Usina Hidrelétrica de Retiro Baixo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Usina Hidrelétrica de Retiro Baixo
Localização
Localização Pompéu e Felixlândia / Minas Gerais
Rio Rio Paraopeba
Coordenadas 18°52'33"S, 44°46'54"W, 18°56'2"S, 44°46'30"W
Dados gerais
Proprietário Furnas
Período de construção 2007-2010
Data de inauguração 3 de março de 2010[1]
Características
Tipo barragem
Altura 42[2] m
Reservatório
Área alagada 22,58[2] km²
Capacidade de geração 82[2] MW

A Usina Hidrelétrica de Retiro Baixo é um empreendimento brasileiro para geração de eletricidade, construído no baixo curso do rio Paraopeba, entre municípios mineiros de Curvelo e Pompéu.[1] A área inundada pelo reservatório é de 22,58 km², para uma potência instalada de 82 MW, em duas unidades Kaplan de eixo vertical, com potência unitária de 41 MW. O mesmo rio Paraopeba, alguns quilômetros a jusante da UHE Retiro Baixo, deságua no lago da Usina Hidrelétrica de Três Marias.[2]

Construção[editar | editar código-fonte]

O empreendimento foi construído pela empresa Retiro Baixo Energética S/A (RBE), formada por Furnas(49%), Orteng Equipamentos e Sistemas(25,5%), Logos Engenharia S/A (15,5%) e Arcadis Logos Energia S/A (10%).[2]

O projeto básico do empreendimento sofreu, desde sua concepção, uma mudança que prevê a aproximação do vertedouro das estruturas do circuito hidráulico de geração e do leito do Rio Paraopeba. O motivo do rearranjo foi diminuir a possibilidade de criação de um grande bolsão de água parada entre os dois pontos da hidrelétrica. Essa configuração causaria a mortandade de peixes, além de favorecer o aparecimento de vetores transmissores de doenças.

Meio Ambiente[editar | editar código-fonte]

Também a implantação de uma escada de peixes, que inclui um elevador para retirada dos animais que se aglomeram próximos à casa de força durante o período de manutenção (parada das máquinas) é uma inovação do projeto de Retiro Baixo na área de meio ambiente. Para chegar a esse modelo de resgate da ictiofauna, o consórcio firmou convênio com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que montou um modelo reduzido da usina, simulou a velocidade da água e levou peixes da região da barragem para testes. Os resultados indicaram a necessidade de uma grade à jusante das comportas dos tubo de sucção para evitar a entrada de peixes nas máquinas. Esse dispositivo será programado para entrar em operação em até seis minutos após a parada da unidade.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Banco de Informações de Geração - Energia Assegurada». Agência Nacional de Energia Elétrica. Consultado em 12 de maio de 2017 
  2. a b c d e «UHE Retiro Baixo - Informações Gerais do Empreendimento» (PDF). Agência Nacional de Energia Elétrica. 13 de outubro de 2005. Consultado em 1 de julho de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]