Sonata para piano n.º 13 (Beethoven)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sonata para Piano No. 13
Op27 1 pri mov.png
Composições de Ludwig van Beethoven
Apelido: Nenhum
Forma: Sonata para piano
Tonalidade - Compasso: Mi bemol maior- 2/2
Movimentos 4
Data da composição: 1801[1]
Número da composição: Op. 27 nº 1
Andamentos
Primeiro Movimento Andante
Segundo Movimento Allegro
Terceiro Movimento Adagio com espressione
Quarto Movimento Allegro vivace

A Sonata para piano n. ° 14, a primeira dos Op. 27, inicia uma nova série de idéias para Beethoven. Com essa sonata, Beethoven abandona a solidez da forma-sonata e alça vôos mais audaciosos.

Movimentos[editar | editar código-fonte]

O Opus 27 n.º 1 consta de quatro movimientos:

Andante: Primeiro movimento.

Assim como a sua "irmã famosa", a Sonata ao Luar, esta sonata traz a inscrição "Sonata quasi una fantasia" em seu primeiro movimento. Esse movimento é seccionado e traz várias idéias musicais diferentes. Se fôssemos analisar em termos de forma-sonata, seria como se a "Exposição" tivesse dois temas distintos, o primeiro com os acordes na mão direita e as escalas na esquerda; e o segundo tema com a melodia acompanhada pelos acordes. Depois de apresentar esses temas sucessivamente, Beethoven muda o andamento e coloca um compasso composto -6/8- para nos apresentar o "desenvolvimento". Essa seção do primeiro movimento é bem contrastante com o resto, com arpejos quebrados ascendentes e várias semicolcheias. O caráter instrumental é evidente e contrasta-se bastante com o caráter vocal das primeiras seções do movimento. Depois, Beethoven retorna a calma da abertura da sonata e encerra o movimento, com um attacca subito l'Allegro, que indica a continuidade de movimentos.

Allegro: Segundo movimento.

Beethoven não quer uma "pausa" entre movimentos. O pianista não tem tempo para "descansar" ou pensar muito antes de "atacar" o Allegro. Beethoven escreve acordes quebrados (três notas) em ambas as mãos. E consegue criar um movimento inteiro baseado nisso. Mais uma prova do talento do compositor que pegou um dos elementos mais básicos da música - um acorde de três notas - e criou um movimento inteiro de uma sonata.

Adagio com espressione: Terceiro movimento.

Assim como não deve haver nenhuma interrupção entre o primeiro e segundo movimentos; entre o segundo e terceiros Beethoven também escreveu "attacca subito".

O Adagio, curto, traz um belo tema, acompanhado por acordes na mão esquerda - típico de Beethoven. Além da melodia sublime, Beethoven usa também a síncope para quebrar a pulsação rítmica em várias oportunidades. O adagio termina com um improviso escrito, preparando o movimento final. (Sim, aqui também Beethoven escreve "attacca subito", de modo que a sonata inteira, deve ser tocada praticamente num só fôlego).

Allegro vivace: Quarto movimento.

O allegro vivace final é bem movimentado, com um tema cativante e vem na forma de um elaborado rondo. O interessante nesse movimento é como termina. Na coda final, Beethoven traz de volta o tema do Adágio, como uma reminiscência para então sim, acabar a sonata num final triunfante.

Beethoven quer que a sonata inteira seja compreendida como uma peça única, como uma fantasia de várias ideias distintas. A mesma idéia o levou a escrever sua sonata seguinte.

Fonte[editar | editar código-fonte]

BERBER, (apelido). Sonata Op. 27 n. 1. Extraído do sítio do Fórum musical Presto, [1], publicado com permissão do autor. Acesso em: 24 de junho de 2007.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Gordon, Steward (2005) Editorial matter to his edition of the Beethoven piano sonatas, Volume II. Alfred Music Publishing.
  • Jones, Timothy (1999) The "Moonlight" and other sonatas, Op. 27 and Op. 31. Cambridge: Cambridge University Press.
  • Lockwood, Lewis (1996) "Reshaping the genre: Beethoven's piano sonatas from Op. 22 to Op. 28 (1799–1801)". Israeli Studies in Musicology 6: 1–16.
  • Marson, Nicholas (2000) "The sense of an ending": goal directedness in Beethoven's music. In Glenn Stanley, ed., The Cambridge Companion to Beethoven. Cambridge: Cambridge University Press.
  • Rosen, Charles (2002) Beethoven's Piano Sonatas: A Short Companion. New Haven: Yale University press.
  • Sisman, Elaine (1998) After the heroic style: "fantasias" and the characteristic sonatas of 1809. In Stanley, Glenn (1998) Beethoven Forum VI. University of Nebraska Press.

Referências

  1. COOPER, Barry. Beethoven: Um Compêndio. Tradução de Mauro Gama e Cláudia Martinelli Gama. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor. 1996. ISBN 85-7110-349-6

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Sonata para piano n.º 13 (Beethoven)
Portal A Wikipédia possui o
Portal da Música Erudita