Tereza de Benguela

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Teresa de Benguela)
Teresa de Benguela
Tereza de Benguela (1911) por Félix Vallotton.
Nascimento 1700
Benguela
Morte 1770
Cuiabá
Cônjuge José Piolho
Ocupação líder quilombola

Teresa de Benguela (Reino de Benguela, c. 1700 - Capitania de Mato Grosso, 1770) foi uma líder quilombola que viveu em lugar incerto, mas sabe-se que o Quilombo do Piolho, no qual liderou, estava às margens do rio Guaporé, localizado na cidade de Vila Bela da Santíssima Trindade, atual estado de Mato Grosso [1].

Mulher escravizada fugida do capitão Timóteo Pereira Gomes, Teresa foi esposa de José Piolho,[2] que chefiava o citado Quilombo do Piolho na década de 1740.[1] Com a morte de Piolho, Teresa se tornou a rainha do quilombo no início dos anos 1750, e, sob sua liderança, a comunidade negra e indígena resistiu à escravidão por duas décadas, sobrevivendo até 1770, quando o quilombo foi destruído pelas forças de Luís Pinto de Sousa Coutinho e a população (79 negros e 30 índios), morta ou aprisionada. Os sobreviventes passaram por humilhação pública, e foram marcados em ferro com a letra F, de fujão, e devolvidos aos seus antigos donos.[1]

Administração[editar | editar código-fonte]

Para governar o quilombo, a rainha desenvolveu um sistema de parlamento, onde semanalmente se reuniam os deputados para decidirem sobre a administração do quilombo, sendo o de maior autoridade e tido por conselheiro, José Piolho, homem escravizado da herança de Antônio Pacheco de Morais.[1]

A rainha Teresa comandou a estrutura política, econômica e administrativa do quilombo, mantendo um sistema de defesa com armas trocadas com os brancos ou roubadas das vilas próximas. Os objetos de ferro utilizados contra a comunidade negra que lá se refugiava eram transformados em instrumento de trabalho, visto que dominavam o uso da forja. O Quilombo do Guariterê, além do parlamento e de um conselheiro para a rainha, desenvolvia agricultura de algodão e possuía teares onde se fabricavam tecidos que eram comercializados fora dos quilombos, como também os alimentos excedentes.[3]

Morte[editar | editar código-fonte]

Em 27 de junho de 1770 uma expedição saiu em direção ao quilombo, com a missão de destruí-lo. Chegaram ao local em 22 de julho, e abriram fogo contra os quilombolas, porém a maioria deles conseguiu fugir. Houve resistência, liderada por Teresa, que revidou com arma de fogo, além de flechas, mas não foi o suficiente.[2] Teresa foi colocada numa cela, tendo sido tratada com palavras rudes na frente de seus antigos comandados. Nessa situação, ela ficou muda, e morreu dias depois. Após sua morte, arrancaram-lhe a cabeça e colocaram-na no alto de um poste, dentro do quilombo, para que todos pudessem vê-la.[1][2]

Dia Nacional de Teresa de Benguela[editar | editar código-fonte]

O dia de 25 de julho é instituído no Brasil pela Lei n° 12.987/2014 como o Dia Nacional de Teresa de Benguela e da Mulher Negra.[4]

Carnaval[editar | editar código-fonte]

A Unidos do Viradouro homenageou Teresa com o enredo "Teresa de Benguela, uma rainha negra no Pantanal", ficando em 3º lugar no Carnaval do Rio de Janeiro em 1994.

A escola de samba de São Paulo Barroca Zona Sul, em seu samba-enredo "Benguela… A Barroca Clama a Ti, Teresa", homenageou Teresa da Benguela no Carnaval de São Paulo em 2020.[5][6]

Referências

  1. a b c d e Thays de Campos Lacerda. «TEREZA DE BENGUELA: IDENTIDADE E REPRESENTATIVIDADE NEGRA». Unemat. Consultado em 27 de julho de 2020 
  2. a b c «Teresa de Benguela: a heroica Rainha do quilombo Quariterê». Aventuras na História. Consultado em 27 de julho de 2020 
  3. «Tereza de Benguela, uma heroína negra». Geledés. 2 de agosto de 2014. Consultado em 1 de julho de 2020 
  4. «L12987». www.planalto.gov.br. Consultado em 1 de julho de 2020 
  5. «Barroca Zona Sul volta à elite após 15 anos cantando Tereza de Benguela, líder de quilombo». G1. Consultado em 15 de julho de 2020 
  6. «Benguela… A Barroca Clama a Ti, Tereza - Aináh». Letras.mus.br. Consultado em 16 de dezembro de 2019