Usuário:Contoaberto/Determinismo tecnológico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Determinismo tecnológico é uma teoria reducionista que presume que a tecnologia de uma sociedade conduz o desenvolvimento de sua estrutura social e valores culturais. Acredita-se que o termo foi inventado por Thorstein Veblen (1857-1929), sociólogo americano. O mais radical determinista tecnológico dos EUA no século XX era provavelmente Clarence Ayres, seguidor de Thorstein Veblen e John Dewey. William Ogburn era também conhecido pelo seu determinismo tecnológico radical.

Os deterministas tecnológicos mais eminentes, são Marshall McLuhan, Harold Innis, Neil Postman e Jacques Ellul, e é interessante analisar seus pontos de vista e sua visão geral de que as tecnologias são a causa principal das mudanças na sociedade, e vistas como a condição indispensável de sustentação do padrão da organização social.

Origem[editar | editar código-fonte]

Acredita-se que o termo foi inventado por Thorstein Veblen (1857-1929), um americano  e cultivado e aprimorado por Robert Ezra Park, da Universidade de Chicago. Robert declarou que os dispositivos tecnológicos estavam modificando as funções e a estrutura da sociedade, noção que serviu para dar inicio a uma corrente teórica em todos os aspectos, inovadora.

Contemporâneo de Veblen, o popular historiador Charles Beard, prevendo essa imagem determinista adequadamente, declarou que a "tecnologia marcha numa bota de sete léguas (rapidamente) de uma cruel, conquista revolucionária para outro, derrubando fábricas e indústrias antigas, lançando-se novos processos com rapidez assustadora."[1]

Explicação[editar | editar código-fonte]

Desde a Segunda Guerra Mundial, os cientistas têm considerado a tecnologia como um dilema moral e que seu uso pode causar profundas conseqüências na humanidade e no planeta. Os sociólogos vêem o problema através do aumento da complexidade e da velocidade das mudanças que a tecnologia está abarcando a sociedade. Para eles, as mudanças tecnológicas são maiores e mais rápidas que a capacidade das pessoas e das diversas sociedades de adaptar-se a elas. Há quem diga também que a tecnologia é uma força dominante na sociedade, que coloca obstáculos para a liberdade humana. Alguns estudiosos também argumentam que, a dominação realmente existe no controle humano da tecnologia, embora ela deva ser mais social que tecnológica, e as conseqüências do uso da tecnologia não são sempre intencionais, mas que o homem ainda deve ter considerável liberdade de escolha no controle e uso da tecnologia.

O Determinismo é atualmente a teoria mais popular sobre a relação entre tecnologia e sociedade. Ela tenta explicar fenômenos sociais e históricos de acordo com um fator principal, que no caso é a tecnologia. Os dispositivos tecnológicos estavam modificando a estrutura e as funções da sociedade. No determinismo já apresentado, as tecnologias são apresentadas como autônomas, como algo fora da sociedade. As tecnologias são consideradas forças independentes, auto-controláveis, auto-determináveis e auto-expandíveis, elas são vistas como algo fora do controle humano, mudando de acordo com seu próprio momento e moldando inconscientemente a sociedade.

Ao entender a tecnologia, não como dependente da ciência representada com um conjunto de artefatos, mas como produto de uma unidade complexa, em que participam os materiais, os artefatos e a energia, assim como os agentes que a transformam, para este enfoque o fator fundamental do desenvolvimento tecnológico seria a inovação social e cultural, a qual envolve não somente as usuais referências ao mercado, como os aspectos organizativos, os valores e a cultura.

De acordo com alguns deterministas tecnológicos, as tecnologias (particularmente as da comunicação ou mídias) são consideradas como a causa principal das mudanças na sociedade, “e são vistas como a condição fundamental de sustentação do padrão da organização social. Os deterministas tecnológicos interpretam a tecnologia como a base da sociedade no passado, presente e até mesmo no futuro. Novas tecnologias transformam a sociedade em todos os níveis, inclusive institucional, social e individualmente. Os fatores humanos e sociais são vistos como secundários” (Chandler, Daniel, 2000).

