Diabetes gestacional

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Diabetes gestacional
O círculo azul é o símbolo universal para a diabetes[1]
Classificação e recursos externos
CID-10 O24
CID-9 648.8
DiseasesDB 5195
MedlinePlus 000896
MeSH D016640

Diabetes gestacional é a a condição em que uma mulher sem diabetes apresenta níveis elevados de glicose no sangue durante a gravidez.[2] A diabetes gestacional geralmente manifesta poucos sintomas. No entanto, aumenta o risco de pré-eclampsia, depressão e necessidade de uma cesariana. Os bebés de mães com diabetes gestacional tratada de forma ineficaz apresentam risco acrescido de macrossomia, de baixos níveis de glicose após o nascimento e de icterícia. Quando não é tratada, a doença pode resultar em nado-morto. A longo prazo, as crianças apresentam maior risco de sobrepeso e de desenvolver diabetes do tipo 2.[2]

A diabetes gestacional é causada pela quantidade insuficiente de insulina no contexto de resistência à insulina. Os fatores de risco incluem ter sobrepeso, ter tido anteriormente diabetes gestacional, história na família de diabetes do tipo 2 e ter síndrome do ovário policístico. O diagnóstico é feito por análises ao sangue.[2] Em pessoas de risco normal, o rastreio é recomendado entre a 24ª e a 28ª semanas de gestação.[2][3] Em pessoas de elevado risco, o rastreio pode ter lugar na primeira consulta pré-natal.[2]

A prevenção consiste em manter um peso saudável e na prática de exercício físico antes da gravidez. A diabetes gestacional pode ser tratada com uma dieta diabética, exercício adequado e possivelmente injeções de insulina.[2] A maior parte das mulheres consegue controlar os níveis de glicose apenas com dieta e exercício. É muitas vezes recomendada a medição da glicose em mulheres afetadas seja realizada quatro vezes ao dia.[3] Após o nascimento, recomenda-se que a amamentação seja iniciada assim que possível.[2]

A diabetes gestacional afeta entre 3 e 9% de todas as gravidezes, dependendo da população estudada.[3] A doença é particularmente comum durante o terceiro trimestre de gravidez.[2] A prevalência varia com a idade. A doença afeta apenas 1% das grávidas com menos de 20 anos de idade, enquanto que afeta 13% das grávidas com mais de 44 anos de idade.[3] Alguns grupos étnicos apresentam maior risco de diabetes gestacional, entre os quais asiáticos, nativos norte-americanos, aborígenes australianos e habitantes das ilhas do Pacífico.[3][2] Em 90% dos casos, após o parto a doença resolve-se por si própria.[2] No entanto, existem vários riscos associados à doença não tratada, incluindo o risco de desenvolver diabetes do tipo 2.[3]

Referências

  1. «Diabetes Blue Circle Symbol». International Diabetes Federation. 17 de março de 2006. 
  2. a b c d e f g h i j «Gestational Diabetes». NIDDK. Setembro de 2014. Consultado em 31 de julho de 2016. 
  3. a b c d e f Donovan, Peter J; McIntyre, H David (1 de outubro de 2010). «Drugs for gestational diabetes». Australian Prescriber [S.l.: s.n.] 33 (5): 141–144. doi:10.18773/austprescr.2010.066.