Teorema de Kutta Joukowski

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mergefrom 2.svg
O artigo ou secção Kutta-Joukowsky deverá ser fundido aqui.
Editor, considere adicionar mês e ano na marcação. Isso pode ser feito automaticamente, com {{Fusão de|....|{{subst:DATA}}}}.

(por favor crie o espaço de discussão sobre essa fusão e justifique o motivo aqui; não é necessário criar o espaço em ambas as páginas, crie-o somente uma vez. Perceba que para casos antigos é provável que já haja uma discussão acontecendo na página de discussão de um dos artigos. Cheque ambas (1, 2) e não esqueça de levar toda a discussão quando levar o caso para a central.).
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde dezembro de 2009).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

O Teorema de Kutta-Joukowski é um teorema fundamental da aerodinâmica. O nome provém do cientista alemão Martin Wilhelm Kutta e do cientista russo Nikolai Joukowski (ou Zhukovsky), pioneiros no desenvolvimento das suas ideias-chave no início dos anos 1920.

O teorema diz que a sustentação gerada por um cilindro é proporcional à velocidade do cilindro através do fluido, da densidade do fluido, da circulação. A circulação é definida como a integral de linha, em torno de um ciclo fechado envolvendo o cilindro ou aerofólio, da componente da velocidade tangente do fluidos para o loop. A magnitude e direção da velocidade do fluido varia ao longo do caminho.

O fluxo de ar em resposta à presença do aerofólio pode ser tratado como a superposição de um fluxo de translação e um fluxo de rotação. É, porém, errado pensar que existe um vórtice cercando o cilindro ou a asa de um avião em vôo. É o caminho da integral que circunda o cilindro, não um vórtice de ar. (Em descrições do teorema de Kutta-Joukowski o aerofólio é geralmente considerado como um cilindro circular ou algum aerofólio Joukowski).

O teorema refere-se ao fluxo de duas dimensões em torno de um cilindro (ou um cilindro de envergadura infinita) e determina a sustentação gerada por uma unidade de comprimento. Quando a circulação \Gamma_\infty\, é conhecida, a sustentação L\, por unidade de comprimento do cilíndro (Newtons/metro no SI) pode ser calculada de acordo com a seguinte equação:

L = \rho_\infty V_\infty\Gamma_\infty,\,   (1)

onde \rho_\infty\, e V_\infty\, são a densidade do fluido e a velocidade a montante do cilíndro, e \Gamma_\infty\, é a circulação definida como a integral de linha,

\Gamma_\infty = \oint_{C_\infty} V\cos\theta\; ds\,

em torno de um caminho C_\infty\,(no plano complexo) longe e circundando o cilindro ou aerofólio. Esse caminho deve ser em uma região do escoamento potencial e não na camada limite do cilindro. O termo V\cos\theta\, é a componente local da velocidade tangente e na direção da curva C_\infty\, que circunda o cilindro, e ds\, é o comprimento infinetesimal dessa curva. A equação (1) é a forma do teorema de Kutta-Joukowski.

Kuethe e Schetzer colocaram o teorema de Kutta-Joukowski da seguinte maneira:

"A força por unidade de comprimento que age em um cilindro de qualquer seção transversal é igual a \rho_\infty V_\infty \Gamma_\infty, e é perpendicular à direção de V_\infty.".

Para um argumento bastante heurístico, considere um aerofólio de pequena espessura de corda c e envergadura infinita, movendo-se através do ar de densidade ρ. Suponha o aerofólio inclinado para o fluxo que chega para produzir uma velocidade V de um lado do aerofólio, e uma velocidade V + v no outro lado. A circulação então pode ser calculada como:

\Gamma = (V+ v)c-(V)c = v c.\,

A diferença de pressão \Delta P entre os lados do aerofólio pode ser calculada de acordo com a equação de Bernoulli:

\frac {\rho}{2}(V)^2 + (P + \Delta P) = \frac {\rho}{2}(V + v)^2 + P,\,
\frac {\rho}{2}(V)^2 + \Delta P = \frac {\rho}{2}(V^2 + 2 V v + v^2),\,
\Delta P = \rho V v \qquad \text{(ignorando } \frac{\rho}{2}v^2),\,

então a força de sustentação por unidade de comprimento pode ser calculada:

L = c \Delta P = \rho V v c =\rho V\Gamma.\,

Tkj.jpg

Notas[editar | editar código-fonte]

^ Anderson, J.D. Jr., Introduction to Flight, Section 5.19, McGraw-Hill, NY (3rd ed. 1989.)

^ Clancy, L.J., Aerodynamics, Section 4.5

^ A.M. Kuethe and J.D. Schetzer, Foundations of Aerodynamics, Section 4.9 (2nd ed.)

^ Batchelor, G. K., An Introduction to Fluid Dynamics, p 406

^ Houghton, E. L. Aerodynamics for Engineering Students, p 168

Referências

  • Batchelor, G. K. (1967) An Introduction to Fluid Dynamics, Cambridge University Press
  • A.M. Kuethe and J.D. Schetzer (1959), Foundations of Aerodynamics, John Wiley & Sons, Inc., New York ISBN 0 471 50952 3