Transtorno de personalidade narcisista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Transtorno de personalidade narcisista
Pintura "Narciso" contemplando seu reflexo, de Caravaggio, ~1594
Classificação e recursos externos
CID-10 F60.8
CID-9 301.81
MedlinePlus 000934
eMedicine article/913575
MeSH D010554
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Transtorno de personalidade narcisista (TPN), é um transtorno de personalidade catalogado no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos MentaisDSM-IV.[1] caracterizada por sentimentos exagerados de auto-importância, uma necessidade excessiva de admiração e uma falta de compreensão dos sentimentos dos outros.[2][3] As pessoas afetadas muitas vezes passam muito tempo pensando em alcançar poder ou sucesso ou sobre sua aparência. Eles muitas vezes se aproveitam das pessoas ao seu redor. O comportamento normalmente começa na idade adulta e ocorre em uma variedade de situações.[3]

A causa do transtorno da personalidade narcisista é desconhecida.[4] O diagnóstico é feito por um profissional de saúde entrevistando a pessoa em questão.[2] A condição precisa ser diferenciada de Mania e Transtornos mentais e comportamentais devidos ao uso de substância psicoativa.[3]

Os tratamentos não foram bem estudados. A terapia é muitas vezes difícil, pois as pessoas com o distúrbio freqüentemente não consideram ter um problema.[2] Acredita-se que cerca de 1% das pessoas sejam afetadas em algum momento de sua vida.[4] Parece ocorrer mais frequentemente em homens do que nas mulheres e afeta mais jovens do que as pessoas mais velhas.[2][3] A personalidade foi descrita pela primeira vez em 1925 por Robert Waelder, enquanto o nome atual da condição entrou em uso em 1968.[5]

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

As pessoas com transtorno de personalidade narcisista são caracterizadas por sua grandiosidade persistente, necessidade excessiva de admiração e um desdém e falta de empatia para com outros.[6][7] Esses indivíduos geralmente apresentam arrogância, um sentimento de superioridade e comportamentos de busca por poder.[8] O transtorno de personalidade narcisista é diferente de ter um forte senso de autoconfiança; as pessoas com TPN geralmente se valorizam sobre outras na medida em que ignoram os sentimentos e desejos dos outros e esperam ser tratados como superiores, independentemente do seu status ou conquistas reais.[6][9] Além disso, as pessoas com TPN podem exibir egos frágeis, uma incapacidade de tolerar a crítica e uma tendência a desprezar outros na tentativa de validar sua própria superioridade.[9]

De acordo com o DSM-5, indivíduos com TPN apresentam a maioria ou todos os seguintes sintomas, normalmente sem qualidades nem realizações compatíveis:[6][9][10]

  1. Grandiosidade com expectativas de tratamento superior aos outros
  2. Fixação por fantasias de poder, sucesso, inteligência, atratividade etc.
  3. Auto-percepção de ser único, superior e associado a pessoas e instituições de alto status
  4. Necessidade constante de admiração pelos outros
  5. Senso de direito a tratamento especial e à obediência de outros
  6. Exploração de outros para obter ganho pessoal
  7. Falta de interesse em simpatizar com os sentimentos, desejos ou necessidades dos outros
  8. Intensamente invejoso dos outros e a crença de que outros também têm inveja deles
  9. Atitude pomposa e arrogante

Um fator importante que colabora para a dificuldade dos diagnósticos é que a patologia frequentemente acontece de forma concomitante com outros transtornos de personalidade do tipo dramático (Grupo B). [11]

TPN geralmente se desenvolve na adolescência ou início da idade adulta.[6] Não é incomum que crianças e adolescentes exibam "alguns" traços semelhantes ao TPN, mas estes são tipicamente transitórios sem atender aos critérios completos para o diagnóstico.[9][12] Os verdadeiros sintomas de TPM são penetrantes, aparentes em várias situações e rígidos, permanecendo consistente ao longo do tempo. Os sintomas devem ser suficientemente severos para prejudicar significativamente a capacidade do indivíduo de desenvolver relacionamentos significativos com os outros. Os sintomas também geralmente prejudicam a capacidade de um indivíduo operar no trabalho, na escola ou em outras configurações importantes. De acordo com o DSM-5, esses traços devem diferir substancialmente das normas culturais para se qualificarem como sintomas de TPN.[6]

