Torii

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2014)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
O torii tradicional convive com a modernidade das grandes cidades

Torii (鳥居?) ou tori[1] é um portão tradicional japonês ligado à tradição xintoísta e assinala a entrada ou proximidade de um santuário.

Descrição[editar | editar código-fonte]

O torii é composto de dois pilares verticais, unidos no topo por uma trave horizontal (kasagi) geralmente mais larga que a distância entre os postes, muitas vezes em coloridos tons de vermelho. Alguns têm escritos entre as barras horizontais. Tradicionalmente, o tori era de madeira ou pedra, mas, recentemente, começaram a ser feitos em aço ou aço inoxidável.

Em torno desta estrutura básica, encontramos diversas variações, dependendo do estilo arquitetônico do santuário e da sua divindade principal (saijin).

Os templos podem ter um ou mais torii, indicando a crescente proximidade do local sagrado. Quando são vários, há, geralmente, um maior que é chamado ichi no torii (o primeiro torii). Além disso, os torii também podem estar integrados na tamagaki ou vedação que circunda o santuário.

Os mais utilizados são a madeira e a pedra, mas não há restrições estabelecidas e, na atualidade, têm sido construídos torii de outros materiais.

Não há consenso acerca da origem dos torii. No entanto, simbolizam claramente a separação, mas também a proximidade, entre o mundo dos homens e o mundo dos kami.

Esses portões são esteticamente agradáveis, e são colocados próximo a lagos, floresta, no mar e qualquer outro lugar próximo aos mais de 90 000 templos encontrados no Japão.

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Torii

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 691.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]