David Dickson ressalta a ideia de linearidade, de evolução social e de Determinismo Tecnológico, que coloca a mudança social como determinada pela mudança técnica, mostrando como ela se relaciona a uma equivocada assimilação entre a “história da civilização” e a “história da tecnologia”. A impossibilidade de quantificar, numerar, classificar ou até mesmo conhecer profundamente as conseqüências ou influências da inserção das tecnologias contemporâneas na sociedade torna-se um dilema na medida em que, não se pode prever o rumo que tomará a humanidade num futuro muito próximo.

McLuhan discorda com o comentário de alguns estudiosos que dizem que tecnologias são por si próprias neutras e que o uso que se faz delas é que é o ponto importante para discussão. Ele sustenta que as máquinas alteram fundamentalmente as relações pessoais e interpessoais, não importando o uso que se faz delas. McLuhan chama de “sonâmbulos” os que dizem que é o uso que se faz das tecnologias que determina o seu valor. Para ele, o poder transformador da mídia é a própria mídia. Já Raymond Williams argumenta que o determinismo é um processo social real, mas nunca um controle supremo, uma previsão total de causas. Ao contrário, a realidade do Determinismo é o estabelecimento de limites e de exposição de forças pelas quais as práticas sociais são profundamente afetadas, mas não necessariamente controladas. [2]

O determinismo tecnológico procura mostrar a evolução técnica, mídia ou tecnológica como um todo, como o motor fundamental na história e mudança social.[3]

A maioria das interpretações de determinismo tecnológico geraram duas ideias gerais:

  • que o desenvolvimento da tecnologia em si segue um caminho previsível, rastreável em grande parte, além da influência cultural ou política, e
  • que a tecnologia, por sua vez tem "efeitos" sobre as sociedades.

Adeptos rigorosos do determinismo tecnológico não acreditam que a influência da tecnologia difere com base em quanto a tecnologia é ou pode ser usada. Em vez de considerar a tecnologia como parte de um espectro maior da atividade humana, o determinismo tecnológico vê a tecnologia como base para toda essa atividade.

O determinismo tecnológico foi resumida como "A crença na tecnologia como uma força de governo fundamental na sociedade ..." (Merritt Roe Smith). "A ideia de que o desenvolvimento tecnológico determina a mudança social ..." (Bruce Bimber). Isso muda a forma como as pessoas pensam e como eles interagem uns com os outros e pode ser descrito como "... uma proposição lógica de três palavras:" A tecnologia determina história '"(Rosalind Williams). Trata-se, "... a crença de que o progresso social é impulsionado pela inovação tecnológica, que por sua vez segue um curso de "inevitável". (Michael L. Smith). Esta "ideia de progresso" ou "doutrina do progresso 'é centralizado em torno da ideia de que os problemas sociais podem ser resolvidos por avanço tecnológico, e esta é a maneira que a sociedade avança. Os deterministas tecnológicos acreditam que "'Você não pode parar o progresso", o que implica que não somos capazes de controlar a tecnologia "[4]. Isso sugere que estamos um pouco impotentes e a sociedade permite que a tecnologia impulsione mudanças sociais, porque "as sociedades deixam de estar ciente das alternativas para os valores embutidos nela [tecnologia]" (Merritt Roe Smith).

Determinismo tecnológico tem sido definida como uma abordagem que identifica a tecnologia, ou os avanços tecnológicos, como o elemento causal central em processos de mudança social.[5] Como a tecnologia está estabilizado, o seu design tende a ditar comportamentos dos usuários, consequentemente, diminuindo a ação humana. Esta postura porém ignora as circunstâncias sociais e culturais em que a tecnologia foi desenvolvida. O sociólogo Claude Fischer (1992) caracteriza as formas mais proeminentes de determinismo tecnológico como abordagens "bola de bilhar", em que a tecnologia é vista como uma força externa introduzida em uma situação social, produzindo uma série de efeitos de ricochete. [4] Num forte contraste com o Determinismo de Marshall McLuhan, que afirma que “o meio molda e controla o grau e forma das ações e associações humanas”, o sociólogo Stuart Hall afirma que “os meios reproduzem a estrutura de dominação e subordinação que caracteriza o sistema social como um todo (Hall, Stuart, in Finnegan, 1975).