O transtorno é marcado por um comportamento dramático e emotivo, bem como um comportamento extremamente egocêntrico, o que o coloca na mesma categoria dos transtornos borderline e antissocial.[13]

Além desses sintomas, quem sofre do transtorno pode ter atitudes arrogantes e buscar poder de várias formas (reputação, status, prestígio, etc.). [14] Os sintomas do transtorno de personalidade narcisista não raro são similares aos traços de personalidade de pessoas com boa auto-estima e confiança; a diferença ocorre quando as estruturas psicológicas subjacentes a esses traços são consideradas patológicas.[15] Os narcisistas se dão um elevado valor e comumente se enxergam como essencialmente melhores do que os outros, quando na realidade têm uma auto-estima frágil, lidam mal com críticas. Frequentemente, eles tentam compensar essa fragilidade interior por meio de ataques aos outros que funcionam como elogios a si mesmos: maledicência com o objetivo de se promover. [16]

Outro sintoma é a falta de empatia, e o narcisista não consegue compreender o sentimento alheio. Em vez de se comportar de um modo que demonstra como eles se sentem, eles se comportam como acham que deveriam ou, pior, de modo a conseguir atenção. [17]

Uma pesquisa americana encontrou co-ocorrência entre transtorno de personalidade narcisista e outros problemas, especialmente no caso de homens: abuso de substâncias como álcool e drogas, distúrbios emocionais, ansiedade crônicas, transtorno bipolar, transtorno de estresse pós-traumático, transtorno esquizoide e limítrofe, dentre outros. [18]

Características associadas[editar | editar código-fonte]

As pessoas com TPN tendem a exagerar suas habilidades e realizações, bem como seu nível de intimidade com as pessoas que consideram ser de alto status. O seu senso de superioridade pode levá-los a monopolizar conversas[9] e tornar-se impaciente ou desdenhoso quando os outros falam sobre si mesmos.[6] No decorrer de uma conversa, eles podem propositadamente ou inconscientemente depreciar ou desvalorizar a outra pessoa ao super-enfatizar seu próprio sucesso. Quando eles estão conscientes de que suas declarações prejudicaram alguém, eles tendem a reagir com desprezo e a vê-lo como um sinal de fraqueza.[6] Quando seu próprio ego é ferido por uma crítica real ou percebida, sua raiva pode ser desproporcional à situação,[9] mas, tipicamente, suas ações e respostas são deliberadas e calculadas.[6] Dapesar das ocasionais crises de insegurança, sua auto-imagem é essencialmente estável (ou seja, super-inflada).[6]

Na medida em que as pessoas são patologicamente narcisistas, elas podem ser controladoras, ênfase em culpar aos outros, auto-absorvidas, intolerantes às opiniões dos outros, desconhecem as necessidades dos outros, os efeitos de seu comportamento sobre os outros e insistem em que outros os vejam como desejam ser vistos.[6] Os indivíduos narcisistas usam várias estratégias para proteger o eu à custa dos outros. Eles tendem a desvalorizar, derrogar, insultar, culpar os outros e muitas vezes respondem a comentários ameaçadores com raiva e hostilidade.[19] Uma vez que o ego frágil dos indivíduos com TPN é hipersensível à crítica ou à derrota percebida, eles são propensos a sentimentos de vergonha, humilhação e inutilidade em incidentes menores ou mesmo imaginados.[9] Eles geralmente mascaram esses sentimentos de outros com humildade fingida, isolando socialmente ou podem reagir com explosões de raiva, para desafiar outros ou por vingança.[6][7] A fusão do "autoconceito inflado" e do "eu real" é visto na grandiosidade inerente do transtorno de personalidade narcisista. Também inerentes a este processo estão os mecanismos de defesa de negação, idealização e desvalorização.[20]

