removidas por humanos, incluindo videiras de amora (com espinhos) e carvalho venenoso.[72][75][76] Chattanooga, TN e Spartanburg, SC usaram cabras para controlar Pueraria lobata, uma espécie de planta invasora prevalente no sudeste dos Estados Unidos.[77]

Treinamento médico[editar | editar código-fonte]

Como a anatomia e a fisiologia duma cabra não são muito diferentes da dos humanos, os militares de alguns países usam cabras para treinar médicos de combate. Nos Estados Unidos, as cabras se tornaram as principais espécies animais usadas para esse propósito depois que o Pentágono acabou com o uso de cães para treinamento médico na década de 1980.[78] Enquanto os manequins modernos usados no treinamento médico são bastante eficientes em simular o comportamento dum corpo humano, os treinandos sentem que "o exercício da cabra fornece uma sensação de urgência que apenas o trauma da vida real pode fornecer".[79]

Animais de estimação[editar | editar código-fonte]

Algumas pessoas escolhem cabras como animais de estimação por causa de sua capacidade de formar laços estreitos com seus guardiões humanos.[80][38] As cabras são animais sociais e geralmente preferem a companhia de outras cabras, mas por causa de sua mentalidade de rebanho, elas seguem seu dono e formam laços estreitos com eles, daí sua popularidade contínua.[37] As cabras são semelhantes aos veados no que diz respeito à nutrição e precisam de ampla variedade de alimentos, incluindo feno, ração de grãos ou mistura de grãos granulados e minerais soltos.[81] As cabras geralmente herdam certas preferências alimentares ou as aprendem após o nascimento.[82]

Mitologia e folclore[editar | editar código-fonte]

Enócoa grega antiga com pintura de cabras selvagens

Arqueólogos escavando a antiga cidade de Ebla na Síria descobriram, entre outros, o túmulo de algum rei ou grande nobre que incluía um trono decorado com cabeças de cabra de bronze. Isso levou a que este túmulo se tornasse conhecido como "O Túmulo do Senhor dos Bodes".[83][84] Segundo a mitologia nórdica, o deus do trovão, Tor, tem uma carruagem puxada pelas cabras Tanngrisnir e Tanngnjóstr. Diz-se que o deus grego tem a parte superior do corpo dum homem e os chifres e a parte inferior do corpo duma cabra. A tradição popular cristã na Europa associou Satanás com imagens de cabras.[85]

Na Finlândia, a tradição de NuutinpäiväDia de São Canuto, 13 de janeiro — envolve jovens vestidos de cabras (em finlandês: Nuuttipukki) que visitam as casas. Normalmente, o vestido era uma jaqueta de pele invertida, uma máscara de couro ou casca de bétula e chifres. Ao contrário dos análogos Papai Noel, Nuuttipukki era um personagem assustador (cf. Krampus). Os homens vestidos como Nuuttipukki vagavam de casa em casa, entravam e normalmente exigiam comida da casa e especialmente sobras de bebidas alcoólicas. Na Finlândia, a tradição Nuuttipukki ainda é mantida viva em áreas de Satagúndia, Finlândia Própria e Ostrobótnia. No entanto, hoje em dia o personagem é geralmente interpretado por crianças e agora envolve um encontro feliz.[86]

Religião[editar | editar código-fonte]

As cabras são mencionadas muitas vezes na Bíblia e sua importância no Israel Antigo é indicada pelos sete termos hebraicos e três gregos diferentes usados na Bíblia.[87] Uma cabra é considerada um animal "limpo" pelas leis dietéticas judaicas e um cabrito foi abatido ao convidado de honra. Também era aceitável para alguns tipos de sacrifícios. Cortinas de pelo de cabra foram usadas na tenda que continha o tabernáculo (Êxodo 25:4). Seus chifres podem ser usados ​​em vez do chifre de ovelha para fazer um xofar.[88]

No Novo Testamento (Mateus 25:), Jesus retornou a Jerusalém no primeiro dia da semana (domingo) antes de sua crucificação. Tendo visitado o templo judaico, se encontrou com seus discípulos no Monte das Oliveiras, fora da cidade. No final dum longo discurso, falou dum tempo após sua Ressurreição, quando retornaria em glória e se sentaria para julgar as nações gentias do mundo usando uma metáfora das ovelhas e dos bodes. Comumente ovelhas e cabras pastavam juntas em rebanhos mistos.[87]

