Shamir

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Shamir era um verme ou substância que tinha o poder de cortar um bloco de pedra, ferro ou diamante pelo simples fato de passar por cima do material.

Lenda[editar | editar código-fonte]

Segundo alguns escritos Yisraelitas, o shamir foi criado por Yahuwah e utilizado pela primeira vez por Mosheh.

Mosheh sabia que Yahuwah havia criado nos seis dias da criação um ser vivo, muito pequeno, do tamanho de um grão de cevada, que podia cortar qualquer material, inclusive a mais dura rocha, somente passando por cima do material. Por isso, quando precisou cortar uma pedra para utilizar no altar do culto a Yahuwah, utilizou o shamir.

Yahuwah não permitia a utilização de instrumentos de guerra, o metal por exemplo, para a preparação de qualquer peça que fizesse de seu espaço sagrado. Quando isso era requerido, o Shamir era utilizado.

Algumas interpretações dos escritos, indicam o Shamir com um ser vivo, outras como uma substância.

O Shamir era guardado dentro de uma caixa de chumbo, cheia de farelos de cevada e envolvido em seda. Por isso, especula-se que a sua natureza era radioativa, o que explica em parte o seu poder de corte.

Templo de Shlomo[editar | editar código-fonte]

Segundo o Talmud e o Midrashim, quando o rei Shlomo iniciou a construção do "Templo de Yahuwah" lembrou-se da existência do shamir e iniciou a sua busca. Após intensas investigações e demorada procura o foi achar em uma terra distante, no fundo de um poço, e o trouxe para o seu reino. Todas as vezes em que era necessário o corte de blocos de pedras, metais ou madeiras, os artesãos de Shlomo utilizavam o shamir.

Reza a lenda que o shamir perdeu-se quando da destruição do Templo de Shlomo por Nevuchadnetzar. Há os que interpretem que o shamir não se perdeu, mas estava "inativo" quando houve a conquista de Nevuchadnetzar.