Em vez de reconhecer que uma sociedade ou cultura interage com e até mesmo molda as tecnologias que são utilizadas, uma visão determinista tecnológico sustenta que "as utilizações feitas de tecnologia são em grande parte determinadas pela estrutura da própria tecnologia, isto é, que as suas funções de acompanham sua forma "(Neil Postman). No entanto, isso não deve ser confundido com a tese de inevitabilidade (Daniel Chandler), que afirma que uma vez que uma tecnologia é introduzida a uma cultura ocorre o desenvolvimento desta.

Por exemplo, poderíamos examinar os romances clássicos. Tornaram-se tão dominante em nossa sociedade em relação a outras formas de romances, como o detetive ou romance ocidental. Podemos dizer que foi por causa da invenção do sistema de ligação perfeita desenvolvido pelos editores. Este era o lugar onde foi usado cola em vez do processo demorado e muito caro de livros por ligação de costura em assinaturas separadas. Isso significa que esses livros podem ser produzidos em massa para o público em geral. Nós não seríamos capazes de ter massa literária sem produção em massa. Este exemplo está intimamente relacionado com a crença de Marshall McLuhan de que a impressão ajudou a produzir o Estado-nação. Isso mudou na sociedade a partir de uma cultura oral para uma cultura letrada, mas também introduziu uma sociedade capitalista onde não havia distinção de classe clara e individualismo. Como Postman mantém:

"A imprensa, o computador e a televisão não são, portanto, simplesmente máquinas que transmitem informações. Eles são metáforas por meio das quais conceituam a realidade de uma forma ou de outra. Eles vão classificar o mundo para nós, a sequência dele, moldá-la, ampliá-la, reduzi-lo, discutir um caso para o que é. Através destas metáforas de mídia, nós não vemos o mundo como ele é. Nós o vemos como nossos sistemas de codificação são. Tal é o poder da forma de informação." [6]

As tecnologias são apresentadas como forças independentes no determinismo tecnológico, auto-controláveis. São autônomas, algo fora da sociedade. Ela está fora do controle humano, muda de acordo com seu próprio momento e molda inconscientemente a sociedade.

Determinismo rígido e flexível[editar | editar código-fonte]

Ao examinar o determinismo, o tipo rígido pode ser contrastado com o flexível. O compatibilismo diz que é possível para o livre arbítrio e o determinismo conviverem num mesmo mundo enquanto no incompatibilismo teria de ser um ou outro. Quem apoia o determinismo pode ficar dividido.

Deterministas rígidos veem a tecnologia como um desenvolvimento independente de causas sociais. Diz que a tecnologia cria um conjunto de poderosas forças que atuam para regular nossa atividade social e seu significado. De acordo com este ponto de vista do determinismo nos organizamos para atender às necessidades da tecnologia e do resultado desta organização está além do nosso controle ou não temos a liberdade de fazer uma escolha sobre o resultado (Tecnologia Autônoma). Jacques Ellul, filósofo francês do século 20 e teórico social, poderia ser reconhecido como um determinista rígido e defensor da técnica autônoma (tecnologia). Em seu trabalho A Sociedade Tecnológica, de 1954, Ellul essencialmente pressupõe que a tecnologia, em virtude de seu poder através da eficiência, determina que os aspectos sociais são mais adequados para o seu próprio desenvolvimento através de um processo de seleção natural. Valores de um sistema social, como costumes, filosofia, que são mais propícios ao avanço da tecnologia, permitem ao sistema social à aumentar o poder e se espalhar ao custo dessas características dos sistemas sociais que menos impulsionam a tecnologia.

Deterministas flexíveis, como o nome sugere, é uma visão mais passiva da forma como a tecnologia interage com situações sócio-políticas. Deterministas flexíveis ainda concordam no fato de que a tecnologia é a força condutora na nossa evolução, mas manteria que temos a chance de tomar decisões sobre os resultados de uma situação. Isso não quer dizer que o livre arbítrio existe, mas é a possibilidade de nós nos arriscarmos e ver qual o resultado. Uma variante ligeiramente diferente do determinismo flexível é o 1922 - teoria orientada para a tecnologia de mudança social - proposto por William Fielding Ogburn , em que a sociedade deve adaptar-se às consequências de grandes invenções, mas muitas vezes o faz somente depois de um período de defasagem cultural.

