Sexofobia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Sexofobia é o medo dos órgãos sexuais ou atividades sexuais[1] e, num sentido mais amplo, o medo da sexualidade.[2] Como tal, pode ser aplicado para a atitude de uma pessoa com base em sua formação educacional, experiências pessoais e psiquicas, ou para a posição geral de entidades coletivas, como grupos religiosos, instituições ou estados.[3]

Sexofobia e Religião[editar | editar código-fonte]

A sexualidade é regulada nas três principais religiões monoteístas através do conceito de pecado. Por exemplo, no Islã há uma série de proibições designado haram, dos quais zina condenar especificamente muitos tipos de relações sexuais que são vistos como impuro. Outras religiões como o budismo predica também uma renúncia do sexo,[4] que pode eventualmente levar a sexofobia.

Católicismo Romano[editar | editar código-fonte]

A Sexofobia tem uma história longa e complexa relacionada com a Igreja Católica Apostolica Romana, desde o seu início.[5] A Igreja condenou práticas como a masturbação[2] e o gozo geral do corpo em favor da castidade e auto-mortificação. O filósofo francês Michel Foucault, em seu livro A História da Sexualidade, analisa como a igreja desenvolveu um discurso sobre a sexualidade através do ritual da confissão. Na verdade, padres católicos teve de confessar se eles tinham cometido qualquer dos pecados da carne, mas também se tinha pensado em fazer, ou desejar. Na Alta Idade Média (900 - 1300), a confissão era reservado aos sacerdotes, mas a igreja decidiu depois impor também aos paroquianos comuns a fim de generalizar as confissões do "pecado da carne".[6] Uma análise do código sexual da Igreja Medieval revela que a sua lei básica era que o ato sexual era para ser realizado o mais raramente possível, já que o sexo ou ato sexual era considerado apenas para a procriação. As autoridades mais severas da Igreja incentivava seus rebanhos para evitar a coabitação completa, apesar de casados, pois aos olhos da Igreja não havia amor, só desejo. Um dos defensores da Igreja afirmou que, se um homem amou sua esposa apaixonadamente, ele tinha cometido um pecado pior do que o adultério. Os homens que estupra/molesta mulheres e crianças ou praticam poligamia, sodomia, concubinato, incesto, paixão, adultério e escravidão sexual, serão automaticamente condenados ao inferno, de acordo com a Igreja Católica Medieval. Entre o século IV até os anos 1500's, não existiam bordeis ou/e prostitutas em toda Itália e França, e quando passaram a existir eram raríssimos e muito restritivos, homens casados chegaram a ser ameaçados de pena de morte pelas autoridades. A Igreja condena também a prostituição e a pornografia.[7][8][9][10][11][12]

Sexofobia e o Estado[editar | editar código-fonte]

União Sovietica[editar | editar código-fonte]

A União Soviética é frequentemente citado em estudos sobre sexofobia de estado, onde foi usado como meio repressivo para controlar a população, e mais especificamente os jovens.[13][14] Esta atitude remonta a política de Lenin e Stalin,[15] e foi utilizado pelo Partido Comunista da União Soviética de 1930 sobre a censura e destruir todos os tipos de obras de arte relacionadas com a sexualidade.[16]

Sexofobia e Homofobia[editar | editar código-fonte]

A Sexofobia como medo do sexo pode estar ligada a atitudes e comportamentos homofóbicos, Martin Kantor descreveu muitos homofóbicos como sendo basicamente sexofóbicos, que temem e detestam as relações sexuais, tanto entre parceiros do mesmo sexo e entre parceiros heterossexuais.[17]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Definition by The Free Dictionary, based on the Segen's Medical Dictionary
  2. a b S. Patton, Michael (verão de 1985). «Masturbation from Judaism to Victorianism». Journal of Religion and Health. 24 (2): 133–146. doi:10.1007/bf01532257. Consultado em 30 de janeiro de 2015. Masturbation was condemned in Judaism and Christianity as the "secret sin" and became the base for social taboo as a sexual deviation in Western civilization. 
  3. Jackson, Richard (2004). (Re)constructing Cultures of Violence and Peace. [S.l.]: Rodopi. p. 96. ISBN 9789042011496. Sexophobia is the social and personal stigma associated with anything related to the physical and psychological aspects of sex and sexuality. This is evident from the 1961 Soviet Moral Code (…) 
  4. Numrich, Paul David (25 de fevereiro de 2009). «The Problem with Sex According to Buddhism». Dialog - a journal of theology. 48 (1): 62–73. doi:10.1111/j.1540-6385.2009.00431.x. Consultado em 30 de janeiro de 2015. Given Buddhism’s historic emphasis on a renunciatory ideal modeled by a monastic community, a substantial portion of the essay examines the disciplinary rules and sexual behaviors of Buddhist monks and nuns. 
  5. S. Patton, Michael (verão de 1988). «Suffering and damage in Catholic sexuality». Journal of Religion and Health. 27 (2): 130. doi:10.1007/BF01532070. Consultado em 27 de janeiro de 2015. For almost two millennia the Roman Catholic Church has canonically - legally - prescribed the sexual values of Roman Catholics through an elaborate system of religious-cultural formation, which has undoubtedly contributed to sexual repression in Western societies since the Middle Ages. 
  6. Sevegrand, Martine (1996). L'Amour en toutes lettres [Love in all its letters] (em french). [S.l.]: Albin Michel. p. 16 
  7. Summa Theologica IIª-IIae, q. 154 a. 12 ad 4 (in Latin)
  8. Summa Theologica IIª-IIae, q. 154 a. 11 co. (in Latin)
  9. «FAQ - YOUCAT.us». Consultado em 6 de janeiro de 2015 
  10. On Marriage and Concupiscence,I,10
  11. Marcus, Joel (abril de 2006). «Idolatry In The New Testament». Interpretation. 60 (2): 152–164. doi:10.1177/002096430606000203. Consultado em 5 de outubro de 2012 
  12. Augustine, On the Good of Marriage, ch. 20; cf. On Marriage and Concupiscence,I,10
  13. Kon, Igor Semyonovich. The Sexual Revolution in Russia: From the Age of the Czars to Today. [S.l.]: Free Press. p. 1. Repressive sexophobia was an integral part of maintaining control over individuality. 
  14. Livschiz, Ann (11 de dezembro de 2008). «Battling "Unhealthy Relations": Soviet Youth Sexuality as a Political Problem». Blackwell Publishing Ltd. Journal of Historical Sociology. 21 (4): 397–416. doi:10.1111/j.1467-6443.2008.00343.x. Consultado em 30 de janeiro de 2015 
  15. Lalo, Alexei (9 de setembro de 2011). Libertinage in Russian Culture and Literature: A Bio-History of Sexualities at the Threshold of Modernity. [S.l.]: BRILL. p. 40. ISBN 9789004211193. Dmitrii Galkovsky shows Lenin’s personal extreme sexophobia through a fascinating reading of his “philosophical“ writings, correspondence and public talks. 
  16. Francoeur, Robert T.; Noonan, Raymond J. (2004). The Continuum - Complete International Encyclopedia of Sexuality. [S.l.]: A&C Black. p. 40. ISBN 9780826414885. Stalinist sexophobia had practically exterminated all Russian erotic art. 
  17. Murray, David A. B. (2009). Homophobias: Lust and Loathing across Time and Space. [S.l.]: 2009. p. 37. ISBN 9780822391395