Selva de Pedra (condomínio)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Selva de Pedra é o nome informal dado a um condomínio de edifícios de classe média e média-alta localizado no Leblon, na Zona Sul do Rio de Janeiro.

Denominação[editar | editar código-fonte]

O nome foi dado pelos primeiros moradores. Foi uma referência à telenovela Selva de Pedra, de Janete Clair, exibida pela da Rede Globo de Televisão na época da construção do condomínio.[1] O título da novela, por sua vez, referia-se ao Estado da Guanabara, altamente urbanizado, em contraposição ao interior fluminense, local de origem da personagem principal.

História[editar | editar código-fonte]

O plano de construção do Selva de Pedra começou após o incêndio, na madrugada do dia 11 de maio de 1969, da favela da Praia do Pinto. Durante cinco dias, o fogo consumiu boa parte dos barracos. Na época, moradores acusaram os bombeiros de não atender aos pedidos de socorro e levantaram suspeitas de que o incêndio tivesse sido proposital.[2][3]

A população da favela foi em grande parte transferida para conjuntos habitacionais na Zona Oeste. A transferência fazia parte do plano governamental de retirada das populações de baixa renda da Zona Sul para áreas distantes e em habitações regularizadas.

Destinada inicialmente a setores mais baixos da classe média carioca (professores, taxistas, funcionários), a Selva de Pedra foi aos poucos mudando de perfil. Os imóveis se valorizaram e passaram a ser ocupados por segmentos de renda mais alta.[4]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

A Selva de Pedra é composta por 40 edifícios de diferentes tamanhos e estruturas, somando um total de 2.251 apartamentos. É cortado por quatro ruas internas e sem saída: Rua Ministro Correia de Melo, Rua Padre Achótegui, Rua Ramos Monteiro e Rua Saboia Ribeiro. As quatro ruas internas desembocam na praça central, a Praça Milton Campos, densamente arborizada. É circundado por outras quatro vias de trânsito local: Avenida Afrânio de Mello Franco, Rua Fadel Fadel, Rua Humberto de Campos e Rua Gilberto Cardoso.

Referências

  1. MEDEIROS, Ana Paula Garcia. O papel das Associações de Moradores na dinâmica de usos em duas quadras residenciais no Rio de Janeiro
  2. Fantasma exorcizado. Favela tem Memória, 23 de março de 2003
  3. LIMA, Rogério Barbosa. Cai o Pano. Crônicas do Antigo Leblon
  4. RIBEIRO, Luiz Cesar de Queiroz; CRUZ, Gisele dos Reis; e MABERLA, Juliana Eleuze Carreira. Proximidade Territorial e Distância Social: reflexões sobre o efeito do lugar a partir de um enclave urbano. A Cruzada São Sebastião no Rio de Janeiro. Observatório das Metrópoles