Tecnologia imparcial[editar | editar código-fonte]

Os indivíduos que consideram a tecnologia como neutra a veem nem como boa ou má e o que importa são as formas em que usamos a tecnologia. Um exemplo de um ponto de vista neutro é: "Armas são neutras e cabe a nós usá-los como se fosse 'bom ou ruim'."[4] Mackenzie e Wajcman (1997) acreditam que a tecnologia é neutra somente se ela nunca foi usada antes, ou se ninguém sabe para que será usada. Na realidade, as armas seriam classificadas como neutras, se e somente se a sociedade fosse de modo mais sensato de sua existência e funcionalidade. Obviamente, tal sociedade não existe e uma vez tornando-se bem informados sobre tecnologia, a sociedade é arrastada para uma progressão social onde nada é "neutro sobre a sociedade"[4]. De acordo com Lelia Green, se acredita que a tecnologia é neutra , seria desconsiderar as condições culturais e sociais que a tecnologia tem produzido. Este ponto de vista também é referido como o instrumentalismo tecnológico.

Em que é muitas vezes considerado uma reflexão definitiva sobre o tema, o historiador Melvin Kranzberg escreveu a famosa primeira lei de suas seis leis da tecnologia: "A tecnologia não é boa nem ruim, nem é neutra.”

Crítica[editar | editar código-fonte]

O ceticismo sobre determinismo tecnológico surgiu ao lado do aumento do pessimismo sobre a tecnociência em meados do século 20, particularmente em torno do uso de energia nuclear na produção de armas nucleares, em experimentos humanos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial, e os problemas de desenvolvimento econômico no Terceiro Mundo. Como uma consequência direta, o desejo de maior controle do processo de desenvolvimento da tecnologia deu origem ao desencanto com o modelo do determinismo tecnológico na academia.

Os teóricos modernos da tenologia e da sociedade não mais consideram o determinismo tecnológico como uma visão muito precisa da forma como nos relacionamos com a tecnologia, mesmo que as suposições deterministas e a linguagem razoavelmente encham os textos de muitos entusiastas da tecnologia, as páginas de negócios de muitas revistas populares, e muito mais reportagens sobre tecnologia. Em vez disso, as pesquisas em estudos de ciência e tecnologia, em construção social da tecnologia e em campos relacionados têm enfatizado visões mais sutis que resistem à fáceis formulações causais. Eles enfatizam que "O relacionamento entre tecnologia e sociedade não pode ser reduzido a uma simples fórmula de causa e efeito. Trata-se de, preferencialmente, um 'entrelaçamento'", em que a tecnologia não determina, mas "...opera, e é operada num campo social complexo" (Murphie e Potts).

Duas das contribuições identificadas com a Escola de Frankfurt - a formulação de Heidegger sobre a “questão da tecnologia” e a teoria de Ellul sobre o “fenômeno técnico” - sugerem que os homens se encontram convertidos em pouco mais que objetos da técnica, incorporados dentro do mecanismo que criaram e a ele submetidos. Essa crítica da tecnologia implica que o mundo moderno teria uma conotação inerentemente tecnológica, da mesma forma que, por exemplo, o mundo medieval teve uma forma religiosa. E isso não apenas em termos de postura frente à sociedade, mas em termos materiais: as usinas nucleares seriam as catedrais góticas de nossa época.

Andrew Feenberg argumenta em seu artigo, "Racionalização Subversiva: Tecnologia, Poder e Democracia com Tecnologia", que o determinismo tecnológico não é um conceito muito bem fundamentado, ilustrando que duas das teses fundadoras desse determinismo são facilmente questionáveis e em fazendo o que ele chama de racionalização democrática (Feenberg 210-212).

