Go-Mizunoo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Imperador Go-Mizunoo)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Imperador Go-Mizunoo
Imperador Go-Mizunoo
Imperador de Japão Japão
Período 1611 até 1629
Antecessor Imperador Go-Yozei
Sucessor Imperatriz Meisho
Dados pessoais
Nascimento 1596
Morte 1680 (84 anos)
linkWP:PPO#Japão

Imperador Go-Mizunoo (後水尾天皇, Go-Mizunoo-tennō?, 15961680) foi o 108º imperador do Japão, na lista tradicional de sucessão. [1] Pertencia ao Ramo Jimyōin-tō da Família Imperial. Seu reinado abrangeu os anos de 1611 a 1629.

Go-Mizunoo conseguiu um relacionamento próximo com quatro das cinco casas regentes (Sekke). Os lideres de duas casas importantes eram seus irmãos: Ichijō Akiyoshi e Konoe Nobuhiro, alem disso duas de suas filhas se casaram com líderes dos ramos Nijō e Takatsukasa [2]

Vida[editar | editar código-fonte]

Antes de ascender ao Trono do Crisântemo, seu nome pessoal (imina) era Príncipe Imperial Kotohito. Kotohito era o terceiro filho do Imperador Go-Yozei. Sua mãe foi Konoe Sakiko, filha de Konoe Sakihisae que mais tarde adotou o nome budista de Chūkamon'in [3]

O príncipe Kotohito tornou-se imperador quando seu pai Imperador Go-Yozei abdicou em 1611. A sucessão (senso) foi recebida pelo novo monarca; e logo em seguida, foi proclamado Imperador Go-Mizunoo (sokui). O jovem imperador tinha 16 anos. [4]

Em 1614 ocorre o Cerco de Osaka. O Shogun Hidetada venceu Toyotomi Hideyori e manda atear fogo no Castelo de Osaka, logo depois inicia o inverno e as tropas shogunais retornam para Edo, sede do Shogunato. A batalha volta a reiniciar no verão de 1615 quando Tokugawa Ieyasu e seu filho o Shōgun Hidetada, marcharam novamente para o Castelo de Osaka. Hideyori comete seppuku. No entanto, seu corpo nunca foi encontrado. Havia rumores de que ele fugiu para a Província de Satsuma, onde havia preparado um refúgio com antecedência. [4]

Em 6 de janeiro de 1616 um mês após o Cerco de Osaka, o Ōgosho (Shōgun Aposentado) Ieyasu morre em Suruga devido a infecção dos ferimentos na batalha e foi enterrado em Nikko Toshogu. [5]

Em 25 de setembro de 1617 o Imperador Aposentado Go-Yozei veio a falecer.

Em 1620 Tokugawa Masako, filha do Shōgun Hidetada, foi levada ao palácio como consorte do imperador; e o casamento foi celebrado com grande pompa, mais tarde passou a utilizar o nome budista de Tōfukumon-in. [6]

Tokugawa Iemitsu, filho de Hidetada, veio à corte de Go-Mizunoo em 1623 para ser nomeado o 3º Shōgun Tokugawa e seu pai tornou-se Ōgosho. [7]

Em 1627 ocorreu o chamado Incidente do Robe Púrpura (事件事件, shi-e jiken?) onde o Imperador Go-Mizunoo foi acusado de ter concedido vestes púrpuras a mais de dez sacerdotes, apesar do edito do shōgun que o proibia a realizar este ato por dois anos (provavelmente a fim de romper o vínculo que existia entre Go-Mizunoo e círculos religiosos). O shogunato interveio, tornando inválida a concessão das vestes. Os sacerdotes que foram agraciados pelo imperador foram exilados pelo bakufu. [8]

Em 22 de dezembro de 1629 o Imperador Go-Mizunoo abdica ao Trono do Crisântemo em favor de sua filha, a Princesa Imperial Okiko, no mesmo dia em que os sacerdotes do Incidente do Robe Púrpura foram para o exílio. A Princesa Imperial Okiko se tornou a Imperatriz Meisho. Pelo resto de sua longa vida, Go-Mizunoo concentrou-se em vários projetos arquitetônicos, dos quais talvez o mais conhecido seja o magnífico jardim japonês da Shugaku-in Rikyū. [1]

O ex-Imperador Go-Mizunoo veio a falecer em 11 de setembro de 1680 e passou a ser consagrado em Sennyu-ji em Higashiyama-ku, Quioto, onde está localizado seu mausoléu (misasagi) que foi nomeado Tsukinowa no misasagi.

Filhos[editar | editar código-fonte]

Daijō-kan[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Daijō-kan

Shōguns do reinado[editar | editar código-fonte]



Precedido por
Go-Yozei
Japanese Imperial Seal.svg -- 108º Imperador do Japão
1611 - 1629
Sucedido por
Meisho


Referências

  1. a b Agência da Casa Imperial: Go-Mizunoo-tennō (em japonês)
  2. Anna Beerens, Mark Teeuwen; Uncharted Waters: Intellectual Life in the Edo Period (em inglês) BRILL, 2012 p.165 ISBN 9789004216730
  3. Rowley, G. G. (2015). «The Princess Nun: Bunchi, Buddhist Reform, and Gender in Early Edo Japan by Gina Cogan (review)». Monumenta Nipponica (em inglês). 70 (2): 306–309. ISSN 1880-1390. doi:10.1353/mni.2015.0025 
  4. a b Klaproth, Julius von (1834). Annales des empereurs du Japon (em francês). [S.l.]: Oriental Translation Fund, p. 410-411 
  5. «Ieyasu». Encyclopedia.com. Consultado em 12 de dezembro de 2018 
  6. Graham, Patricia Jane (2007). Faith and Power in Japanese Buddhist Art, 1600-2005 (em inglês). [S.l.]: University of Hawaii Press, p. 46. ISBN 9780824831912 
  7. Munenori, Yagyu (2012). The Life-Giving Sword:. Secret Teachings from the House of the Shogun (em inglês). [S.l.]: Shambhala Publications, p. XXXV. ISBN 9781590309902 
  8. Baroni, Helen Josephine (2000). Obaku Zen:. The Emergence of the Third Sect of Zen in Tokugawa, Japan (em inglês). [S.l.]: University of Hawaii Press, p. 169. ISBN 9780824822439 

Ver também[editar | editar código-fonte]