Depressão pós-parto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Depressão pós-parto
Sinónimos Depressão puerperal
Especialidade Psiquiatria
Sintomas Tristeza profunda, fadiga, ansiedade, perturbações no sono ou na alimentação, episódios de choro, irritabilidade[1]
Início habitual De uma semana a um mês após o parto[1]
Causas Pouco claras[1]
Fatores de risco Antecedentes de depressão pós-parto, perturbação bipolar, antecedentes familiares depressão, stresse psicológico, complicações da gravidez, falta de apoio, perturbação por abuso de substâncias[1]
Método de diagnóstico Baseado nos sintomas[2]
Condições semelhantes Tristeza pós-parto[1]
Tratamento Psicoterapia, medicação[2]
Frequência ~15% dos partos[1]
Classificação e recursos externos
CID-10 F53
DiseasesDB 10921
MedlinePlus 007215
eMedicine 271662
MeSH D019052, D019052
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Depressão pós-parto (DPP) é um tipo de perturbação do humor associada ao parto, podendo afetar ambos os sexos.[1][3] Os sintomas mais comuns são tristeza profunda, fadiga, ansiedade, episódios de choro, irritabilidade e perturbações no sono ou na alimentação.[1] Os sintomas manifestam-se geralmente entre a primeira semana e o primeiro mês a seguir ao parto.[1] A DPP pode também afetar negativamente o recém-nascido.[2]

Embora a causa exata de DPP não seja ainda clara, acredita-se que se deva a uma combinação de fatores físicos e emocionais.[1] Entre estes fatores estão as alterações hormonais e privação de sono.[1] Os fatores de risco incluem episódios anteriores de depressão pós-parto, perturbação bipolar, antecedentes familiares de depressão, stresse psicológico, complicações da gravidez, falta de apoio e perturbação por abuso de substâncias.[1] O diagnóstico tem por base os sintomas.[2] Embora a maior parte das mulheres atravessem um breve período de ansiedade ou tristeza denominado tristeza pós-parto, quando esses sintomas são acentuados e com duração superior a duas semanas deve-se suspeitar de DPP.[1]

Entre as pessoas de risco, fornecer apoio psicossocial pode ajudar a prevenir a DPP.[4] O tratamento da DPP pode incluir psicoterapia ou medicamentos.[2] Entre os tipos de psicoterapia que têm demonstrado ser eficazes estão a terapia interpessoal, terapia cognitivo-comportamental e terapia psicodinâmica.[2] Algumas evidências apoiam a administração de inibidores seletivos de recaptação de serotonina.[2]

A depressão pós-parto afeta cerca de 15% das mulheres por volta do parto.[1][2] Estima-se que afete também entre 1% e 26% dos novos pais.[3] A psicose pós-parto, uma forma mais grave de perturbação de humor pós-parto, afeta 1–2 em cada 1000 mulheres.[5] A psicose pós-parto é uma das principais causas de homicídio de crianças com menos de um ano de idade que, nos Estados Unidos, ocorre em cerca de 8 em cada 100 000 nascimentos.[6]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n «Postpartum Depression Facts». NIMH (em inglês). Consultado em 11 de junho de 2017. Cópia arquivada em 21 de junho de 2017 
  2. a b c d e f g h Pearlstein, T; Howard, M; Salisbury, A; Zlotnick, C (abril de 2009). «Postpartum depression.». American Journal of Obstetrics and Gynecology. 200 (4): 357–64. PMC 3918890Acessível livremente. PMID 19318144. doi:10.1016/j.ajog.2008.11.033 
  3. a b Paulson, James F. (2010). «Focusing on depression in expectant and new fathers: prenatal and postpartum depression not limited to mothers». Psychiatry Times. 27 (2). Cópia arquivada em 5 de agosto de 2012 
  4. «Perinatal Depression: Prevalence, Screening Accuracy, and Screening Outcomes». Agency for Health Care Research and Quality. Cópia arquivada em 11 de novembro de 2013 
  5. Seyfried, LS; Marcus, SM (agosto de 2003). «Postpartum mood disorders.». International review of psychiatry (Abingdon, England). 15 (3): 231–42. PMID 15276962. doi:10.1080/09540260305196 
  6. Spinelli, MG (setembro de 2004). «Maternal infanticide associated with mental illness: prevention and the promise of saved lives.». The American Journal of Psychiatry. 161 (9): 1548–57. PMID 15337641. doi:10.1176/appi.ajp.161.9.1548 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre psicologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.