Em Mateus 25:31–46, Jesus disse que, como pastor, separará as nações colocando à sua direita as ovelhas, aquelas que demonstraram bondade para com os necessitados e sofredores discípulos de Jesus e outros. Estes ele recompensará, mas os bodes à sua esquerda, que não demonstraram bondade, serão punidos. Embora tanto ovelhas quanto cabras fossem valorizadas como gado, essa preferência por ovelhas pode estar relacionada à importância da e à carne superior das ovelhas adultas em comparação com a carne pobre das cabras adultas.[87]

Cabra feral[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Cabra feral

As cabras revertem prontamente à natureza (tornam-se selvagens) se tiverem a oportunidade. O único animal doméstico conhecido por retornar à vida selvagem tão rapidamente é o gato.[10] As cabras selvagens se estabeleceram em muitas áreas: ocorrem na Austrália, Nova Zelândia, Grã-Bretanha, Galápagos e em muitos outros lugares. Quando atingem grandes populações em habitats que fornecem abastecimento ilimitado de água e que não contêm predadores suficientemente grandes ou que são vulneráveis aos hábitos de pastoreio agressivos das cabras, podem ter efeitos graves, como a remoção de arbustos nativos, árvores e outra vegetação que é exigido por ampla gama de outras criaturas, não apenas outros animais de pastagem ou pastoreio. As cabras selvagens são extremamente comuns na Austrália, com estimativa de 2,6 milhões em meados da década de 1990.[89]

