Nikkō Tōshō-gū

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NikkoYomeimon5005.jpg

O Nikkō Tōshō-gū (日光東照宮?) é um templo xintoísta localizado em Nikkō, Tochigi, Japão . Ele é parte dos "Santuários e Templos de Nikko", um patrimônio mundial da UNESCO.

História[editar | editar código-fonte]

O Tōshō-gū é dedicado a Tokugawa Ieyasu, o fundador do xogunato Tokugawa. Inicialmente construído em 1617, durante o período Edo, enquanto o filho de Ieyasu, Hidetada, era xogum, ele foi expandido durante o governo do terceiro xogum Iemitsu. Ieyasu está consagrado lá, onde seus restos estão em um túmulo. Este templo foi construído pelo retentor de Tokugawa, Tōdō Takatora.

Durante o período Edo, o xogunato Tokugawa realizou procissões imponentes de Edo para o Nikkō Tōshō-gū ao longo do Nikkō Kaidō. Os festivais anuais de primavera e outono do templo reavivam essas ocasiões e são conhecidos como "procissões de mil guerreiros."

Cinco estruturas do Nikkō Tōshō-gū são categorizadas como Tesouro Nacional do Japão, e mais três como Propriedades Culturais Importantes do Japão. Além disso, duas espadas na posse do templo são Tesouros Nacionais, e inúmeros outros objetos são Propriedades Culturais Importantes. Construções famosas no Tōshō-gū incluem o Yōmeimon, um portão decorado que também conhecido como "higurashi-no-mon." Este nome significa que qualquer um poderia observá-lo até o pôr-do-sol e não cansar-se fazê-lo. Esculturas em relevo profundo, pintadas em cores ricas, decoram a superfície da estrutura. O próximo portão é o karamon decorado com ornamentos brancos. Próximo uma escultura do gato sonolento, "Nemuri-neko", é atribuída a Hidari Jingorō.

Pagode de cinco andares no Nikkō Tōshō-gū

O estábulo dos cavalos sagrados do templo exibe uma escultura dos Três Macacos Sábios, que não ouvem, não falam e não veem nada de maligno, um símbolo tradicional na cultura chinesa e japonesa.

O pagode original de cinco andares foi doado por um daimyo em 1650, mas ele foi queimado durante um incêndio e foi reconstruído em 1818. Cada andar representa um elemento – terra, água, fogo, vento e éter ou vazio – em ordem crescente. Dentro do pagode, um pilar shinbashira central pendura-se em correntes[1] para minimizar os danos de terremotos.[2]

Degraus de pedra e torii para o túmulo de Ieyasu
A consagração de Ieyasu

Centenas de degraus de pedra levam o visitante pela floresta criptoméria ao túmulo de Ieyasu. Um torii no topo carrega a caligrafia atribuída ao Imperador Go-Mizunoo. Uma urna de bronze contém os restos de Tokugawa Ieyasu.

Em 2008, Yuri Kawasaki tornou-se a primeira sacerdotisa mulher xintoísta a servir no Nikkō Tōshō-gū.[3]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Parent, Mary Neighbour (2003), «shinbashira», Japanese Architecture and Art Net Users System, consultado em 28 de março de 2009 
  2. Tanimura, Akihiko; Ishida, Shuzo (1997), «Energy dispersion and dissipation mechanism of a Shinbashira-Frame system», Journal of Structural Engineering B, ISSN 0910-8033, 43B: 143–150 
  3. 1st female Shinto priest named at Nikko Toshogu at Discover Seattle.net

Notas[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Nikkō Tōshō-gū