De acordo com o DSM-5, "Muitos indivíduos altamente bem sucedidos apresentam traços de personalidade que podem ser considerados narcisistas. Somente quando esses traços são inflexíveis, mal-adaptados, persistentes e causam comprometimento funcional significativo ou distúrbio subjetivo é que então constituem transtorno de personalidade narcisista".[6] Embora o excesso de confiança tende a tornar os indivíduos com TPN ambiciosos, isso por si só não os conduzem necessariamente ao sucesso e à alta realização profissionalmente. Esses indivíduos talvez não estejam dispostos a competir ou podem se recusar a assumir quaisquer riscos para evitar aparecer como uma falha.[6][7] Além disso, sua incapacidade de tolerar contratempos, desentendimentos ou críticas, além de falta de empatia, torna difícil para esses indivíduos trabalharem em cooperação com outros ou manter relacionamentos profissionais de longo prazo com superiores e colegas.[21]


Causas e mecanismos[editar | editar código-fonte]

A causa desse distúrbio é desconhecida.[9][22] Os especialistas tendem a aplicar um modelo biopsicossocial de causalidade,[23] o que significa que uma combinação de fatores ambientais, sociais, genéticos e neurobiológicos provavelmente podem desempenhar um papel.[22][23]

Genética[editar | editar código-fonte]

Há evidências de que o transtorno de personalidade narcisista é hereditário e os indivíduos são muito mais propensos a desenvolver o TPN se tiverem um histórico familiar do transtorno.[23][24] Estudos sobre a ocorrência de transtornos de personalidade em gêmeos determinaram que há uma herdabilidade moderada a alta para o transtorno.[24][25]

Ambiente[editar | editar código-fonte]

Considera-se que fatores ambientais e sociais têm uma influência significativa no início do TPN.[23] Em algumas pessoas, o narcisismo patológico pode se desenvolver a partir de um apego deficiente para com seus cuidadores primários, geralmente seus pais.[26] Isso pode resultar na percepção da criança de si mesmo como sem importância e sem conexão com os outros. A criança geralmente acredita que eles têm algum defeito de personalidade que o torna desvalorizado e indesejado.[27] São considerados fatores contribuintes os pais excessivamente indulgentes, permissivos, bem como os insensíveis e excessivamente controladores.[9][22]

De acordo com Groopman e Cooper (2006), vários fatores possíveis foram identificados por vários pesquisadores como sendo promotores do desenvolvimento de TPN:[28]

  • Um temperamento (traços de personalidade) supersensível desde o nascimento.
  • Admiração excessiva que nunca é equilibrada com uma reação realista.
  • Elogios excessivos por bons comportamentos ou críticas excessivas por maus comportamentos na infância.
  • Super indulgência e sobreavaliação por pais, outros membros da família ou colegas.
  • Ser elogiado por aparências ou habilidades excepcionais percebidas por adultos.
  • Abuso emocional grave na infância.
  • Cuidados imprevisíveis ou pouco confiáveis dos pais.
  • Aprendizado de comportamentos manipuladores de pais ou colegas.
  • Estimado pelos pais como um meio de regular sua própria auto-estima.

Acredita-se que os elementos culturais influenciam a prevalência de TPN, já que seus traços foram mais comuns nas sociedades modernas do que nas tradicionais.[23]

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

DSM-5[editar | editar código-fonte]

A formulação do Transtorno de personalidade narcisista no Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, (DSM-IV-TR) da na Associação Americana de Psiquiatria foi criticado por não ter descrito o alcance e a complexidade do transtorno. Os críticos disseram que se concentra excessivamente em "padrões interpessoais externos, sintomáticos ou sociais do indivíduo narcisista", à custa de... complexidade interna e sofrimento individual ", o que fez argumentaram ter reduzido a utilidade clínica da formulação.[29]

O Personality and Personality Disorders Work Group propôs originalmente a eliminação do TPN como uma desordem distinta noem DSM-5 como parte de uma grande reforma dos critérios diagnósticos para transtornos de personalidade,[30][31] substituindo uma abordagem categórica por uma abordagem dimensional baseada na gravidade dos domínios de traços de personalidade disfuncionais. Alguns clínicos se opuseram a isso, caracterizando o novo sistema de diagnóstico como um "conglomerado pesado de modelos diferentes que não podem coexistir felizmente" e podendo ter uma utilidade limitada na prática clínica.[32]

ICD-10[editar | editar código-fonte]

O International Statistical Classification of Diseases and Related Health Problems da Organização Mundial da Saúde (OMS), lista o Transtorno da personalidade narcisista sob "Outros distúrbios específicos da personalidade".[33] É um requisito do ICD-10 que o diagnóstico de qualquer transtorno de personalidade específico também satisfaça um conjunto de critérios gerais de transtorno de personalidade.

