Go-Sai

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Go-Sai
Imperador do Japão
Reinado 5 de janeiro de 1655
a 5 de março de 1663
Entronamento 17 de fevereiro de 1656
Predecessor Go-Kōmyō
Sucessor Reigen
Xogum Tokugawa Ietsuna
 
Esposa Akiko
Descendência Tomoko
Osahito, Príncipe Hachijō
Yukihito, Príncipe Arisugawa
Sōei
Sonsyū
Gien
Enkōin
Tenshin
Kaya
Mashiko
Rihō
Zuikō
Eigo
Tsune
Kaku
Syō'an
Gōben
Dōyū
Naohito, Príncipe Hachijō
Mitsu
Sonkō
Sonsyō
Ryō'ou
Ryougetsuin
Sondō
Roei’in
Casa Casa Imperial do Japão
Nome de nascimento Nagahito (良仁?)
Nascimento 1 de janeiro de 1638
Morte 26 de março de 1685 (47 anos)
Pai Go-Mizunoo
Mãe Kushige Takako
Religião Xintoísmo

Go-Sai (後西? 16381685) foi o 111º imperador do Japão, na lista tradicional de sucessão.[1] Seu reinado abrangeu os anos de 1655 a 1663.

Vida[editar | editar código-fonte]

Antes da ascensão ao Trono do Crisântemo, seu nome pessoal era Nagahito[2] e seu título de pré-ascensão era Momozono-no-miya.[3][4] Nagahito foi o oitavo filho do imperador Go-Mizunoo. Sua mãe foi Kushige Takako, que depois adotou o nome budista de Hōshunmon-in, mas foi criado como se fosse filho de Tōfuku-mon'in,[3] a mãe da ex-imperatriz Meisho. O ex-imperador Go-Komyo também era seu meio-irmão.

Nagahito tornou-se imperador quando Go-Komyo morreu. Esta morte deixou o trono vago e a sucessão foi recebida por Nagahito. Pouco tempo depois, foi proclamado imperador Go-Sai. Ele tinha 18 anos quando ascendeu ao trono.[3] Os anos do reinado de Go-Sai correspondiam ao período em que Tokugawa Ietsuna era o líder do xogunato Tokugawa.

Go-Sai se casou com a princesa Akiko, filha do primeiro líder da casa principesca Takamatsu-no-miya; depois da morte deste se tornou o segunda líder. A partir dai seu reinado passou a ter um caráter temporário até que seu irmão mais novo, o Príncipe Imperial Satohito (o futuro imperador Reigen) pudesse atingir a idade para se tornar imperador.[5]

Em 1655 o novo embaixador do Reino de Joseon chegou ao Japão.[2] Em 2 e 3 de março de 1657 ocorreu o Grande Incêndio de Meireiki, onde cidade de Edo foi devastado por um violento incêndio.[2] Em 1659 inicia-se a construção da ponte de Ryogoku.[2]

Em 1661 um incêndio consome totalmente o Palácio Imperial em Quioto, após o incêndio a família real passou cerca de dois anos morando na Mansão Konoe, [6] além disso o Gekū de Yamada foi seriamente danificado pelo fogo.[2]

Em 20 de março de 1662 aconteceu um violento terremoto em Quioto que destruiu o túmulo do Taiko, Toyotomi Hideyoshi.[2] Neste mesmo ano Go-Sai permitiu que Tosa Hiromichi um caligrafo e pintor da Escola Tosa, adotasse o nome Sumiyoshi, e assumindo a posição de pintor oficial do Sumiyoshi taisha.[2][7]

Em 05 de março de 1663 o Go-Sai abdicou. Com isso o príncipe imperial Satohito recebeu a sucessão e pouco tempo depois, foi proclamado imperador Reigen.[8]

Após sua abdicação Go-Sai se dedicou aos estudos dos clássicos e a compor wakas escrevendo vários livros entre eles a Coleção Dia das Águas (水日集 Suinichishū?).[9]

Em 26 de março de 1685 o ex-imperador Go-Sai veio a falecer; e um grande cometa foi observado cruzando o céu durante a noite.[2] Go-Sai passou a ser consagrado no mausoléu imperial nomeado Tsukinowa no misasagi, que está localizado em Sennyu-ji no bairro Higashiyama-ku em Quioto, o mesmo lugar onde seu pai (Go-Mizunoo) e seus irmãos (Meisho e Go-Komyo) são consagrados.[1]

Referências

  1. a b Agência da Casa Imperial: Go-Sai-tennō (111) (em japonês)
  2. a b c d e f g h Klaproth, Julius von (1834). Annales des empereurs du Japon (em francês). [S.l.]: Oriental Translation Fund, pp. 415-416 
  3. a b c Ponsonby-Fane, Richard Arthur Brabazon (1959). The Imperial House of Japan (em inglês). [S.l.]: Ponsonby Memorial Society, p.116 
  4. Library, British (1990). The British Library Journal (em inglês). [S.l.]: British Museum Publications, p. 215. 
  5. Bodart-Bailey, Beatrice M. (2006). The Dog Shogun:. The Personality and Policies of Tokugawa Tsunayoshi (em inglês). [S.l.]: University of Hawaii Press, p. 88. ISBN 9780824829780 
  6. Ponsonby-Fane, R. A. B. (3 de junho de 2014). Studies In Shinto & Shrines (em inglês). [S.l.]: Routledge, p. 105. ISBN 9781136892943 
  7. «Sumiyoshiha». Japanese Architecture and Art Net Users System (em inglês). Consultado em 17 de dezembro de 2018 
  8. Shillony, Ben-Ami (2008). The Emperors of Modern Japan (em inglês). [S.l.]: BRILL, p. 145. ISBN 9789047442257 
  9. Lillehoj, Elizabeth (2011). Art and Palace Politics in Early Modern Japan, 1580s-1680s (em inglês). [S.l.]: BRILL, p. 256, n. 50. ISBN 9789004211261