Referências

  1. «Cabra e Bode». Consultado em 11 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 25 de julho de 2018 
  2. «Cabra, Información y Características». Bioenciclopédia. Consultado em 11 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2022 
  3. a b Hirst, K. Kris. «The History of the Domestication of Goats». Consultado em 11 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 7 de abril de 2022 
  4. Zeder, Melinda A.; Hesse, Brian (2000). «The Initial Domestication of Goats (Capra hircus) in the Zagros Mountains 10,000 Years Ago». Science. 287 (5461): 2254–7. Bibcode:2000Sci...287.2254Z. PMID 10731145. doi:10.1126/science.287.5461.2254. Cópia arquivada em 7 de julho de 2022 
  5. Coffey, Linda; Hale, Margo; Wells, Ann (agosto de 2004). «Goats: Sustainable Production Overview». attra.ncat.org. Arquivado do original em 4 de fevereiro de 2007 
  6. FAOSTAT, Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, consultado em 19 de janeiro de 2014, arquivado do original em 25 de janeiro de 2016 
  7. «Lista de espécies exóticas invasoras do Brasil». Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira (SiBBr). Consultado em 14 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 14 de outubro de 2022  |wayb= e |arquivodata= redundantes (ajuda)
  8. Lowe, S.; Browne, M.; Boudjelas, S.; Poorter, M. (2004) [2000]. «100 of the World's Worst Invasive Alien Species: A selection from the Global Invasive Species Database» (PDF). Auclanda: O Grupo de Especialistas em Espécies Invasoras (ISSG), um grupo de especialistas da Comissão de Sobrevivência de Espécies (SSC) da União Mundial de Conservação (IUCN). Consultado em 21 de outubro de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 16 de março de 2017 
  9. Ferreira, Alberto Buarque de Holanda (1986). Novo dicionário da língua portuguesa 2.ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. p. 303 
  10. a b c d «Breeds of Livestock; Goats: (Capra hircus)». Oklahoma State University Board of Regents. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2022 
  11. a b Naderi, Saeid; Rezaei, Hamid-Reza; Pompanon, François; Blum, Michael G. B.; Negrini, Riccardo; Naghash, Hamid-Reza; Balkiz, Özge; Mashkour, Marjan; Gaggiotti, Oscar E.; Ajmone-Marsan, Paolo; Kence, Aykut; Vigne, Jean-Denis; Taberlet, Pierre (18 de novembro de 2008). «The goat domestication process inferred from large-scale mitochondrial DNA analysis of wild and domestic individuals». PNAS. 105 (46): 17659–17664. Bibcode:2008PNAS..10517659N. PMC 2584717Acessível livremente. PMID 19004765. doi:10.1073/pnas.0804782105Acessível livremente 
  12. Trinity College Dublin (7 de junho de 2021). «10,000-year-old DNA pens the first tales of the earliest domesticated goats». Phys.org. Cópia arquivada em 30 de março de 2022 
  13. Maisels, C. K. (1999). The Near East: Archaeology in the Cradle of Civilization. Londres e Nova Iorque: Routledge. p. 124 
  14. a b c «Cabra». Bicharada. Consultado em 11 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 5 de agosto de 2021 
  15. a b c Taylor, R. E.; Field, T. G. (1999). «Growth and Development». Scientific Farm Animal Production: An Introduction to Animal Science 6.ª ed. Hoboken, Nova Jérsei: Prentice-Hall. p. 321–324 
  16. Belanger, J.; Bredesen, S. T. (2010). «Basic Information about Goats». Storey's Guide to Raising Dairy Goats 2.ª ed. North Adams: Storey Publishing. 14 páginas 
  17. «Animals with no tear ducts». Pets on Mom.com. Consultado em 17 de outubro de 2021 
  18. «Polled Genetics». American Goat Society. Consultado em 11 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 11 de maio de 2020 
  19. a b c d Smith, Mary C.; Sherman, David M. (16 de novembro de 2011). Goat Medicine. Hoboken, Nova Jérsei: John Wiley & Sons. ISBN 978-1-119-94952-7 
  20. Bowman, Gail. «What is a Genetic Flaw in a Boer Goat?». Boer Goats Home. Consultado em 12 de novembro de 2014. Arquivado do original em 12 de novembro de 2014 
  21. «Choosing Your Boer Goat- How Do I Know What to Look For?». Rooster Ridge Boer Goats. Consultado em 12 de novembro de 2014. Arquivado do original em 12 de novembro de 2014 
  22. Portaria n.º 55/2015, Diário da República n.º 41/2015, Série I de 2015-02-27.