Subtipos[editar | editar código-fonte]

Embora o DSM-5 considere o Transtorno da personalidade narcisista como uma síndrome homogênea, há evidências de variações em sua expressão.[2] Em um artigo de 2015, são sugeridas duas principais apresentações de narcisismo, um subtipo "aberto" ou "grandioso", caracterizado por grandiosidade, arrogância e audácia, e um subtipo "secreto" ou "vulnerável" caracterizado pela defensividade e hipersensibilidade.[2] Aqueles com "grandiosidade narcisista" expressam comportamento "através de atos de exploração interpessoal, falta de empatia, inveja intensa, agressão e exibicionismo".[34]

O psiquiatra Glen Gabbard descreveu o subtipo, que ele mencionou como o subtipo "inconsciente" como grandioso, arrogante e "casca grossa". O subtipo de "vulnerabilidade narcisista" implica (em um nível consciente) "desamparo, vazio, baixa auto-estima e vergonha, que pode ser expressado no comportamento como sendo socialmente evasivo em situações em que sua auto-apresentação não é possível então eles se afastam, ou a aprovação que eles precisam/esperam não está sendo atendida".[34] Gabbard descreveu este subtipo, o qual ele se referiu como o subtipo "hipervigilante" como sendo facilmente magoado, hipersensível e envergonhado. Além disso, uma apresentação "de alto funcionamento", onde há menos comprometimento nas áreas de vida, é sugerido que aqueles com uma expressão mais severa da desordem tipicamente têm dificuldades.[2]

Herbert Alexander Rosenfeld (1987) diferenciou pacientes narcisistas "de pele fina" e "de pele grossa", os últimos são caracterizados por auto-confiança marcante, grandiosidade e insensibilidade apesar de comportamento superficialmente cativante, os "de pele fina" no entanto, apresentam extrema sensibilidade a qualquer tipo de crítica ou ameaça à sua auto-estima; este agrupamento foi confirmando por outros profissionais e por pesquisas empíricas.[35]

Russ e colaboradores (2008) descreveram três tipos: grandioso-maligno, frágil e o de alto funcionamento/exibicionista.[35]

Theodore Millon sugeriu cinco subtipos de narcisismo.[36][37] No entanto, existem poucas variantes puras de qualquer subtipo, [37] e os subtipos não são reconhecidos no DSM ou ICD.

Subtipo Descrição Traços de personalidade
Narcisista sem princípios Inclui características antissociais. Consciência deficiente; sem escrúpulos, amoral, desleal, fraudulento, enganoso, arrogante, explorador; vigarista e charlatão; dominador, desdenhoso, vingativo.
Narcisista amoroso Inclui características histriônicas . Sexualmente sedutor, tentador; astuto e inteligente; não tem real interesse em contato íntimo; se entrega aos desejos hedonistas; enganador; mentiroso patológico e escravagista. Tende a ter muitos assuntos, muitas vezes com parceiros exóticos.
Narcisista compensatório Inclui características negativísticas e evitantes Procura contrariar ou cancelar profundos sentimentos de inferioridade e falta de auto-estima; Reduz os déficits criando ilusões de ser superior, excepcional, admirável, digno de nota; Resultados de autoavaliação de auto-aprimoramento.
Narcisista elitista Variante de padrão puro Sente-se privilegiado e capacitado em virtude do status especial na infância e pseudo-realizações; a fachada tem pouca relação com a realidade; procura vida favorecida e boa; cultiva status especial e vantagens por associação.
Narcisista normal Ausência dos traços dos outros quatro Menos grave e mais interpessoal e empático, ainda alto senso de importância e deficiente em reciprocidade; audacioso nos ambientes, autoconfiante, competitivo, busca metas altas, se sente único; talento em posições de liderança; espera reconhecimento dos outros.

