Ōgimachi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ōgimachi
Imperador do Japão
Reinado 27 de outubro de 1557
a 17 de dezembro de 1586
Entronamento 22 de fevereiro de 1560
Predecessor Go-Nara
Sucessor Go-Yōzei
Xogum Ashikaga Yoshiteru (1557–65)
Ashikaga Yoshihide (1565–68)
Ashikaga Yoshiaki (1568–73)
 
Esposa Madenokōji Fusako
Descendência Eikō
Masahito
Eishō
Casa Casa Imperial do Japão
Nome de nascimento Michihito (方仁?)
Nascimento 18 de junho de 1517
Morte 6 de fevereiro de 1593 (75 anos)
Palácio Imperial Sentō, Quioto
Pai Go-Nara
Mãe Madenokōji Eiko
Religião Xintoísmo

Ōgimachi (正親町? 18 de junho de 15176 de fevereiro de 1593) foi o 106º imperador do Japão, na lista tradicional de sucessão.[1] Pertencia ao Ramo Jimyōin-tō da Família Imperial. Seu reinado abrangeu os anos de 1557 a 1586.

Vida[editar | editar código-fonte]

Antes de ascender ao Trono do Crisântemo, seu nome pessoal era Michihito. Foi o filho mais velho do imperador Go-Nara. Sua mãe foi Madenokōji Eiko, que mais tarde adotou o nome budista de Seikō-in; filha de Madenokōji Katafusa, líder de um dos ramos do Clã Fujiwara.[2]

Em 1560, Ōgimachi foi proclamado Imperador. As cerimônias de coroação foram possíveis porque foram pagas por Mōri Motonari e outros.[2] Quatro meses depois, Imagawa Yoshimoto liderou o exército da província de Suruga em direção a Quioto, ao passarem pela província de Owari, território dos Oda foram barrados pelas forças de Oda Nobunaga na Batalha de Okehazama, nesta o exército de Imagawa foi derrotado e ele foi morto. Então Nobunaga assumiu a província de Owari. Tokugawa Ieyasu assumiu a província de Mikawa e tornou-se mestre do Castelo de Okazaki.[2]

Em 1564, Oda Nobunaga completou a conquista da Província de Mino; e reconstruiu o castelo em Gifu.[2] Em 1568, Ashikaga Yoshihide se tornou shōgun, mas morreu poucos meses depois de uma doença contagiosa.[2]

De uma maneira geral havia uma forte crise econômica na Corte durante seu mandato. Essa tendência se inverteu após Oda Nobunaga'entrar em Quioto e pagar a maioria das dívidas como demonstração de lealdade, sua e do clã Oda. Freqüentemente Nobunaga utilizava o Imperador como um mediador na lutar contra seus inimigos, trabalhou para unificar os elementos díspares ao Japão. No entanto, por volta de 1573, Nobunaga começou a exigir a abdicação do imperador, mas este recusou.[3]

Antes que o poder político fosse transferido para Toyotomi Hideyoshi, após o assassinato de Nobunaga a fim de aproveitar a autoridade de Ōgimachi, o poder da Família Imperial foi aumentado. Desta forma, Hideyoshi e a Família Imperial mantiveram um relacionamento que foi mutuamente benéfico.[4]

No início de 1586, o agora kanpaku Hideyoshi em mais uma prova de ostentação, mandou que sua Sala do Chá de Ouro portátil fosse levada ao Palácio Imperial em Quioto para servir o imperador.[5]

Em 1586, o imperador Ōgimachi abdicou em favor de seu neto, o príncipe imperial Katahito, que se tornou o imperador Go-Yōzei. Ōgimachi então se retirou para o Palácio de Sennda e em 6 de fevereiro de 1593, veio a falecer. Ōgimachi é consagrado junto com outros imperadores na tumba imperial chamada Fukakusa no kita no misasagi, em Fushimi-ku, Kyoto.[1]

Referências

  1. a b Agência da Casa Imperial: Ōgimachi-tennō (em japonês)
  2. a b c d e Klaproth, Julius von (1834). Annales des empereurs du Japon (em francês). [S.l.]: Oriental Translation Fund, p. 382-402 
  3. Hubbard, Ben (2016). Samurai Warriors (em inglês). [S.l.]: Cavendish Square Publishing, LLC, p. 27. ISBN 9781502624604 
  4. Lillehoj, Elizabeth (2011). Art and Palace Politics in Early Modern Japan, 1580s-1680s (em inglês). [S.l.]: BRILL, p. 26. ISBN 9789004211261 
  5. Turning Point:. Oribe and the Arts of Sixteenth-century Japan (em inglês). [S.l.]: Metropolitan Museum of Art, New York, N.Y., p. 7. 2003. ISBN 9781588390967