  23. Cabo, Paula; Fernandes, António; Ribeiro, Maria Isabel (2020). «A valorização dos produtos endógenos em territórios rurais de baixa densidade: produção qualificada de caprinos na região interior norte de Portugal». In: Carvalho, Maria Leonor da Silva; Marta-Costa, Ana Alexandra. A agricultura e os desafios societais para o período 20-30: Atas do IX Congresso da APDEA (PDF). Lisboa: Associação Portuguesa de Economia Agrária (APDEA). pp. 329–343. ISBN 978-972-8552-07-7. Consultado em 12 de outubro de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 19 de janeiro de 2022 
  24. «Breeds reported by United Kingdom». Domestic Animal Diversity Information System. Food and Agriculture Organization of the United Nations. 2015. "English Goat" and "Nubian & Anglo-Nubian" entries. Consultado em 1 de junho de 2015 
  25. Shackleton, D. M.; Shank, C. C. (1984). «A Review of the Social Behavior of Feral and Wild Sheep and Goats» (PDF). ournal of Animal Science. 58 (2): 500–509 
  26. Feichtenberger, Klaus, Jill Clarke, Elyse Eisenberg, and Otmar Penker (Writers and Directors) (2008). Prince of the Alps (Television Production). ORF/Nature. Em cena em Shortly after birth. Consultado em 5 de maio de 2009. Cópia arquivada em 10 de março de 2022. 'The mother eats the placenta to prevent predators from getting the scent.' 
  27. Roe III, Leonard Lee (2004). The Deer of North America. Guilford Center, Connecticute: Globe Pequot. p. 224. ISBN 978-1-59228-465-8 
  28. «Dairy Goat Journal. – raising goats – goat business». Dairygoatjournal.com 
  29. Kumar, Dr. Davendra; Saha, S.; Chaturvedi, O. H.; Kumar, Sushil; Mann, J. S.; Mittal, J. P.; Singh, V. K. «Lactation in Males». ISSGPU – Indian Society for Sheep and Goat Production and Utilization Newsletter (2). Consultado em 31 de dezembro de 2009 
  30. «Learning About Goats» (PDF). Texas Department of Agriculture. Arquivado do original (PDF) em 22 de dezembro de 2009 
  31. «War on Weeds». Rails to Trails Magazine: 3. 2004 
  32. Wild China A BBC2 programme transmitted on October 31, 2016
  33. «Digestive System of Goats» (PDF). Alabama Cooperative Extension System. Consultado em 12 de outubro de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 2 de junho de 2022 
  34. Pugh, D. G.; Rankins, D. L. Jr. (2012). «Feeding and Nutrition». Sheep and Goat Medicine 2.ª ed. Maryland Heights: Elsevier. p. 40–42 
  35. MacDonald, Fiona (30 de junho de 2018). «Goats Are as Smart And Loving as Dogs, According to Science». ScienceAlert (em inglês). Consultado em 8 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 15 de março de 2022 
  36. Fowler, M. E. (2008). Restraint and Handling of Wild and Domestic Animals 3.ª ed. Hoboken, Nova Jérsei: Wiley-Blackwell. p. 144 }
  37. a b Deamer, Kacey (15 de julho de 2016), Man's New Best Friend Is a Goat?, Live Science, cópia arquivada em 22 de outubro de 2021 
  38. a b Nawroth, Christian; Brett, Jemma; McElligott, Alan (5 de julho de 2016), «Goats display audience-dependent human-directed gazing behaviour in a problem-solving task», Biology Letters, 12 (7), PMC 4971169Acessível livremente, PMID 27381884, doi:10.1098/rsbl.2016.0283 
  39. Douglas, Catherine (8 de julho de 2016), Goats, sheep and cows could challenge dogs for title of 'man's best friend', The Conversation, consultado em 29 de agosto de 2016, cópia arquivada em 15 de maio de 2021 
  40. Chiari, Cléa de Andrade; Neves, David Pereira (1984). «Toxoplasmose humana adquirida através da ingestão de leite de cabra» (PDF). Rio de Janeiro. Memorial Instituto Oswaldo Cruz. 79 (3): 337-340. Consultado em 12 de outubro de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 14 de fevereiro de 2020 
  41. William S. Spector, ed. (1956). Handbook of Biological Data. Filadélfia: Saunders 
  42. «Teeth, Life Expectancy & How to estimate a goat's age». fiascofarm.com. 16 de março de 2009. Consultado em 30 de maio de 2009. Cópia arquivada em 15 de março de 2022 
  43. Mahmoud, Abdel Aziz (outubro de 2010). «Present status of the world goat populations and their productivity» (PDF). Lohmann Group. Lohmann Information. 45 (2): 43. Cópia arquivada (PDF) em 4 de agosto de 2022 
  44. «Request Rejected». Naturalhistory.si.edu. Consultado em 6 de junho de 2022 
  45. «Milk Goats». Life. 18 de junho de 1945. Consultado em 6 de julho de 2010 
