Três Macacos Sábios

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Kikazaru (o que tapa os ouvidos), iwazaru (o que tapa a boca) e mizaru (o que cobre os olhos).

Os Três Macacos Sábios (em japonês: 三猿, sanzaru/san’en ou 三匹の猿, sanbiki no saru) ilustram a porta do Estábulo Sagrado, um templo do século XVII localizado no Santuário Toshogu, na cidade de Nikkō, Japão. Sua origem é baseada em um provérbio japonês. Seus nomes são mizaru (o que cobre os olhos), kikazaru (o que tapa os ouvidos) e iwazaru (o que tapa a boca), que é traduzido como não ouça o mal, não fale o mal e não veja o mal. A palavra saru, em japonês, significa macaco, e tem o mesmo som da terminação verbal zaru, que está ligado à negação.[1]

Existem vários significados atribuídos aos macacos e ao provérbio que incluem associações com estar de boa mente, fala e ação. No mundo ocidental a frase é muitas vezes usada para se referir àqueles que lidam com impropriedade por fazer vista grossa.[2]

Fora do Japão nomes dos macacos às vezes são dados como Mizaru,[3] Mikazaru[4] e Mazaru,[5] como os dois últimos nomes foram corrompidos dos originais japoneses.[6] [7]

Origem[editar | editar código-fonte]

O folclore japonês diz que a imagem dos macacos foi trazida por um monge budista chinês, no século XVIII. Apesar disso, não há comprovação dessa suposição.

Pequenas estátuas dos macacos sábios de Nikko.

Provérbio[editar | editar código-fonte]

Mizaru Kikazaru Iwazaru - que literalmente significa: miru=olhar, kiku=ouvir, iu=falar e zaru=negar. É uma forma de lembrar que, se os homens não olhassem, não ouvissem e não falassem o mal alheio, teríamos comunidades pacíficas com paz e harmonia.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Titelman, Gregory Y. (2000). Random House Dictionary of America's Popular Proverbs and Sayings second ed. (New York: Random House). ISBN 0-375-70584-8. 
  • Archer Taylor, “Audi, Vidi, Tace” and the three monkeys
  • A. W. Smith, Folklore, Vol. 104, No. ½ pp. 144–150 "On the Ambiguity of the Three Wise Monkeys"

Referências

  1. Leonardo Fraga Teixeira. "A história dos três macacos sábios". Tem preguiça não. Consultado em 20 de julho de 2012. 
  2. Pornpimol Kanchanalak (21 April 2011). "Searching for the fourth monkey in a corrupted world". The Nation. Thailand. Consultado em 25 July 2012. 
  3. Oldest reference of the right monkeys' names in English. Source:
  4. Oldest references (1926–1984) for Mikazaru in Google Books
  5. Oldest reference of Mazaru in Google Books. However, Kikazaru appears right. Source:
  6. Worth, Fred L. (1974). The Trivia Encyclopedia Brooke House [S.l.] p. 262. ISBN 0-912588-12-8. 
  7. Shipley, Joseph Twadell (2001). The Origins of English Words: A Discursive Dictionary of Indo-European Roots Johns Hopkins University Press [S.l.] p. 249. ISBN 0-8018-6784-3.  line feed character character in |publisher= at position 29 (Ajuda)

Ligações externa[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Três Macacos Sábios
Ícone de esboço Este artigo sobre o Japão é um esboço relacionado ao Projeto Ásia. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.