Proeminentes da oposição ao pensamento tecnologicamente determinista surgiram no âmbito do trabalho sobre a construção social da tecnologia (conhecida, também, pela sigla em inglês SCOT). As pesquisas na SCOT argumentam que o caminho da inovação e suas consequências sociais são fortemente, se não inteiramente, moldadas pela própria sociedade através da influência da cultura, da política, de arranjos econômicos, mecanismos regulatórios e afins. Em sua forma mais forte, beirando o determinismo social, "O que importa não é a tecnologia em si, mas o sistema social ou econômico em que ela é incorporada" (Langdon Winner).

Embora o modelo determinista de tecnologia seja amplamente propagado na sociedade, ele também é amplamente questionado por estudiosos. Lelia Green explica que "Quando a tecnologia foi percebida como estando fora da sociedade, fez sentindo falar da tecnologia como neutra". No entanto, essa ideia não leva em conta que a cultura não é fixa e a sociedade é dinâmica. Quando "A tecnologia é implicada em processos sociais, não há nada neutro sobre a sociedade" [4]. Isso confirma um dos maiores problemas com "o determinismo tecnológico e a negação que resulta da responsabilidade humana por mudança. Há uma perda de envolvimento humano que molda a tecnologia e a sociedade" (Sarah Miller).

Quando se aponta os meios técnicos atuais como uma ameaça a determinadas formas de organização social ou ao meio ambiente, é na verdade uma hegemonia particular, que traz incorporada essa tecnologia, que deve ser questionada na luta pela reforma tecnológica.

Outra ideia conflitante é o sonambulismo tecnológico, um termo cunhado por Winner em sua dissertação "A Tecnologia como Formas de Vida". Winner questiona se estamos ou não simplesmente sonambulando pela nossa existência com pouca preocupação ou conhecimento de como nós realmente interagimos com a tecnologia. Nesse ponto de vista, ainda é possível para nós acordar e, mais uma vez, assumir o controle da direção em que estamos indo (Winner, 104). No entanto, exige a sociedade a adotar a afirmação de Ralph Schroeder que "os usuários não apenas consomem a tecnologia passivamente, mas ativamente a transformam."

Aqueles em oposição ao determinismo tecnológico são os que aderem a crença do determinismo social e pós-modernismo. Deterministas sociais acreditam que as circunstâncias sociais sozinhas selecionam quais tecnologias serão adotadas, resultando num pensamento em que nenhuma tecnologia pode ser considerada "inevitável" apenas em seus próprios méritos. Tecnologia e cultura não são neutras, e quando o conhecimento entra na equação, a tecnologia se torna parte dos processos sociais. O conhecimento de como criar, melhorar e usar a tecnologia é socialmente obrigatório. Pós-modernistas tomam um outro ponto de vista, sugerindo que o que é certo ou errado depende da circunstância. Eles acreditam que mudanças tecnológicas podem ter implicações sobre o passado, presente e futuro.[4] Enquanto eles acreditam que a mudança tecnológica é influenciada por mudanças na política do governo, na sociedade e na cultura, eles consideram a noção de mudança como sendo um paradoxo, uma vez que a mudança é constante.

Não se têm em conta ou não se os “atores” têm propósitos e inclusivamente alteram o rumo do desenvolvimento tecnológico, podendo usar ou não de modos diferentes as tecnologias, de acordo com esses propósitos e o poder diferencial que detêm. O desenvolvimento tecnológico só é viável com o envolvimento reflexivo dos agentes humanos. Qualquer que seja o padrão de mudança que eventualmente ocorra, o potencial tecnológico não é o único fator a ter em conta, a escolha social, é também crucial. As tecnologias têm origens sociais e a sua criação e moldagem são conseguidas através da intervenção de forças poderosas, como o caso das económicas, políticas e militares e mesmo que estes fatos não sejam evidentes exercem uma influência decisiva no seu desenvolvimento. As consequências sociais das tecnologias serão muito mal compreendidas se não se tiverem em conta os interesses que estão na origem dos desenvolvimentos tecnológicos como, também, se forem postas de lado as tendências das sociedades capitalistas industriais (como é o caso da tese da “sociedade da informação”) que se mantêm e pode vir a ser ampliada pelas tecnologias emergentes.