  46. Cramer, D. A. (1983). «Chemical compounds implicated in lamb flavor». Food Technology (37): 249–257  and Wong, E.; Nixon, L. N.; Johnson, B. C. (1975). «The contribution of 4-methyloctanoic (hircinoic) acid to mutton and goat meat flavor». New Zealand Journal of Agricultural Research. 18 (3): 261–266. doi:10.1080/00288233.1975.10423642Acessível livremente  Both articles cited in: Intarapichet, K.; Sihaboot, W.; Chungsiriwat, P. (1995). «Chemical and Sensory Characteristics of Emulsion Goat Meat Sausages Containing Pork Fat or Shortening» (PDF). Malásia. ASEAN Food Journal. Cópia arquivada (PDF) em 31 de março de 2022 
  47. FAO. 1997. 1996 Production Yearbook. Food Agr. Organ., UN. Rome, Italy.
  48. Amrein-Boyes, D. (2009). 200 Easy Homemade Cheese Recipes: From Cheddar and Brie to Butter and Yogurt. Toronto: Robert Rose Inc. 
  49. «Chèvre cheese». foodnetwork.com. 2008. Arquivado do original em 10 de janeiro de 2009 
  50. «Goat's Milk in Nagercoil». amd integrated farms 
  51. «FAOSTAT». Fao.org. Consultado em 6 de junho de 2022. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2022 
  52. Narayan, Raj; Mendiratta, S. K.; Mane, B. G. (2015). «Effects of citric acid, cucumis powder and pressure cooking on quality attributes of goat meat curry». Journal of Food Science and Technology. 52 (3): 1772–1777. PMC 4348252Acessível livremente. PMID 25745255. doi:10.1007/s13197-013-1023-x 
  53. «FAOSTAT». www.fao.org. Consultado em 25 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 5 de outubro de 2022 
  54. Thiruvenkadan, A. K.; Karunanithi, Karikalan (2006). «Characterisation of Salem Black goats in their home tract». Animal Genetic Resources Information (38). doi:10.1017/S1014233900002066 
  55. Gizaw, S.; Tegegne, A.; Gebremedhin, B.; Hoekstra, D. (2010). Sheep and goat production and marketing systems in Ethiopia: Characteristics and strategies for improvement. IPMS (Improving Productivity and Market Success) of Ethiopian Farmers Project, Working Paper No. 23 (Relatório). Nairobi, Kenya: International Livestock Research Institute. hdl:10568/2238. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2022 
  56. Sumberg, J. E. (1984). «Small ruminant feed production in a farming systems context». In: Sumber, J. E.; Cassaday, K. Sheep and Goats in Humid West Africa: Proceedings of the Workshop on Small Ruminant Production Systems in the Humid Zone of West Africa, Held in Ibadan, Nigeria, 23-26 January 1984 (PDF). Adis Adeba: Centro Internacional de Pecuária para África. Cópia arquivada (PDF) em 13 de dezembro de 2016 
  57. Woodford, Keith (2010). Devil in the milk – Illness, health and politics A1 and A2 milk Updated ed. Nelson, Nova Zelândia: Craig Potton Publishing. 21 páginas. ISBN 978-1-877333-70-5 
  58. Jung, Tae-Hwan; Hwang, Hyo-Jeong; Yun, Sung-Seob; Lee, Won-Jae; Kim, Jin-Wook; Ahn, Ji-Yun; Jeon, Woo-Min; Han, Kyoung-Sik (31 de dezembro de 2017). «Hypoallergenic and Physicochemical Properties of the A2 β-Casein Fractionof Goat Milk». Korean Journal for Food Science of Animal Resources. 37 (6): 940–947. ISSN 1225-8563. PMC 5932946Acessível livremente. PMID 29725217. doi:10.5851/kosfa.2017.37.6.940 
  59. Pasin, Gonca (9 de fevereiro de 2017). «A2 Milk Facts - California Dairy Research Foundation». cdrf.org. Consultado em 12 de junho de 2019. Arquivado do original em 18 de maio de 2021 
  60. «Why the A2 Protein Makes Goat Milk Such a Game Changer». The Good Goat Milk Company. 15 de agosto de 2017. Consultado em 12 de junho de 2019 
  61. Basnet, S.; Schneider, M.; Gazit, A.; Mander, G.; Doctor, A. (2010). «Fresh Goat's Milk for Infants: Myths and Realities—A Review». Pediatrics. 125 (4): e973–e977. PMID 20231186. doi:10.1542/peds.2009-1906. Consultado em 14 de julho de 2010 
  62. «Infant Formula Feeding» (PDF). USDA. Consultado em 17 de junho de 2010 
  63. Edwardes, Charlotte (19 de junho de 2005). «Fresh Goat's Milk for Infants: Myths and Realities—A Review». Daily Telegraph. Londres. Consultado em 14 de julho de 2010. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2022 
  64. a b Professor Martin Marshall – Deputy Chief Medical Officer – Department of Health (22 de agosto de 2006). «Withdrawal From Sale of Infants Milks Based on Goats' Milk on 17 September 2006». non-urgent memo. Department of Health. Consultado em 12 de agosto de 2007. Arquivado do original em 29 de agosto de 2006 