Possíveis categorias adicionais não citadas pela atual teoria de Millon podem incluir:

Subtipo Descrição Traços de personalidade
Narcisista fanático Inclui características paranoicas delírios de grandeza são irracionais e frágeis; pretensioso, desprezo e arrogância para com outros; o orgulho perdido é reestabelecido com reivindicações e fantasias extravagantes.
Narcisista hedonístico Mistura dos quatro subtipos iniciais de Millon Hedonista e auto-enganoso, se esquiva da responsabilidade e culpa que é transferida aos outros; Idiossincrático, muitas vezes autobiográfico, orgulhoso de pequenas peculiaridades e conquistas, aversão ao conflito e sensível à rejeição; Procrastinativo, auto-destrutivo, avolitivo, ruminantemente introspectivo; o mais propenso a criar fantásticos mundos internos que substituem a vida social
Narcisista maligno Inclui características antissociais, sádicas e paranoicas. Destemido, sem culpa, sem remorsos, calculista, cruel, desumano, brutal, rancoroso, agressivo, impiedoso, vingativo; odioso e ciumento; Antecipa a traição e busca a punição; deseja vingança; foi isolado e é potencialmente suicida ou homicida.


Comorbididade[editar | editar código-fonte]

TPN tem uma alta taxa de comorbidade com outros transtornos mentais.[23] Os indivíduos com TPN são propensos a episódios de depressão, muitas vezes cumprindo critérios para transtornos co-ocorrentes.[22] Além disso, o TPN está associado a distúrbios bipolares, anorexia e distúrbios por uso de substâncias, [7] especialmente cocaína.[6] No que diz respeito a outros distúrbios de personalidade, TPN pode estar associado a transtornos histriônico, borderline, antisocial e paranoicos.[6]

Prognóstico[editar | editar código-fonte]

A eficácia das intervenções psicoterapêuticas e farmacológicas no tratamento do TPN ainda não foram investigadas de forma sistemática e empiricamente. As diretrizes da prática clínica para o transtorno ainda não foram criadas e as recomendações atuais sobre o tratamento baseiam-se em modelos teóricos psicodinâmicos do TPN e as experiências de clínicos com indivíduos afligidos em contextos clínicos.[2]

A presença de TPN em pacientes submetidos a psicoterapia para o tratamento de outros distúrbios mentais está associada a um menor progresso do tratamento e taxas de abandono mais elevadas.[2]

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

A prevalência ao longo da vida de TPN é estimada em 1% na população geral e 2% a 16% em populações clínicas.[38][28] Uma revisão sistemática de 2010 encontrou que a prevalência de TPN está entre 0% a 6% em amostras comunitárias.[39] Há uma pequena diferença de gênero, o TPN tem incidência ligeiramente maior entre homens do que em mulheres.[40]

De acordo com uma meta-análise de 2015 que analisou as diferenças de gênero no TPN, recentemente houve um debate sobre um aumento percebido na prevalência do TPN entre as gerações mais jovens e entre as mulheres. No entanto, os autores descobriram que isso não se refletiu nos dados e que a prevalência permaneceu relativamente estável para ambos os sexos nos últimos 30 anos (quando os dados sobre o transtorno foram coletados pela primeira vez).[40]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

O transtorno de personalidade narcisista raramente é o principal motivo para as pessoas que procuram tratamento de saúde mental. Quando as pessoas com TPN entram no tratamento, isso é tipicamente provocado por dificuldades de vida ou para buscar alívio para outra desordem, como transtorno depressivo maior, distúrbio por uso de substâncias, transtorno bipolar ou distúrbios alimentares.[7] Isto é em parte porque os indivíduos com TPN geralmente têm um mau insight e falham em reconhecer que sua percepção e comportamento são inadequados e problemáticos devido à sua auto-imagem muito positiva.[2]

