Tropidurus torquatus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Como ler uma infocaixa de taxonomiaTropidurus torquatus
[[Imagem:
Tropidurus torquatus
|280px|]]
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Ordem: Squamata
Subordem: Iguania
Família: Tropiduridae
Gênero: Tropidurus
Espécie: Tropidurus torquatus
'


Tropidurus torquatus é um calango da família Tropiduridae, conhecido popularmente por lagarto da lava amazônica. Apresenta registros na Guiana, Suriname, Guiana Francesa, Colômbia, Uruguai, Paraguai e Brasil, em ambientes de Cerrado e Mata Atlântica. No Brasil, é encontrado nos estados da Bahia, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Tocantins.

Características[editar | editar código-fonte]

É um lagarto médio com escamas imbricadas fortemente, possuindo uma pele impermeável, uma dobra com duas bolsas na lateral do pescoço, e uma cabeça larga e robusta. São animais ectotérmicos, ou seja, capazes adquirir estabilidade da temperatura corpórea por meio da regulação da troca de energia térmica com o ambiente. Lagartos são particularmente bons na termorregulação comportamental. O movimento para trás e para frente entre o sol e a sombra é o mecanismo termorregulador mais usado por eles. Durante o início da manhã ou durante um dia frio, os lagartos costumam permanecer no Sol, enquanto que, no meio de um dia quente, eles se retraem para a sombra e realizam breves aparições. Apresenta dimorfismo sexual, os machos têm corpos e cabeças maiores e corpos mais estreitos do que as fêmeas. Dimorfismo sexual é uma característica generalizada entre lagartos, como em muitos outros grupos de animais. Lagartos machos e fêmeas podem diferir em muitas características, como coloração, forma do corpo e tamanho.

Alimentação[editar | editar código-fonte]

Espécies do gênero Tropidurus são consideradas espécies onívoras com estratégias alimentares do tipo senta-e-espera e com uma dieta generalista, ou seja, consomem grande proporção de tipos de presas sem especificidade, alimentando-se de invertebrados, principalmente formigas e coleópteros, pequenos vertebrados, flores e frutos.

Reprodução[editar | editar código-fonte]

As fêmeas atingem a maturidade sexual por volta de 65 mm SVL (distância entre o focinho e a abertura cloacal), enquanto os machos se tornam sexualmente maduros em 70 mm SVL. Reproduz durante a estação seca até metade da estação chuvosa e número de ovos (de dois a seis) por ninho e época de reprodução variam entre os diferentes biomas brasileiros, conforme observado no Cerrado, Restinga e Pampas (pastagens do sul). A fertilização é interna, o macho insere o órgão copulador, seu hemipênis, na cloaca da fêmea. Possuem um ovo amniótico com 3 membranas, característica dos amniotas. O embrião fica localizado dentro do âmnion protegido pelo líquido amniótico. O alantóide é uma bolsa que cresce até atingir a casca do ovo e, por último, o córion é caracterizado por ser uma membrana fina que envolve os demais anexos embrionários. A membrana do alantóide se desenvolve como uma evaginação da parte posterior do intestino, posteriormente ao saco vitelínico e situa-se no interior do córion. Trata-se de um órgão respiratório e um local de armazenamento de excretas nitrogenados produzidos pelo metabolismo do embrião.

Referências[editar | editar código-fonte]

[1] [2] [3] [4] [5] [6] [7] [8] [9] [10] [11] [12] [13] [14] [15] [16]


Referências

  1. CALANGO: Tropidurus torquatus, [1], Museu Virtual do Cerrado, c2020.
  2. Uetz, P., Freed, P. & Hošek, J. (eds.) (2020) The Reptile Database, [[2]] Accesso em 8 de Dezembro de 2020.
  3. IUCN 2020. The IUCN Red List of Threatened Species. Version 2020-2. [[3]] Downloaded on 08 December 2020.
  4. Vaz-Ferreira, R., and B. S. Soriano. 1960. Notas sobre los reptiles del Uruguay. Revista de la Facultad de Humanidades y Ciencias 18:133-206.
  5. Carreira, S., M. Meneghel, and F. Achaval. 2005. Reptiles del Uruguay. Montevideo: Facultad de Ciencias. 640 p.
  6. Arruda, J. L. S. de, Arruda, D. A., & Cechin, S. Z. (2008). Reptilia, Squamata, Tropiduridae, Tropidurus torquatus: distribution extension. Check List, 4(3), 269. doi:10.15560/4.3.269.
  7. POUGH, H.; JANIS, C. M. & HEISER, J. B. A vida dos vertebrados. 3.ed. São Paulo: Atheneu, 2003, 744p.
  8. ARAUJO, A. F. B.,1987, Comportamento alimentar dos lagartos: o caso do Tropidurus do grupo torquatus da Serra de Carajás, Pará (Sauria: Iguanidae). Anais de Etologia, 5: 189-197.
  9. VAN SLUYS, M., 1995, Seasonal variation in prey choice by the lizard Tropidurus itambere (Tropiduridae) in southeastern Brazil. Ciência e Cultura, 47(1/2): 61-65.
  10. TEIXEIRA, R. L., & GIOVANELLI, M. (1999). Ecologia de Tropidurus torquatus (Sauria: Tropiduridae) da Restinga de Guriri, São Mateus, ES. Revista Brasileira de Biologia, 59(1), 11–18. doi:10.1590/s0034-71081999000100002.
  11. Wiederhecker, H. C., Pinto, A. C. S., & Colli, G. R. (2002). Reproductive Ecology of Tropidurus torquatus (Squamata: Tropiduridae) in the Highly Seasonal Cerrado Biome of Central Brazil. Journal of Herpetology, 36(1), 82–91. doi:10.1670/0022-1511(2002)036[0082:reotts]2.0.co;2.
  12. Pinto A. C. S., Wiederhecker H. C. & Colli G. R. (2005) Sexual dimorphism in the Neotropical lizard, Tropidurus torquatus (Squamata, Tropiduridae). Amphibia-Reptilia, 26, 127–37.
  13. KIEFER MC, M VAN SLUYS & CFD ROCHA (2008) Clutch and egg size of the tropical lizard Tropidurus torquatus (Tropiduridae) along its geographic range in coastal eastern Brazil. Canadian Journal of Zoology 86: 1376-1388.
  14. VAN SLUYS M, SB MARTELOTTE, MC KIEFER & CFD ROCHA (2010) Reproduction in neotropical Tropidurus lizards (Tropiduridae): evaluating the effect of environmental factors on T. torquatus. Amphibia-Reptilia 31: 117-126.
  15. ARRUDA JLS (2009) Ecologia de Tropidurus torquatus (Squamata: Tropiduridae) no bioma pampa, extremo sul do Brasil. MSc. Disser tation, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Brazil.
  16. DUARTE, Marina Melo, [[4]] ECOLOGIA DE COMUNIDADE, INTERAÇÕES ECOLÓGICAS. USP, 08 de Dezembro de 2020.