Pré-eclampsia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pré-eclampsia
Uma micrografia mostrando a vasculopatia decidual hipertrófica, uma característica vista na hipertensão gestacional e pré-eclâmpsia. Coloração H&E.
Especialidade Obstetrícia
Sintomas pressão alta, proteínas na urina[1]
Complicações Ruptura de glóbulos vermelhos, baixo nível de plaquetas, função do fígado deficiente, problemas nos rins, inchaço, encurtamento da respiração devido a fluidos nos pulmões, eclâmpsia[2][3]
Início Após 20 semanas de gestação[2]
Fatores de risco Obesidade, hipertensão anterior, idade, diabetes mellitus[2][4]
Método de diagnóstico PA > 140 mmHg sistólica ou 90 mmHg diastólica em dois momentos separados[3]
Prevenção Aspirina, suplementação de cálcio, tratamento prévio para a hipertensão[4][5]
Tratamento Parto, medicação[4]
Medicação Labetalol, metildopa, sulfato de magnésio[6][4]
Frequência 2–8% das gestações[4]
Mortes 46.900 de desordens hipertensivas na gravidez (2015)[7]
Classificação e recursos externos
CID-10 O11, O14
CID-9 642.4-642.7
OMIM 609403, 609404, 609402, 189800, 614592
DiseasesDB 10494
MedlinePlus 000898
eMedicine med/1905 ped/1885
MeSH D011225
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

A pré-eclâmpsia (PE) é um distúrbio da gravidez caracterizada pelo aparecimento de pressão arterial alta e, muitas vezes, uma quantidade significativa de proteína na urina.[1][8] O estado começa após 20 semanas de gravidez.[2] Na doença grave pode haver ruptura de glóbulos vermelhos, um contagem baixa de plaquetas, função do fígado deficiente, disfunção renal, inchaço, falta de ar devido a fluidos nos pulmões, ou distúrbios visuais.[2] A pré-eclâmpsia aumenta os riscos de maus resultados para a mãe e para o bebê.[3] Se não for tratada, pode resultar em convulsões, ponto que é conhecida como eclâmpsia.[2]

Fatores de risco para a pré-eclâmpsia incluem a obesidade, antes de hipertensão, idade avançada, e a diabetes mellitus.[2][4] Também é mais frequente na primeira gravidez e se a gestação é de gêmeos. O mecanismo subjacente envolve formação anormal de vasos sanguíneos na placenta, entre outros fatores.[2] A maioria dos casos são diagnosticados antes do parto. Raramente, a pré-eclâmpsia pode começar no período após o parto. Enquanto que, historicamente, tanto a hipertensão arterial e o nível de proteína na urina foram necessárias para fazer o diagnóstico, algumas definições também incluem aqueles com hipertensão e qualquer disfunção associada aos órgãos.[3][9] A pressão arterial é definida como alta quando é maior do que 140 mmHg de pressão sistólica e 90 mmHg de diastólica em dois momentos separados, mais de quatro horas de diferença em uma mulher, depois de vinte semanas de gravidez.[3] A disfução é rotineiramente testada durante o pré-natal.[10][11]

Recomendações para a prevenção incluem: ácido acetilsalicílico em pessoas de alto risco, suplementação de cálcio em áreas com baixa ingestão, e o tratamento prévio da hipertensão com medicamentos.[4][5] Em pacientes com pré-eclâmpsia o parto do bebê e a placenta é um tratamento eficaz. Quando o parto se torna recomendado depende da gravidade da pré-eclâmpsia e do tempo de gestação da mulher.[4] A medicação da pressão Arterial, tais como o labetalol e o metildopa, podem ser usados para melhorar a condição da mãe antes do parto.[6] Sulfato de magnésio pode ser usado para prevenir a eclâmpsia em pessoas com doenças graves.[4] Repouso na cama e ingestão de sal não se mostraram úteis para o tratamento ou prevenção.[3][4]

A pré-eclâmpsia afeta de 2 a 8% das gestações em todo o mundo.[4] Doenças hipertensivas da gravidez (que incluem a pré-eclâmpsia) são uma das causas mais comuns de morte devido à gravidez.[6] Elas resultaram em 46.900 mortes em 2015. A pré-eclâmpsia geralmente ocorre após 32 semanas; no entanto, se ocorrer mais cedo, ela está associada a resultados piores. As mulheres que tiveram pré-eclâmpsia estão em maior risco de doença cardíaca e acidente vascular cerebral , mais tarde, na vida.[10] A palavra eclâmpsia é a partir do termo grego para relâmpago. A primeira descrição da doença foi por Hipócrates no século V a.C.[12]

Causas[editar | editar código-fonte]

Especialistas acreditam que o problema está no desenvolvimento anormal dos vasos sanguíneos que conectam a placenta com o útero. Quando o fluxo sanguíneo é insuficiente para o útero ou ocorrem danos aos vasos sanguíneos, eles podem responder inadequadamente a estímulos hormonais e causar a pré-eclampsia.