Referências

  1. Narcissistic personality disorder - Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders Fourth edition Text Revision (DSM-IV-TR) American Psychiatric Association (2000)
  2. a b c d e f g h i j Caligor, E; Levy, KN; Yeomans, FE (2015). «Narcissistic personality disorder: diagnostic and clinical challenges.». The American Journal of Psychiatry. 172 (5): 415–22. PMID 25930131. doi:10.1176/appi.ajp.2014.14060723 
  3. a b c d Diagnostic and statistical manual of mental disorders : DSM-5 5th ed. Washington [etc.]: American Psychiatric Publishing. 2013. pp. 645, 669–72. ISBN 9780890425558 
  4. a b Sederer, Lloyd I. (2009). Blueprints psychiatry 5th ed. Philadelphia: Wolters Kluwer/Lippincott Williams & Wilkins. p. 29. ISBN 9780781782531 
  5. O'Donohue, William (2007). Personality disorders : toward the DSM-V. Los Angeles: SAGE Publications. p. 235. ISBN 9781412904223. Consultado em 17 de julho de 2016 
  6. a b c d e f g h i j k l m n o American Psychiatric Association (2013), Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (5th ed.), ISBN 0890425558, Arlington: American Psychiatric Publishing, pp. 669–672 
  7. a b c d e Ronningstam, Elsa (2016), «New Insights Into Narcissistic Personality Disorder», Psychiatric Times, 33 (2): 11 
  8. Ronningstam E (2011). «Narcissistic personality disorder: a clinical perspective». J Psychiatr Pract. 17 (2): 89–99. PMID 21430487. doi:10.1097/01.pra.0000396060.67150.40 
  9. a b c d e f g h i Mayo Clinic Staff (18 de novembro de 2014), «Narcissistic personality disorder: Symptoms», Mayo Foundation for Medical Education and Research, Mayo Clinic, consultado em 29 de abril de 2016 
  10. Donald W. Black; Jon E. Grant (1/1/2015). Guia para o DSM-5: Complemento essencial para o Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Artmed Editora. p. 400. ISBN 978-85-8271-188-0.
  11. [1] - Comorbidity of DSM-IV Personality Disorders in unipolar and bipolar affective disorders: a comparative study - 2004.
  12. Alfredo Cataldo Neto (2003). Psiquiatria para estudantes de medicina. EDIPUCRS. p. 609. ISBN 978-85-7430-370-3.
  13. [2] - Narcissistic personality disorder: Symptoms – MayoClinic.com." Mayo Clinic. N.p., n.d. Web. 2 Dec. 2011.
  14. [3]-Ronnigstam E. (2011). "Narcissistic personality disorder: A clinical perspective". Journal of Psychiatric Practice 17 (2): 89–99. Ronningstam, E. (2011). "Narcissistic Personality Disorder". Journal of Psychiatric Practice 17 (2): 89–99.
  15. [4]-Narcissistic personality disorder: Symptoms – MayoClinic.com." Mayo Clinic. N.p., n.d. Web. 2 Dec. 2011.
  16. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21430487
  17. Freeman, Arthur; Angela Breitmeyer, Melissa Flint (N/A). "The Challenges in Diagnosing Narcissistic Personality Disorder: Difficult to Define, but "We Know It When We See It"". Clinical Forum N/A.
  18. Stinson FS, Dawson DA, Goldstein RB, Chou SP, Huang B, Smith SM, Ruan WJ, Pulay AJ, Saha TD, Pickering RP, Grant BF. (julho de 2008). «Prevalence, correlates, disability, and comorbidity of DSM-IV narcissistic personality disorder: results from the wave 2 national epidemiologic survey on alcohol and related conditions». J Clin Psychiatry. 69 (7): 1033–45. PMC 2669224Acessível livremente. PMID 18557663. doi:10.4088/JCP.v69n0701 
  19. Ronningstam, Elsa F, Identifying and understanding the narcissistic personality, Oxford University Press Inc  (em inglês)
  20. Siegel JP (2006). «Dyadic splitting in partner relational disorders». J Fam Psychol. 20 (3): 418–22. PMID 16937998. doi:10.1037/0893-3200.20.3.418  (em inglês)
  21. Golomb, Elan (1992), Trapped in the Mirror, New York: Morrow, p. 22  (em inglês)