O teórico de mídia e estudos culturais Brian Winston, em resposta ao determinismo tecnológico, desenvolveu uma modelo para o surgimento de novas tecnologias que estão centradas na lei de supressão do potencial radical. Em dois dos seus livros - Tecnologias de Ver: Fotografia, Cinematografia e Televisão (1997) e Tecnologia de Mídia e Sociedade (1998) - Winston aplicou esse modelo para mostrar como as tecnologias evoluem ao longo doo tempo, e como suas "invenções" são mediadas e controladas pela sociedade e por fatos sociais que suprimem o potencial radical de uma determinada tecnologia.

Deterministas notáveis[editar | editar código-fonte]

Thomas L. Friedman, jornalista Americano, colunista e autor, admite ser um determinista tecnológico em seu livro O Mundo é Plano.

As teorias do futurista Raymond Kurzweil sobre singularidade tecnológica seguem uma visão tecnologicamente determinista da história.

Alguns interpretam Karl Marx como defensor do determinismo tecnológico, com tais declarações como “O moinho a braço vos dará a sociedade com o suserano; o moinho a vapor, a sociedade com o capitalismo industrial.” [7] Mas outros argumentam que Marx não foi determinista.

Walter Ong, determinista tecnológico, revisa a transição da sociedade de uma cultura oral para a escrita em sua obra “Oralidade e Cultura Escrita”. Ele afirma que este desenvolvimento em particular é atribuído ao uso de novas tecnologias de alfabetização (principalmente a impressão e a escrita) para comunicar pensamentos que anteriormente só poderiam ser verbalizados. Ele reforça este argumento, alegando que a escrita é puramente dependente do contexto, uma vez que é um "sistema de modelagem secundário". [8] Confiante sobre o sistema primário antes da linguagem falada, a escrita manipula o potencial da linguagem quanto depende exclusivamente sobre o sentido visual para comunicar a informação pretendida. Além disso, a tecnologia relativamente inerte de alfabetização limita claramente o uso e a influência do conhecimento, sem dúvida afeta a evolução da sociedade. Na verdade, Ong afirma que "mais do que qualquer outra única invenção, a escrita transformou a consciência humana".[8]

Como já foi dito no item "Explicação", as tecnologias são apresentadas como forças independentes no determinismo tecnológico, auto-controláveis. São autônomas, algo fora da sociedade. Ela está fora do controle humano, muda de acordo com seu próprio momento e molda inconscientemente a sociedade.

Jacques Ellul sugeriu que “não pode haver autonomia humana em face da autonomia tecnológica” (Ellul, Jacques, 1964). Ele defendia que a tecnológica “uma lesma dentro de uma fenda”,  reduz a existência humana. Para Isaac Asimov  “toda tendência da tecnologia tem sido inventar máquinas que estão cada vez menos sob controle direto e cada vez mais parecem ter  vontade própria. É clara a progressão do controle direto e imediato pelos meios  humanos, até mesmo em tempos primitivos, para o ‘escorregão’ à frente até extrapolar e criar invenções ainda menos controláveis, até mais independentes que qualquer coisa de que eles tinham experimentado diretamente” (Asimov, Isaac, 1981).

Para Neil Postman a tecnologia se associa a noção de autonomia tecnológica com algo próximo à “um método para fazer alguma coisa passa a ser a razão para fazer algo”.[6]

Subdivisão[editar | editar código-fonte]

Determinismo de mídia, um subconjunto do determinismo tecnológico, é uma posição filosófica e sociológica que postula o poder da mídia para impactar a sociedade. Como uma teoria da mudança, ele é visto como uma relação de causa e efeito. As novas tecnologias de mídia provocam mudanças na sociedade. Muito parecido com a teoria de comunicação de massa da "bala mágica", o determinismo de mídia fornece uma explicação um tanto simplista para cenários muito complicados. Teorias tecno-centristas fazem tudo ser explicável a partir da relação entre os meios de comunicação e o desenvolvimento tecnológico. Dois importantíssimos deterministas de mídia são os estudiosos canadenses Harold Innis e Marshall McLuhan. Por outro lado, o estudioso Raymond Williams critica o determinismo de mídia e acredita que os movimentos sociais definem os processos tecnológicos e midiáticos.[2]

