Líquido amniótico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O líquido amniótico (LA) é um líquido que envolve o embrião, preenchendo a bolsa amniótica. Como a maior parte do líquido amniótico é composto de água, a bolsa amniótica é também conhecida como bolsa das águas. Quando se diz que "a bolsa se rompeu" e o líquido amniótico sai, significa seguramente que o momento do parto está chegando.

O LA é um componente importante do ambiente intrauterino. Sua produção e sua absorção dependem de uma série de mecanismos interdependentes entre o feto, a placenta, as membranas e o organismo materno. Características como coloração, propriedades físicas, volume e composição são elementos importantes para a análise da qualidade do líquido, e variam ao longo do desenvolvimento do feto.

Funções[editar | editar código-fonte]

O LA é considerado uma das estruturas fundamentais para o auxílio ao desenvolvimento do feto. Dentre suas funções, protege o feto contra choques mecânicos, permite o seu crescimento simétrico, funciona como barreira contra infecções, impede a aderência entre o embrião e o âmnio, bem como ajuda a controlar a temperatura corporal do embrião e permite que o feto se mova livremente no ventre, o que auxilia em seu desenvolvimento muscular. Por fim, ajuda também na prevenção da compressão do cordão umbilical, e funciona como depósito de excretas fecais do feto.[1][2]

Análises clínicas[editar | editar código-fonte]

Para a análise das propriedades do líquido amniótico, duas técnicas são mais utilizadas: amniocentese e amnioscopia.[1]

A amniocentese consiste na introdução de uma agulha longa através da parede abdominal da mãe, sendo que o volume do líquido retirado depende da idade do feto e do motivo do exame. Esta técnica é utilizada para detectar principalmente doenças congênitas, defeitos de tubo neural, idade gestacional e maturidade fetal pulmonar, sendo indicada principalmente para mulheres acima de 35 anos devido à maior probabilidade de anormalidades cromossômicas fetais (síndrome de Patau e Edwards), além de tornar possível o estudo do DNA (paternidade).

Já a amnioscopia é um método endoscópico de observação da câmara amniótica proposto por Saling a partir de 1961. Existem vários modelos de amnioscópio, dos quais o mais utilizado é o de acrílico. O propósito da amnioscopia é observar as membranas, o volume estimativo do líquido amniótico, sua cor e a presença de partículas esbranquiçadas, chamadas grumos. Para realização do exame, faz se necessária uma dilatação cervical mínima de 1,2 cm, que é o diâmetro do tubo de menor calibre. As indicações mais frequentes para realização da amnioscopia são a gravidez prolongada (42 semanas completas a contar com a data da última menstruação), ruptura prematura das membranas, maturidade fetal e sofrimento fetal.

Coloração[editar | editar código-fonte]

A análise macroscópica das propriedades do líquido geralmente inicia-se com a observação de sua colocação. Normalmente, ele varia de incolor a acinzentado, principalmente nos primeiros meses de gestação. No entanto, nos últimos meses torna-se opaco, devido a presença de partículas em suspensão. Estas partículas são constituídas por lipídios que, ao aumentarem no decorrer da gestação, intensificam a turvação. Caso esta cor esteja alterada, tem significado patológico.

Uma das principais alterações da coloração do líquido ocorre quando ele se encontra amarelo-alaranjado devido à presença de bilirrubina em casos de anemia hemolítica, ou então amarelo-acastanhado, devido à presença dos eritrócitos maternos ou fetais e à hemossiderina e hemotoidina resultante de hemorragia; há ainda a possibilidade de apresentar cor esverdeada devido à estercobilina, presente no mecônio, traduzindo-se em sofrimento fetal.[3]

Propriedades físicas[editar | editar código-fonte]

O líquido amniótico também pode ser analisado a partir de outras características físicas através do seu aspecto, sendo classificado em:[3]

Tipo I: Líquido amniótico sem partículas de suspensão.

Tipo II: Líquido amniótico com escassas e pequenas partículas em suspensão.

Tipo III: Líquido amniótico com grandes e abundantes partículas em suspensão.

Tipo IV: Líquido amniótico com grandes e abundantes partículas em suspensão e com filamentos, com aspecto viscoso.

