Período Muromachi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Parte da série sobre
História do Japão
Osaka Castle 02bs3200.jpg
Paleolítico (50/35.000–13/9.500 AEC)
Período Jōmon (13/9.500–300 AEC)
Período Yayoi (300 AEC — 250 EC)
Período Yamato (250–710)
- Período Kofun (250–538)
- Período Asuka (538–710)
Período Nara (710–794)
Período Heian (794–1185)
Período Kamakura (1185–1333)
Restauração Kemmu (1333–1336)
Período Muromachi (1336–1573)
- Período Nanboku-chō (1336–1392)
- Período Sengoku (1467–1573)
Período Azuchi-Momoyama (1573–1603)
Período Edo (1603–1868)
Império do Japão (1868–1945)
- Período Meiji (1868–1912)
- Período Taishō (1912–1926)
- Período Showa (1926–1989)
Japão (1945–presente)
- Ocupação do Japão
- Japão pós-ocupação
- Heisei (1989–presente)
Portal do Japão

O período Muromachi (Língua japonesa: 室町時代) inicia-se aproximadamente em 1336 e vai até 1573, com a unificação das duas cortes Imperiais, a de Quioto e a de Yoshino, que durante mais de meio século estiveram em divergência; coube o mérito dessa reunificação ao "Generalíssimo" Ashikaga Yoshimitsu, cujo governo, instalado em Muromachi, perto de Quioto, deu o nome a este período.

O governo militar, fundado por Ashikaga Takauji, chegou ao seu apogeu no tempo de Yoshimitsu. Este último foi apreciador da arte e do luxo. Foi ele quem mandou construir notáveis obras arquitetônicas, como Kinkakuji (Templo Dourado) e Hana-no Gosho (Palácio das Flores). Ele difundiu a dança cerimonial "Noh", como também a Cerimónia do chá. Exageradamente concentrado nas atividades artísticas e estéticas, ele se desinteressou da política, dando oportunidade aos oficiais regionais de se apoderarem das terras aumentando poderes militares e conquistando vantagens econômicas.

Enquanto isso se passava no pais, os pescadores, os comerciantes e mesmo os "samurais" procuravam a China para reabrir o intercâmbio comercial que se achava interrompido desde o tempo dos ataques dos Mongóis. Entretanto, como na maioria das vezes os Chineses se negavam a comerciar com os japoneses, estes começaram a saquear as costas do "Celeste Império", tornando-se piratas profissionais. Foram eles temidos com a designação de "Wako" (invasores nipônicos), que passou a significar "piratas". Anos mais tarde, o governo chinês procurou o governo de Muromachi para reatar o intercâmbio comercial, que deveria acabar com a pirataria.

O desinteresse dos governantes pela administração acelerou a decadência de Muromachi. A crise econômica aumentara, pois os esbanjamentos do "Generalíssimo" chegaram ao extremo. Finalmente, Yoshimassa, então chefe do governo, abandonou seu posto para refugiar-se no Monte Higashi, deixando vago o cargo para ser disputado dentro da família Ashikaga, o que veio motivar um choque militar: a Revolta de Onin.

Esta revolta serviu de pretexto para que dois senhores feudais, Mouri e Yaniana medissem suas forças militares. A guerra durou onze anos e dela participaram mais de 270.000 soldados guiados por todos os senhores (daimyo), cada qual a favor de seus próprios interesses, enquanto o governo de Muromachi, nada conseguindo fazer perante aquela anarquia, perdeu todo o prestígio.

Em 1318, o príncipe Takaharu subiu ao trono imperial com o nome de Go-Daigo. Em 1333 retornou a Kyoto, fato conhecido como restauração Kemmu, e tentou recuperar o governo direto. Não obteve êxito, e a família Ashikaga estabeleceu um bakufu no distrito de Muromachi (Kyoto) com a mesma estrutura de seu predecessor de Kamakura. Nesse período surgiu uma nova classe de senhores feudais, os daimyos, de base camponesa. O Shogunato sofreu um progressivo enfraquecimento, que conduziu a uma sangrenta guerra civil, a guerra Onin (1467-1477) entre os partidos Kosokawa e Yamana. O confronto teve como consequência a extinção do poder político do bakufu. O Japão entrou, então, num período de desordem. O poder feudal dos daimyos predominou nessa época, conhecida como "país em guerra".

"País em guerra" e unificação[editar | editar código-fonte]

Os daimyos conquistaram um poder quase ilimitado em seus domínios e chegaram a cunhar moedas. Simultaneamente, muitos jovens se lançaram à busca de riquezas no litoral chinês. Os piratas japoneses levaram o terror aos litorais da China, Filipinas, Tailândia, Formosa, Indonésia, Malásia e Indochina. Os vikings do Oriente, como foram chamados, encontraram, no entanto, um poderoso rival nos navios portugueses, maiores e armados com canhões. Os missionários jesuítas espanhóis e portugueses obtiveram relativo êxito na catequização da classe aristocrática japonesa. A penetração européia favoreceu o comércio e familiarizou os japoneses com as armas de fogo, fato importante para uma sociedade militarista. Os mosquetes que o senhor de Tanegashima havia comprado de aventureiros portugueses em 1543 multiplicaram-se com surpreendente rapidez. Entre 1550 e 1560, um dos daimyos, o genial estrategista Oda Nobunaga, conseguiu dominar os demais e estabelecer um só estado.

Ícone de esboço Este artigo sobre História do Japão é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.