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Beard, Charles A (1927). Time, Technology, and the Creative Spirit in Political Science (em inglês). [S.l.: s.n.] 
  2. a b Williams, Raymond (1974). Television. Technology and Cultural Form (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 133. ISBN 0-415-31456-9. Consultado em 28 de maio de 2013 
  3. Kunz, Wiliam M. Culture Conglomerates. Consolidation in the Motion Picture and Television Industries (em inglês). [S.l.]: Rowman & Littlefield Publishers. ISBN 0742540669 
  4. a b c d e f Green, Lelia (2001). Technoculture (em inglês). [S.l.]: Allen & Unwin, Crows Nest. p. 15 
  5. Croteau, David R.; Hoynes, William D (2003). Media Society. Industries, Images and Audiences (em inglês) 3 ed. [S.l.]: Pine Forge Press 
  6. a b Postman, Neil (1979). Teaching as a Conserving Activity (em inglês). [S.l.]: Delacorte Pr. p. 39 
  7. Marx, Karl (1847). Miséria da Filosofia. Paris e Bruxelas: [s.n.] 
  8. a b Ong, Walter (1998). Oralidade e Cultura Escrita. A tecnologização da palavra. [S.l.]: Papirus Editora. 223 páginas. ISBN 8530805194 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Chandler, Daniel (1995). Technological or Media Determinism. 18 September 1995. <http://www.aber.ac.uk/media/Documents/tecdet/tecdet.html>
  • Cohen, Gerald Allan (1978). Karl Marx's Theory of History: A Defence, Oxford and Princeton.
  • Cowan, Ruth Schwarz (1983). More Work for Mother: The Ironies of Household Technology from the Open Hearth to the Microwave. New York: Basic Books.
  • Croteau, David; Hoynes, William (2003). Media Society: Industries, Images and Audiences ((third edition) ed.). Thousand Oaks: Pine Forge Press. pp. 305–307.
  • Ellul, Jacques (1964). The Technological Society. New York: Alfred A. Knopf.
  • Feenberg, Andrew (2004). "Democratic Rationalization". Readings in the Philosophy of Technology. Oxford: Rowman & Littlefield. pp. 209–225.
  • Furbank, P.N. (2007) “The Myth of Determinism.” Raritan. [City] Fall 2006: 79–87. EBSCOhost. Monroe Community College Library, Rochester, NY. 2 April 2007.
  • Green, Lelia (2002). "Technoculture". Crows Nest: Allen & Unwin. pp. 1–20.
  • Huesemann, Michael H., and Joyce A. Huesemann (2011). Technofix: Why Technology Won’t Save Us or the Environment, New Society Publishers, Gabriola Island, British Columbia, Canada, ISBN 0865717044, 464 pp.
  • Murphie, Andrew; e Potts, John (2003). "Culture and Technology". Capítulo 1. Londres: Palgrave. p. 21.
  • Miller, Sarah (January 1997). "Futures Work – Recognising the Social Determinants of Change". Social Alternatives (vol.1, No.1 ed.). pp. 57–58.
  • Postman, Neil (1992). Technopoly: the Surrender of Culture to Technology. Vintage: New York. pp. 3–20.
  • Smith, Merritt Roe; and Leo Marx, eds. (1994). Does Technology Drive History? The Dilemma of Technological Determinism. Cambridge: MIT Press.
  • Staudenmaier, S.J., John M. (1985). "The Debate over Technological Determinism". Technology's Storytellers: Reweaving the Human Fabric. Cambridge: The Society for the History of Technology and the MIT Press. pp. 134–148.
  • Winner, Langdon (1977). "Autonomous Technology: Technics-Out-of-Control as a Theme in Political Thought". Cambridge: MIT Press.
  • Winner, Langdon (1986). "Do Artefacts Have Politics?". The Whale and the Reactor. Chicago: University of Chicago Press. p. 26.
  • Winner, Langdon (2004). "Technology as Forms of Life". Readings in the Philosophy of Technology. David M. Kaplan. Oxford: Rowman & Littlefield. 103–113
  • Woolgar, Steve; e Cooper, Geoff (1999). "Do artefacts have ambivalence? Moses: bridges, Winner's bridges and other urban legends in S&TS". Social Studies of Science 29, Capítulo 3. pp. 433–449.