Volume[editar | editar código-fonte]

Outra característica importante está relacionada com o volume do líquido amniótico, sendo que este se relaciona com algumas patologias como polidrâmnio e oligoidrâmnio. O polidrâmnio é o acúmulo patológico de líquido amniótico, associado a uma elevada morbimortalidade materna e perinatal. Considera-se polidrâmnio quando o volume amniótico ultrapassa os 2.000 ml, sendo que as causas principais que levam a este aumento são malformação fetal, distúrbios genéticos, diabetes melito, sensibilização Rh e infecções congênitas.[1][4]

Composição[editar | editar código-fonte]

Com relação a análise microscópica, os principais componentes presentes no líquido estão em suspensão ou em dissolução. Entre os elementos em suspensão estão as células esfoliadas do âmnio, oriundas principalmente do feto, e também lanugem e gotículas de gordura. Já entre os elementos em dissolução encontra-se substâncias orgânicas, como  proteínas, aminoácidos, alfa-fetoproteínas, substâncias nitrogenadas não proteicas, lipídios, carboidratos, vitaminas, enzimas, bilirrubina, hormônios e as prostaglandinas, e inorgânicas como os eletrólitos, os quais estão relacionados com a idade gestacional.[1]

Vale ressaltar também que o líquido amniótico é rico em células escamadas que delimitam a cavidade amniótica e também células oriundas do feto. No entanto, a base morfológica da citologia amniótca está estritamente relacionada ao feto, como o desenvolvimento intrauterino da pele, mucosas respiratórias e digestivas, das coberturas geniturinárias e de todas as cavidades em contato com esse líquido. Isso possibilita, então, analisar a fisiologia de cada epitélio, seus ritmos de crescimento e maturação, podendo diagnosticar coisas como maturidade fetal, gestação de alto risco, morte fetal, infecções ovulares, sexo fetal, além de determinar o grupo sanguíneo fetal no líquido amniótico em gestações de 37 a 40 semanas.[1]

Além disso, a composição do líquido amniótico muda com a idade gestacional. No inicio da gravidez o líquido se encontra isotônico em relação ao sangue materno e fetal. Com a queratinização da pele fetal, a passagem do líquido através da pele fetal fica bastante reduzida. Nesse período, a urina fetal é mais hipotônica do que no inicio da gestação, tornando assim o LA hipotônico em relação ao sangue fetal.[5]

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

O LA pode fornecer inúmeras informações sobre a saúde fetal, podendo ser utilizado também para o diagnóstico de anormalidades genéticas no líquido amniótico, o qual é realizado através de cultura de células. A amostra é obtida entre 14 e 20 semanas de gestação, uma vez que as células coletadas são cultivadas e lisadas para análise cromossômica, determinando-se seu conteúdo enzimático para avaliar defeitos de metabolismo. Além disso, a doença hemolítica do recém-nascido, síndrome resultante de incompatibilidade Rh entre o sangue materno e o fetal, pode ser diagnosticada no líquido amniótico.[1]

Outros aspectos que podem ser diagnosticados com a análise do LA estão relacionados com a citologia e a citopatologia amniótica, como maturidade fetal, gestação de alto risco, morte fetal, infecções ovulares e sexo fetal. Dessa forma, a análise do líquido amniótico reforça a importância da realização adequada de um pré-natal.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre medicina é um esboço relacionado ao Projeto Saúde. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. a b c d e f Campana, Sabrina Goncalves Universidade Federal de Santa Catarina Brasil. Diagnostico laboratorial do liquido amniotico. [S.l.: s.n.] OCLC 71171756 
  2. Dertkigil, Márcia San Juan; Cecatti, José Guilherme; Cavalcante, Sérgio Ricardo; Baciuk, Érica Passos; Bernardo, Ana Lurdes A (dezembro de 2005). «Líquido amniótico, atividade física e imersão em água na gestação». Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil. 5 (4): 403–410. ISSN 1519-3829. doi:10.1590/s1519-38292005000400003 
  3. a b Rebelo, Irene, author. Líquido amniótico e suas perspetivas clínicas : alterações analíticas e significado clínico. [S.l.: s.n.] ISBN 9789727577958. OCLC 903672335 
  4. Kobayashi, Sergio (dezembro de 2005). «Avaliação ultra-sonográfica do volume do líquido amniótico». Radiologia Brasileira. 38 (6): V–VI. ISSN 0100-3984. doi:10.1590/s0100-39842005000600002 
  5. Machado, Maria Regina Marrocos; Cecatti, José Guilherme; Santos, Fernanda Fioravante Azank dos; Marussi, Emílio Francisco; Parpinelli, Mary Ângela (2003). «Variação do volume de líquido amniótico por idade gestacional segundo algumas variáveis sociodemográficas e obstétricas em gestações de baixo risco». Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. 25 (9): 639–646. ISSN 0100-7203. doi:10.1590/s0100-72032003000900004