Sonata para piano n.º 10 (Beethoven)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox important.svg
Este artigo ou seção parece estar escrito em formato publicitário ou apologético.
Por favor ajude a reescrever este artigo para que possa atingir um ponto de vista neutro, evitando assim conflitos de interesse.
Para casos explícitos de propaganda, em que o título ou todo o conteúdo do artigo seja considerado como um anúncio, considere usar {{ER|6|2=~~~~}}, regra n° 6 da eliminação rápida.
Allegro: Primeiro movimento.

Nessa segunda sonata do Opus 14, Beethoven volta ao tradicional forma allegroAndanteAllegro assai (Scherzo). A segunda sonata dedicada a Baronesa Josefa von Braun é simples, mas contém passagens bem elaboradas.

O primeiro movimento começa com uma figura ríitmica interessante, onde o ouvinte não sabe ao certo onde está o Downbeat da música. Beethoven, que adorava brincar com a percepção rítmica do ouvinte, inicia a sonata no segundo tempo de um compasso 2/4, deslocando todo primeio tema em "meio compasso" e criando a impressão de que o baixo entra no início de cada compasso. O pianista tem que entender essa dualidade e colocá-la em prática na interpretação. O movimento é cheio de "armadilhas rítmicas" com síncopes, polirritmia, acentos em off beats, etc. O movimento é apresentado tradicionalmente, sem muitas inovações quanto à forma. Na coda, Beethoven traz de volta o tema principal - outra "tradição" em suas sonatas.

Largo, con gran espressione: Segundo movimento.

Com o ataque seco e as pausas entre acordes, Beethoven cria uma atmosfera de uma marcha para a abertura do segundo movimento. O movimento traz várias "idéias" que são repetidas cada passagem até à passagem final, onde Beethoven explora mais uma vez seu talento em desenvolver idéias. Uma passagem em semicolcheias traz de volta o tema inicial da marcha para enfim terminar o movimento.

Allegro: Terceiro movimento.

O Scherzo final também apresenta variações rítmicas que pregam truques no ouvinte. O tema vem em fragmentos, onde o material principal é com uma escala ascendente. Essa "indecisão" dura até o compasso 70, onde a música finalmente "pega" e se desenvolve com um pouco mais de fluidez. Mas mesmo assim, Beethoven não deixa de lado a complexidade rítmica, com acentos nos tempos fracos. Essa seção funciona mais ou menos como o Trio do Scherzo. Beethoven intensifica essa complexidade até o final da peça, onde a polirritmia aparece entre o acompanhamento e a melodia. O final, surpreendente, dilui a música gradualmente até a última nota no baixo.

Mais uma sonata onde Beethoven "pratica" suas características ao compor para o piano, sendo que a complexidade rítmica é a mais evidente nesse caso.

Sonata para Piano No. 10
Op14 2 pri mov.png
Composições de Ludwig van Beethoven
Apelido: Nenhum
Forma: Sonata para piano
Tonalidade - Compasso: Sol maior- 2/4
Movimentos 3
Data da composição: 1798-9[1]
Número da composição: Op. 14 nº 2
Andamentos
Primeiro Movimento Allegro
Segundo Movimento Andante
Terceiro Movimento Scherzo (Allegro assai)

Referências

  1. COOPER, Barry. Beethoven: Um Compêndio. Tradução de Mauro Gama e Cláudia Martinelli Gama. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor. 1996. ISBN 85-7110-349-6