  22. a b c d Berger, FK (31 de outubro de 2014), «Medical Encyclopedia: Narcissistic personality disorder», U.S. National Library of Medicine, MedlinePlus 
  23. a b c d e f Paris, Joel (2014), «Modernity and narcissistic personality disorder», Personality Disorders: Theory, Research, and Treatment, 5 (2): 220, doi:10.1037/a0028580  (em inglês)
  24. a b Torgersen, S; Lygren, S; Oien, PA; Skre, I; Onstad, S; Edvardsen, J; Tambs, K; Kringlen, E (dezembro de 2000). «A twin study of personality disorders.». Comprehensive psychiatry. 41 (6): 416–25. PMID 11086146. doi:10.1053/comp.2000.16560  (em inglês)
  25. Reichborn-Kjennerud, Ted (1 de março de 2010). «The genetic epidemiology of personality disorders». Dialogues in Clinical Neuroscience. 12 (1): 103–114. ISSN 1294-8322. PMC 3181941Acessível livremente. PMID 20373672  (em inglês)
  26. Ken Magid (1987). High risk children without a conscience. [S.l.]: Bantam. p. 67. ISBN 0-553-05290-X. Consultado em 17 de novembro de 2012  (em inglês)
  27. Stephen M. Johnson (1 de maio de 1987). Humanizing the narcissistic style. [S.l.]: W.W. Norton. p. 39. ISBN 978-0-393-70037-4. Consultado em 20 de julho de 2017  (em inglês)
  28. a b Groopman, Leonard C. M.D.; Cooper, Arnold M. M.D. (2006). «Narcissistic Personality Disorder». Personality Disorders – Narcissistic Personality Disorder. Armenian Medical Network. Consultado em 14 de fevereiro de 2007  (em inglês)
  29. Ronningstam E (2010). «Narcissistic personality disorder: a current review». Curr Psychiatry Rep. 12 (1): 68–75. PMID 20425313. doi:10.1007/s11920-009-0084-z 
  30. «DSM-5: Proposed Revisions: Personality and Personality Disorders». American Psychiatric Association. 13 de fevereiro de 2010 
  31. Holden C (2010). «Psychiatry. APA seeks to overhaul personality disorder diagnoses». Science. 327 (5971). 1314 páginas. PMID 20223959. doi:10.1126/science.327.5971.1314 
  32. Shedler J, Beck A, Fonagy P, Gabbard GO, Gunderson J, Kernberg O, Michels R, Westen D; Beck; Fonagy; Gabbard; Gunderson; Kernberg; Michels; Westen (setembro de 2010). «Personality Disorders in DSM-5». American Journal of Psychiatry. 167 (9): 1026–1028. PMID 20826853. doi:10.1176/appi.ajp.2010.10050746. Consultado em 30 de novembro de 2010 
  33. Narcissistic personality disorder – International Statistical Classification of Diseases and Related Health Problems 10th Revision (ICD-10)
  34. a b Pincus AL, Ansell EB, Pimentel CA, Cain NM, Wright AG, Levy KN; Ansell; Pimentel; Cain; Wright; Levy (2009). «Initial construction and validation of the Pathological Narcissism Inventory». Psychol Assess. 21 (3): 365–79. PMID 19719348. doi:10.1037/a0016530 
  35. a b John F. Clarkin; Peter Fonagy; Glen O. Gabbard (1/9/2013). Psicoterapia Psicodinâmica para Transtornos da Personalidade: Um Manual Clínico. Artmed Editora. p. 297. ISBN 978-85-65852-43-2.
  36. Millon, Theodore (1996). Disorders of Personality: DSM-IV-TM and Beyond. New York: John Wiley and Sons. p. 393. ISBN 0-471-01186-X 
  37. a b «Millon, Theodore, Personality Subtypes». Millon.net. Consultado em 10 de dezembro de 2013 
  38. «Megalomaniacs abound in politics/medicine/finance». Business Day Live. 1 de julho de 2011. Consultado em 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  39. Dhawan N, Kunik ME, Oldham J, Coverdale J (2010), «Prevalence and Treatment of Narcissistic Personality Disorder in the Community: A Systematic Review», Comprehensive Psychiatry, 51 (4): 333–339, PMID 20579503, doi:10.1016/j.comppsych.2009.09.003 
  40. a b Grijalva E, Newman DA, Tay L (2015), «Gender differences in narcissism: A meta-analytic review», Psychological Bulletin, 141 (2): 261, PMID 25546498, doi:10.1037/a0038231 

Links externos[editar | editar código-fonte]