Fatores de risco[editar | editar código-fonte]

Dentre os factores que aumentam o risco de sofrer esse transtornos incluem[13][14]:

  • Histórico próprio ou familiar de pré-eclampsia
  • Obesidade
  • Diabetes Mellitus
  • Hipertensão prévia
  • Idade maior que 35 anos
  • Primeira gravidez
  • Gêmeos
  • Hipotiroidismo
  • Problemas renais
  • Gravidez menos de 2 anos depois ou mais de 10 anos depois da gravidez anterior
  • Poluição do ar
  • Baixo consumo de cálcio

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Os sinais característicos são[15]:

  • Pressão maior que 140/90 mmHg durante mais de 4h
  • Urina espumosa (por conter mais de 300mg/dia de proteínas) ou outros sinais de problemas renais (como urinar pouco)
  • Inchaço das mãos, pés e face

Mesmo sem problemas renais, pode ser diagnosticado quando há alguns dos seguintes sintomas[15]:

  • Dores de cabeça fortes
  • Alterações na visão (perda temporária da visão, visão turva ou sensibilidade à luz)
  • Dor abdominal, geralmente sob suas costelas do lado direito
  • Náuseas ou vômitos
  • Diminuição dos níveis de plaquetas no sangue (trombocitopenia)
  • Insuficiência hepática
  • Falta de ar, devido a líquido nos pulmões

Complicações[editar | editar código-fonte]

Se não tratado pode se tornar uma eclampsia, transtorno caracterizado por convulsões, coma e pode ser fatal para o feto e para a mãe. Também pode resultar em descolamento prematuro da placenta ou em problemas cardiovasculares como Síndrome HELLP (destruição de hemácias e plaquetas) e falta de oxigenação ao feto.[16]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O termo se refere a "dar a luz" repentinamente, porque muitas vezes apressar o parto é o único tratamento. Foi descrito pela primeira vez por Hipócrates no século V antes de Cristo. Já o termo "toxemia gravídica" foi uma interpretação equivocada de a causa eram toxinas no sangue.[17]

Prevenção[editar | editar código-fonte]

Triagem para pré-eclampsia tem sido possível desde cerca de 2010, através da medição de vários fatores bioquímicos e obstétricos. A combinação desta informação permite avaliar o risco de que a gestante desenvolva pré-eclâmpsia durante a gravidez atual, permitindo assim ao médico prevenir o desenvolvimento da doença.

A triagem para pré-eclampsia é feita no primeiro trimestre, pelo las semanas 11 e 14 de gestação. Inclui um exame de sangue que pode ser realizado ao mesmo tempo que o rastreio da Trissomia 21 no primeiro trimestre da gravidez. O rastreio consiste em medir a concentração plasmática de dois biomarcadores, as proteínas PlGF11 (Factor de Crescimento Placental) e PAPP-A11 e associar esses ensaios com dados coletados por ginecologistas-obstetras ou parteiras: artérias dobradas do útero, mensuração da pressão arterial média do paciente, idade materna, tabagismo, origem geográfica, IMC, história hipertensiva e paridade.

A combinação de todos esses parâmetros permite estabelecer um risco preditivo, como é feito para a trissomia 21, com uma taxa de detecção de até 96,3%. No entanto, é uma triagem e não um diagnóstico. Portanto, é importante ter em mente que isso também inclui uma taxa de falsos negativos, ou seja, pacientes que não serão detectados.

Os últimos estudos realizados na Europa[18] mostraram a capacidade dessa abordagem de detectar realmente pacientes com alto risco de desenvolver pré-eclâmpsia e, especialmente, prevenir o desenvolvimento da doença e implementar um tratamento preventivo baseado em aspirina. Uma ingestão diária, iniciada suficientemente antes da gravidez (antes da 16ª semana), reduz o número de pré-eclâmpsia em até 80%.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

O único tratamento definitivo é o parto com expulsão da placenta. Anti-hipertensivos adequados para a gravidez incluem labetalol, fenoterol, metildopa e nifedipina. Diuréticos e inibidores da ECA são contra-indicados porque afetam o desenvolvimento fetal. O objetivo do tratamento é evitar complicações até que o bebê esteja melhor preparado para nascer.

