Tauro (cônsul em 361)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Touro (cônsul de 361))
Ir para: navegação, pesquisa
Flávio Tauro
Nacionalidade
Vexilloid of the Roman Empire.svg
Império Romano
Ocupação General

Flávio Tauro (em latim: Flavius Taurus; fl. 345-361) foi um político e oficial do Império Romano do século IV, ativo durante o reinado do imperador Constâncio II (r. 337–361). Exerceu inúmeros ofícios ao longo de sua próspera carreira e tornar-se-ia patrício, porém cairia em desgraça com a ascensão de Juliano, o Apóstata (r. 361–363).

Vida[editar | editar código-fonte]

Soldo de Constâncio II (r. 324–361)
Soldo de Juliano, o Apóstata (r. 361–363)

Pouco se sabe sobre as origens de Tauro. Segundo o sofista Libânio, era de origem humilde, porém tornar-se-ia notário. Ao longo de sua carreira, como relatado numa inscrição presente numa estátua dedicada a ele no Fórum do Touro em Constantinopla, ocupou uma série de ofícios, o primeiro deles de conde da primeira ordem (em latim: comes ordinis primi). Nessa posição, foi um dos principais condes do imperador Constâncio II em 345 e teria participado do comitê que julgou o bispo Fotino em Sirmio em 351. Segundo Amiano Marcelino, em 354, quando visitou o Reino da Armênia, presumivelmente concernente o casamento de Olímpia com o rei Ársaces II (r. 350–368), ele ocupou a posição de questor do palácio sagrado.[1]

Em 354/355, foi conferido a Touro o título honorífico de patrício[1] e entre 355-361, exerceria o ofício de prefeito pretoriano da Itália e África; avultada quantidade de leis emitidas durante seu mandato foram preservadas nos códigos de leis bizantinos.[2] Em 359, participou do Concílio de Arímino como representante de Constâncio II e se sabe que em dado momento teria sido confiado a missão de dar as instruções do retorno para casa dos presentes. Em 361, tornar-se-ia cônsul anterior ao lado de Florêncio.[3]

No ano de seu consulado, o césar Juliano, estacionado na Gália, foi proclamado augusto por suas tropas e iniciou uma revolta contra Constâncio. O imperador legítimo, ciente disso, ordenou-lhe que coletasse recursos em Brigância e nos Alpes Cócios, porém, ciente de que Juliano estava em marcha rumo ao Oriente, Tauro fugiu para a prefeitura pretoriana da Ilíria, onde juntou-se com Florêncio e ambos partiram à corte de Constâncio.[4] Tauro foi mais tarde condenado por esta fuga em um julgamento que foi realizado na Calcedônia em 361, e enviado ao exílio em Vercelas.[5] Se sabe que ainda estava vivo no Oriente na década de 390.[3]

Família[editar | editar código-fonte]

Tauro teve confirmadamente um filho chamado Armônio, sendo igualmente provável que era pai do cônsul de 398 Eutiquiano e do cônsul de 400 Aureliano;[3] Alan Cameron sugere que fosse pai do cônsul de 397 Cesário.[6] Dentre seus descendentes conhecidos estão o cônsul de 428 Flávio Tauro e o cônsul de 513 Flávio Tauro Clementino Armônio Clementino.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Cônsul do Império Romano
Vexilloid of the Roman Empire.svg
Precedido por:
Constâncio X
com Juliano III
Tauro
361
com Florêncio
Sucedido por:
Cláudio Mamertino
com Flávio Nevita


Referências

  1. a b Martindale 1971, p. 879
  2. Martindale 1971, p. 879-880
  3. a b c d Martindale 1971, p. 880
  4. Zósimo século VI, p. III.10.4
  5. Marcelino século IV, p. XXII.3.4
  6. Cameron 1993, p. 337

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Cameron, Alan; Jacqueline Long (1993). Barbarians and Politics at the Court of Arcadius (em inglês) California University Press [S.l.] ISBN 0520065506. 
  • Marcelino, Amiano (século IV). Res Gestae [S.l.: s.n.] 
  • Martindale, J. R.; Jones, Arnold Hugh Martin; Morris, John (1971). The prosopography of the later Roman Empire - Vol. I AD 260-395 (Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press).