Shami Chakrabarti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A Muito Honorável
Baronesa Chakrabarti
CBE PC
Retrato oficial.
Procurador-Geral Sombra para Inglaterra e País de Gales
Período desde 6 de outubro de 2016
Líder da oposição Jeremy Corbyn
Antecessor Karl Turner
Membro da Câmara dos Lordes
Período desde 6 de setembro de 2016
Dados pessoais
Nome completo Sharmishta Chakrabarti
Nascimento 16 de junho de 1969 (51 anos)
Kenton, Harrow, Inglaterra
Nacionalidade inglesa
Alma mater London School of Economics
Marido Martyn Hopper (c. 1995; div. 2014)
Partido Trabalhista

Sharmishta Chakrabarti, Baronesa Chakrabarti, CBE, PC (Kenton, 16 de junho de 1969), comumente conhecida como Shami Chakrabarti, é uma política britânica do Partido Trabalhista e membro da Câmara dos Lordes.[1] Ela também é advogada e foi diretora do "National Council for Civil Liberties (NCCL)", uma organização que promove as liberdades civis e os direitos humanos.[2][3][4] Membro do Gabinete de Oposição, ela ocupa desde 2016 o cargo de Procuradora-Geral Sombra para Inglaterra e País de Gales.[1]

Chakrabarti nasceu no distrito londrino de Harrow e estudou Direito na London School of Economics.[4] Após a graduação, recebeu o call to the bar[nota 1] e passou a trabalhar como assessora jurídica para o Ministério do Interior.[4]

Quando era diretora do NCCL, ela fez campanha contra a legislação antiterror.[5][6] Nesse papel, ela contribuiu frequentemente com a BBC Radio 4 e vários jornais,[7] sendo descrita pelo The Times como "provavelmente a mais eficaz lobista em assuntos públicos dos últimos 20 anos".[8] Entre 2014 e 2017, ela atuou como Chanceler da Universidade de Essex.[9]

Chakrabarti foi um dos membros do júri do Leveson Inquiry - investigação sobre o hackeamento de telefones e a cultura, práticas e ética da imprensa - ao longo de 2011 e 2012.[10][11] Em abril de 2016, ela foi convidada pelo líder da oposição Jeremy Corbyn para presidir uma investigação sobre o suposto anti-semitismo no Partido Trabalhista, apresentando suas conclusões em junho daquele ano.[12][13] Em agosto de 2016, ela foi a única pessoa indicada por Corbyn para tornar-se par vitalício nas Prime Minister's Resignation Honours.[14]

Notas

  1. Call to the bar é um jargão profissional utilizado na maioria dos países que adotam a common law como sistema jurídico, onde é preciso ser qualificado (barrister) para ter autorização de argumentar nos tribunais superiores em nome de outra parte. Os advogados denominados barristers são aqueles que receberam o call to the bar, ou seja, foram "chamados à barra". O termo "bar" é utilizado nesses países como substantivo coletivo para advogados, mas literalmente referia-se à barra ou barreira de madeira (espécie de guarda-corpos) em tribunais antigos, que separava a área pública da plateia do espaço próximo aos juízes e reservado para aqueles que atuavam na corte. Os barristers sentavam-se ou ficavam imediatamente atrás dessa barreira, de frente para o juiz, e podiam usá-la como mesa para suas argumentações. Assim, o "chamado à barra" refere-se à intimação emitida para alguém que se encontra em condições de falar na bar dos tribunais reais.

Referências

  1. a b «Baroness Chakrabarti». UK Parliament (em inglês). Consultado em 11 de junho de 2018 
  2. Doward, Jamie (22 de junho de 2008). «The undaunted freedom fighter». The Guardian (em inglês). Consultado em 11 de junho de 2018 
  3. «Shami Chakrabarti to quit as head of Liberty human rights group». The Telegraph (em inglês). 14 de janeiro de 2016. Consultado em 11 de junho de 2018 
  4. a b c «Shami Chakrabarti». Student and staff profiles (em inglês). The London School of Economics and Political Science. Consultado em 11 de junho de 2018 
  5. «Viewpoints: Anti-terror proposals». BBC News (em inglês). 28 de fevereiro de 2005. Consultado em 11 de junho de 2018 
  6. «Shami Chakrabarti: Heart of the matter». The Independent (em inglês). 21 de junho de 2008. Consultado em 11 de junho de 2018 
  7. «Shami Chakrabarti CBE - Director of Liberty». Woman's Hour Power List (em inglês). BBC Radio 4. Consultado em 11 de junho de 2018 
  8. Croft, Jane (25 de fevereiro de 2016). «Civil liberties group director condemns Eurosceptics' tactics». Financial Times (em inglês). Consultado em 11 de junho de 2018 
  9. Forster, Anthony (28 de julho de 2017). «Farewell and thank you to our Chancellor, Baroness Shami Chakrabarti». Blogs - Vice Chancellor (em inglês). University of Essex. Consultado em 11 de junho de 2018 
  10. «Leveson inquiry assessors – in pictures». The Guardian (em inglês). 5 de setembro de 2011. Consultado em 11 de junho de 2018 
  11. Ross, Tim (5 de maio de 2013). «Leveson: Two Royal Charters are 'not a world apart' says Shami Chakrabarti». The Telegraph (em inglês). Consultado em 11 de junho de 2018 
  12. Chakrabarti, Shami (30 de junho de 2016). «The Shami Chakrabarti Inquiry» (PDF). Labour Party (em inglês). Consultado em 11 de junho de 2018 
  13. «Chakrabarti inquiry: Labour not overrun by anti-Semitism». BBC News (em inglês). 3 de junho de 2016. Consultado em 11 de junho de 2018 
  14. Mason, Rowena (4 de agosto de 2016). «Corbyn's offer of peerage to Shami Chakrabarti causes Labour tensions». The Guardian (em inglês). Consultado em 11 de junho de 2018