Corticosteroides podem melhorar temporariamente a função hepática e o nível de plaquetas para ajudar a prolongar a gravidez estimulando também que os pulmões do bebê amadureçam mais rápido. Sulfato de magnésio pode ser usado em casos severos como anticonvulsivante, bloqueando os receptores NMDA, para prevenir a eclampsia.[19]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. a b Eiland, Elosha; Nzerue, Chike; Faulkner, Marquetta (2012). «Preeclampsia 2012». Journal of Pregnancy. 2012: 1–7. doi:10.1155/2012/586578 
  2. a b c d e f g h Al-Jameil, N; Aziz Khan, F; Fareed Khan, M; Tabassum, H (Fevereiro de 2014). «A brief overview of preeclampsia.». Journal of clinical medicine research. 6 (1): 1–7. PMC 3881982Acessível livremente. PMID 24400024. doi:10.4021/jocmr1682w 
  3. a b c d e f «Hypertension in pregnancy. Report of the American College of Obstetricians and Gynecologists' Task Force on Hypertension in Pregnancy.» (PDF). Obstet. Gynecol. 122 (5): 1122–31. Novembro de 2013. PMID 24150027. doi:10.1097/01.AOG.0000437382.03963.88 
  4. a b c d e f g h i j k WHO recommendations for prevention and treatment of pre-eclampsia and eclampsia. (PDF). [S.l.: s.n.] 2011. ISBN 978-92-4-154833-5. Cópia arquivada (PDF) em 13 de maio de 2015 
  5. a b Henderson, JT; Whitlock, EP; O'Connor, E; Senger, CA; Thompson, JH; Rowland, MG (20 de maio de 2014). «Low-dose aspirin for prevention of morbidity and mortality from preeclampsia: a systematic evidence review for the U.S. Preventive Services Task Force.». Annals of Internal Medicine. 160 (10): 695–703. PMID 24711050. doi:10.7326/M13-2844 
  6. a b c Arulkumaran, N.; Lightstone, L. (Dezembro de 2013). «Severe pre-eclampsia and hypertensive crises». Best Practice & Research Clinical Obstetrics & Gynaecology. 27 (6): 877–884. PMID 23962474. doi:10.1016/j.bpobgyn.2013.07.003 
  7. GBD 2015 Mortality and Causes of Death, Collaborators. (8 de outubro de 2016). «Global, regional, and national life expectancy, all-cause mortality, and cause-specific mortality for 249 causes of death, 1980–2015: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2015.». Lancet. 388 (10053): 1459–1544. PMID 27733281. doi:10.1016/s0140-6736(16)31012-1 
  8. Hypertension in pregnancy. [S.l.]: ACOG. 2013. p. 2. ISBN 9781934984284. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2016 
  9. Lambert, G; Brichant, JF; Hartstein, G; Bonhomme, V; Dewandre, PY (2014). «Preeclampsia: an update.». Acta Anaesthesiologica Belgica. 65 (4): 137–49. PMID 25622379 
  10. a b Steegers, Eric AP; von Dadelszen, Peter; Duvekot, Johannes J; Pijnenborg, Robert (Agosto de 2010). «Pre-eclampsia». The Lancet. 376 (9741): 631–644. PMID 20598363. doi:10.1016/S0140-6736(10)60279-6 
  11. US Preventive Services Task, Force.; Bibbins-Domingo, K; Grossman, DC; Curry, SJ; Barry, MJ; Davidson, KW; Doubeni, CA; Epling JW, Jr; Kemper, AR; Krist, AH; Kurth, AE; Landefeld, CS; Mangione, CM; Phillips, WR; Phipps, MG; Silverstein, M; Simon, MA; Tseng, CW (25 de abril de 2017). «Screening for Preeclampsia: US Preventive Services Task Force Recommendation Statement.». JAMA. 317 (16): 1661–1667. PMID 28444286. doi:10.1001/jama.2017.3439 
  12. Emile R. Mohler (2006). Advanced Therapy in Hypertension and Vascular Disease. [S.l.]: PMPH-USA. pp. 407–408. ISBN 9781550093186. Cópia arquivada em 5 de outubro de 2015 
  13. http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/preeclampsia/basics/risk-factors/con-20031644
  14. Al-Jameil, N; Aziz Khan, F; Fareed Khan, M; Tabassum, H (February 2014). "A brief overview of preeclampsia.". Journal of clinical medicine research 6 (1): 1–7. PMID 24400024.
  15. a b http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/preeclampsia/basics/symptoms/con-20031644
  16. http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/preeclampsia/basics/complications/con-20031644
  17. Emile R. Mohler (2006). Advanced Therapy in Hypertension and Vascular Disease. PMPH-USA. pp. 407–408. ISBN 9781550093186.
  18. Rolnik, D. L.; Wright, D.; Poon, L. C. Y.; Syngelaki, A.; O'Gorman, N.; de Paco Matallana, C.; Akolekar, R.; Cicero, S.; Janga, D. (October 2017). «ASPRE trial: performance of screening for preterm pre-eclampsia». Ultrasound in Obstetrics & Gynecology: The Official Journal of the International Society of Ultrasound in Obstetrics and Gynecology. 50 (4): 492–495. ISSN 1469-0705. PMID 28741785. doi:10.1002/uog.18816  Verifique data em: |data= (ajuda)
  19. http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/preeclampsia/basics/treatment/con-20031644