Pré-eclampsia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pré-eclampsia
Classificação e recursos externos
CID-10 O11, O14
CID-9 642.4-642.7
DiseasesDB 10494
MedlinePlus 000898
eMedicine med/1905 ped/1885
MeSH D011225
Star of life caution.svg Aviso médico

Pré-eclâmpsia (do grego ἔκλαμψις, luz repentina)[1] ou toxemia gravídica é um transtorno da gravidez caracterizado pelo aumento da pressão arterial, inchaço das mãos e rosto (edema) e liberação de proteínas na urina (proteinúria) posterior à vigésima semana de gestação.

Ocorre em 3% das gravidezes, enquanto hipertensão gestacional ocorre em 5 a 10%, sendo um dos principais motivos para cesárias. É mais comum na 32a semana. O número de casos está aumentando seguindo o aumento na prevalência de obesidade, hipertensão, diabetes e a idade-média entre as mães.[2]

Causas[editar | editar código-fonte]

Especialistas acreditam que o problema está no desenvolvimento anormal dos vasos sanguíneos que conectam a placenta com o útero. Quando o fluxo sanguíneo insuficiente para o útero ou ocorrem danos aos vasos sanguíneos, eles podem responder inadequadamente a estímulos hormonais e causar a pré-eclampsia.

Fatores de risco[editar | editar código-fonte]

Dentre os factores que aumentam o risco de sofrer esse transtornos incluem[3] [4] :

  • Histórico próprio ou familiar de pré-eclampsia
  • Obesidade
  • Diabetes Mellitus
  • Hipertensão prévia
  • Idade maior que 35 anos
  • Primeira gravidez
  • Gêmeos
  • Hipotiroidismo
  • Problemas renais
  • Gravidez menos de 2 anos depois ou mais de 10 anos depois da gravidez anterior
  • Poluição do ar
  • Baixo consumo de cálcio

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Os sinais característicos são[5] :

  • Pressão maior que 140/90 mmHg durante mais de 4h
  • Urina espumosa (por conter mais de 300mg/dia de proteínas) ou outros sinais de problemas renais (como urinar pouco)
  • Inchaço das mãos, pés e face

Mesmo sem problemas renais, pode ser diagnosticado quando há alguns dos seguintes sintomas[5] :

  • Dores de cabeça fortes
  • Alterações na visão (perda temporária da visão, visão turva ou sensibilidade à luz)
  • Dor abdominal, geralmente sob suas costelas do lado direito
  • Náuseas ou vômitos
  • Diminuição dos níveis de plaquetas no sangue (trombocitopenia)
  • Insuficiência hepática
  • Falta de ar, devido a líquido nos pulmões

Complicações[editar | editar código-fonte]

Se não tratado se tornar uma eclampsia, transtorno caracterizado por convulsões, coma e pode ser fatal para o feto e para a mãe. Também pode resultar em descolamento prematuro da placenta ou em problemas cardiovasculares como Síndrome HELLP (destruição de hemácias e plaquetas) e falta de oxigenação ao feto.[6]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O termo se refere a "dar a luz" repentinamente, porque muitas vezes apressar o parto é o único tratamento. Foi descrito pela primeira vez por Hipócrates no século V antes de Cristo. Já o termo "toxemia gravídica" foi uma interpretação equivocada de a causa eram toxinas no sangue.[7]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Star of life caution.svg
Advertência: A Wikipédia não é consultório médico nem farmácia.
Se necessita de ajuda, consulte um profissional de saúde.
As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento.

O único tratamento definitivo é o parto com expulsão da placenta. Anti-hipertensivos adequados para a gravidez incluem labetalol, fenoterol, metildopa e nifedipina. Diuréticos e inibidores da ECA são contra-indicados porque afetam o desenvolvimento fetal. O objetivo do tratamento é evitar complicações até que o bebê esteja melhor preparado para nascer.

Corticosteroides podem melhorar temporariamente a função hepática e o nível de plaquetas para ajudar a prolongar a gravidez estimulando também que os pulmões do bebê amadureçam mais rápido. Sulfato de magnésio pode ser usado em casos severos como anticonvulsivante, bloqueando os receptores NMDA, para prevenir a eclampsia. [8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. http://lexicoon.org/es/eclampsia
  2. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21333604
  3. http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/preeclampsia/basics/risk-factors/con-20031644
  4. Al-Jameil, N; Aziz Khan, F; Fareed Khan, M; Tabassum, H (February 2014). "A brief overview of preeclampsia.". Journal of clinical medicine research 6 (1): 1–7. PMID 24400024.
  5. a b http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/preeclampsia/basics/symptoms/con-20031644
  6. http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/preeclampsia/basics/complications/con-20031644
  7. Emile R. Mohler (2006). Advanced Therapy in Hypertension and Vascular Disease. PMPH-USA. pp. 407–408. ISBN 9781550093186.
  8. http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/preeclampsia/basics/treatment/con-20031644