  65. «Nutrition for Healthy Term Infants: Other alternate milks (ii) Goat's milk». Health Canada. Arquivado do original em 19 de agosto de 2012 
  66. «Small Farm Today». Missouri Farm Pub. 22–24 2005 
  67. Devendra, C.; Burns, M. (1970). «Goat production in the tropics». Commonwealth Bur. Anim. Breeding and Genetics, Tech. Commun. (19) 
  68. «The World's Healthiest Foods | Milk, goat». whfoods.org. Arquivado do original em 3 de maio de 2008 
  69. Park, W. Y.; Haenlein, G. F. W. (2006). Handbook of Milk of Non-Bovine Mammals. Hoboken, Nova Jérsei: Blackwell Publishing 
  70. «Milk analysis». North Wales Buffalo. Consultado em 3 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 29 de setembro de 2007  (Citing McCane, Widdowson, Scherz, Kloos, International Laboratory Services.)
  71. «NCSU: Animal Science – Meat Goats in Land and Forage Management». ncsu.edu. Cópia arquivada em 26 de janeiro de 2021 
  72. a b «Rent-a-goats gain foothold». Seattle Post-Intelligencer. 14 de junho de 2007. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2022 
  73. McGuire, Virginia C. (17 de setembro de 2013). «How to Get a Goat to Weed Your Garden». Modernfarmer.com. Cópia arquivada em 4 de junho de 2022 
  74. «Oregon scraps goat landscaping scheme due to cost and smell». BBC News. 27 de fevereiro de 2016. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2021 
  75. «Options for Clearing Land: Pasture Establishment for Horses – Publications and Educational Resources – Virginia Tech». vt.edu. 1 de maio de 2009. Consultado em 24 de abril de 2011. Arquivado do original em 13 de dezembro de 2014 
  76. Jolly, Joanna (13 de janeiro de 2015). «The goats fighting America's plant invasion». BBC News. Washington. Cópia arquivada em 10 de setembro de 2022 
  77. Emery, Theo (5 de junho de 2007). «In Tennessee, Goats Eat the 'Vine That Ate the South'». The New York Times. Cópia arquivada em 24 de abril de 2022 
  78. Kelly, Jon (8 de março de 2013). «Who, What, Why: Does shooting goats save soldiers' lives?». BBC News Magazine. Washington DC. Cópia arquivada em 21 de março de 2022 
  79. Londoño, Ernesto (24 de fevereiro de 2013). «Military is required to justify using animals in medic training after pressure from activists». The Washington Post. Arquivado do original em 28 de fevereiro de 2013 
  80. MacDonald, Fiona (30 de junho de 2018). «Goats Are as Smart And Loving as Dogs, According to Science». ScienceAlert (em inglês). Consultado em 18 de abril de 2021. Cópia arquivada em 15 de março de 2022 
  81. «Learn How to Feed and Tend Goats on the Small Farm». The Spruce. Consultado em 19 de abril de 2020. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2022 
  82. Morand-Fehr, P. (1 de setembro de 2003). «Dietary choices of goats at the trough». Small Ruminant Research. Advanced research on nutrition of sheep and goats, with special reference to pasture and rangeland use (em inglês). 49 (3): 231–239. ISSN 0921-4488. doi:10.1016/S0921-4488(03)00141-X. Cópia arquivada em 31 de março de 2022 
  83. Matthiae, Paolo (2020). Ebla: Archaeology and History. Traduzido por Bates, R.; Bilardello, M.; Weston, A. 1st ed. Londres e Nova Iorque: Routledge. ISBN 978-1-13885065-1 
  84. Nigro, Lorenzo (2009). «The Eighteenth Century BC Princes of Byblos and Ebla and the Chronology of the Middle Bronze Age». In: Maila-Afeiche, Anne-Marie. Interconnections in the Eastern Mediterranean: Lebanon in the Bronze and Iron Ages. Proceedings of the International Symposium – Beirut 2008. Col: BAAL Hors-Série VI. Beirute: Ministério da Cultura, Dir. Geral de antiguidades. p. 161 
  85. Cooper, J.C. (1979). An illustrated encyclopaedia of traditional symbols. Nova Iorque: Thames and Hudson. p. 74. ISBN 978-0-500-27125-4 
  86. «Satakunnan Kansa». Satakunnankansa.fi. 13 de janeiro de 2011. Consultado em 13 de janeiro de 2014. Arquivado do original em 13 de janeiro de 2014 
  87. a b c Younker, Randall W. (2000). Eerdmans dictionary of the Bible. Grand Rapids, Michigão: W. B. Eerdmans. p. 510. ISBN 0802824005 
  88. Chusid, Michael T. (2009). «Hearing Shofar: The Still Small Voice of the Ram's Horn» 
  89. «The feral goat (Capra hircus) – Invasive species fact sheet» (PDF). environment.gov.au. Arquivado do original (PDF) em 11 de setembro de 2008 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Cabras