Stefan Rosenbauer

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Stefan Rosenbauer
Stefan Rosembauer - Autorretrato
Nascimento 24 de março de 1896
Biberach an der Riss, Alemanha
Morte 18 de agosto de 1967 (71 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade alemão, brasileiro
Profissão Fotógrafo
Escola/tradição Título de Mestre da Arte Fotográficada da Câmara de Comércio da Alemanha
Campo(s) Fotografo, esporte

Stefan Rosenbauer (Biberach an der Riß, Alemanha, 24 de março de 1896 - Rio de Janeiro, 18 de agosto de 1967) foi um esgrimista e fotógrafo alemão e brasileiro, ganhou a medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Verão de 1936 - Berlim - na modalidade florete por equipe masculino.[1][2]

Esgrima na Europa e no Brasil[editar | editar código-fonte]

O esgrimista do Fechtclub Hermannia Frankfurt venceu em 1931 e 1932 o campeonato alemão de espada, em 1933 foi campeão de florete[3] e venceu diversos torneios internacionais na Europa. No campeonato mundial semioficial de 1934, em Varsóvia, a equipe alemã com Erwin Casmir, Julius Eisenecker, August Heim e Stefan Rosenbauer ganhou a medalha de bronze no florete atrás das equipes da Itália e França. Nas Olimpíadas de 1936, em Berlin, a equipe alemã de Florete com Otto Adam, Erwin Casmir, Julius Eisenecker, August Heim, Siegfried Lerdon e Stefan Rosenbauer ganhou a medalha de bronze. A equipe da Itália venceu a da França na final tornando-se campeã.

No Brasil defendeu na Esgrima em todas as armas (florete, espada e sabre) de 1939 a 1954 o Fluminense Football Clube ganhando torneios internacionais, individuais e em equipe. Em 1954, já com 58 anos, parou de competir e em 1956 desfilou com os esgrimistas na sede do Fluminense pela última vez empunhando seu florete.

Atividade fotográfica[editar | editar código-fonte]

Fechou seu estúdio fotográfico em Frankfurt am Main e emigrou para o Brasil em abril de 1939. Tornou-se Brasileiro e foi de 1939 a 1954 campeão de esgrima com a equipe do Fluminense Football Club. Reabriu seu estúdio, especializado em Portrait, na cidade do Rio de Janeiro em 1939, na época capital da República, e o fechou em 1961.

Fez com honra seu exame de fotógrafo na Alemanha ganhando o primeiro premio, concedido pelo Rei da Baviera. Recebeu em 26 de abril de 1921 o título de Mestre da Arte Fotográficada da Câmara de Comércio regional de Württemberg e Neuburg, tendo assim a possibilidade a ter discípulos, instruindo-os a se tornarem fotógrafos (afim de exercer a profissão de fotógrafo, tinham que apresentar em seus currículos um aprendizado de 3 anos com um mestre de fotografia e passar na prova severa feita pela Corporação de fotógrafos e técnicos de fotografia).

Stefan Rosenbauer chega ao Rio de Janeiro em 1939 e da um enorme avanço à fotografia no Brasil, trazendo as novas técnicas de iluminação fotográfica, o jogo da luz e sombra, e o Portrait-Clássico. Foi co-fundador do ABAF (Associação Brasileira de Arte Fotográfica) e por ser o mais renomado fotógrafo do Rio de Janeiro de sua época, foi convidado pelo fotógrafo Chakib Jabôr a dar força à nova entidade se tornando seu primeiro vice-presidente. Foi anteriormente em 1939 Consultor Técnico no Photo Club Brasileiro, uma das primeiras associações de fotografia no Brasil (Fotoclubismo). Stefan Rosenbauer e inúmeros outros, após a morte de seu diretor, se associam à Sociedade Fluminense de Fotografia. Lá era um importante avaliador nos concursos de fotografias, a quem todos ouviam com grande interesse. Dava ensino aos profissionais e quase todos os fotógrafos de sua época queriam e se orgulhavam de ter em seu currículo “discípulo” do Estúdio Fotográfico de Stefan Rosenbauer ou pelo menos um “estágio” com o mestre. Muitos fotógrafos sacrificavam suas férias anuais para fazer esta estadia.

Entre outros de seus discípulos, se destacam Joe Heydecker na Alemanha, e Chico Albuquerque e Heinz Förtmann no Brasil.

No XV Salão Anual de Arte Fotográfica no Rio de Janeiro em 1939 apresenta os Portrait de Frei Pedro Sinzig (foto 79), “Avozinha” (foto 80) – sua mãe e Prof. Albert Schweitzer (foto 81). Foi fotógrafo do Marechal Rondon e seus Portrait saíram em livros, revistas e jornais da época.

Graças a seus trabalhos premiados em grande número de exposições internacionais, e proposta da Sociedade Fluminense de Fotografia, foi agraciado, em 20 de Março de 1957, pela Féderation Internationale de l’Arte Photographique, com sede em Berna na Suíça, com o título daquela instituição, Artiste FIAP(AFIAP) que diz: Em Hommage à ses efforts, à ses travaux, à sa technique dans le domaine de L’art photographique et reconnaissance pour les services éminents qu’il a rendus à la cause de la Photographie. - Berne, 20 Mars 1957 - Le Président: Dr. M. van de Wyer.

Foi o Retratista de portrait de Heitor Villa-Lobos, Rosenbauer, além de ser o fotógrafo de celebridades brasileiras, foi retratista oficial da companhia de teatro Os Artistas Unidos da diretora Henriette Morineau que marcou uma era do teatro nacional, tornado-se fotógrafo de Morineau e realizando lindíssimos Portrait de todos artistas que lá atuavam.[4]

Carlos Drummond de Andrade escreveu em sua coluna no jornal Correio da Manha em 27 de agosto de 1967 um belíssimo epitáfio sobre Stefan Rosenbauer avaliando tambem seu trabalho: „Sua galeria de retratos brasileiros ficara como um documentário qualificado de nossa sociedade, com valor artístico e psicológico, marcado por aquela distinção e refinamento que Rosenbauer sabia impor à câmera“.

Referências

  1. «Olympics Statistics: Stefan Rosenbauer». databaseolympics.com. Consultado em 31 de maio de 2010 
  2. Evans, Hilary; Gjerde, Arild; Heijmans, Jeroen; Mallon, Bill; et al. «Stefan Rosenbauer Olympic Results». sports-reference.com (em inglês). Olympics em Sports-Reference.com. Consultado em 31 de maio de 2010. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2016 
  3. «Deutsche Meister». fechten.org. Consultado em 24 de março de 2021 
  4. Revistas de Teatro Os Artistas Unidos

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Campeões alemães de esgrima (florete, espada e sabre): fechten.org/