Vala (Carolíngio)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Vala
Nascimento 772
Desconhecido
Morte 31 de agosto de 836 (63–64 anos)
Bobbio
Cidadania França
Progenitores
Filho(s) Bertrudis
Irmão(s) Adelardo de Corbie, Bernard, Gundrada, Theodrada
Ocupação aristocrata
Título conde palatino
Religião cristianismo ortodoxo

Vala ou Valacão (em latim: Valacho[1]), nascido cerca de 772 e morto na abadia de Bobbio a 31 de agosto de 836, foi um clérigo, membro da família dos Carolíngios, primo de carlos magno. Era filho do conde Bernardo (filho de Carlos Martel), e de sua segunda esposa, uma Saxã, cuja história não reteve o nome (pode ser Gundelindis de Autun)[2]; é meio-irmão de Adelardo de Corbie.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ele parece ter feito parte da revolta de Pepino, o Corcunda em 791, é exilado, mas voltou em graça logo após. O seu papel torna-se significativo após a coroação imperial (800): como general, ele derrotou várias vezes os Saxões, e derrotou uma frota muçulmana em 812; como administrador, ele é nomeado conde palatino da Saxónia, de seguida, na Itália em 812, com seu meio-irmão Adelardo de Corbie, regente do reino em nome de Pepino da Itália[3].

Por volta de 814/815, após a morte de Carlos Magno, fez-se monge, a menos que não tenha sido forçado. O novo imperador Luís, o Piedoso, o exila com o seu irmão Adalardo no mosteiro fundado por São Filiberto em Noirmoutier. De volta em graça para com o imperador em 821, ele torna-se conselheiro do coimperador Lotário, e posiciona-se como líder da oposição[3] · [4]. Em 822, com seu irmão Adalardo, ele fundou o mosteiro de Corvey[5] · [6] (Corbeia nova: nova Corbie) não muito longe de Höxter no Weser.

Em maio ou junho de 824, esteve em Roma onde ajudou o Papa Eugênio II a ser eleito. No início do ano de 826, aos 61 anos, com a morte de seu irmão, ele substituiu-o como abade de Corbie. Líder da oposição ao imperador Louis, ele participa nas lutas políticas que levam à deposição do imperador (830). Ele é rapidamente restabelecido e Vala deve novamente exilar-se. Em 836, ele seguiu Lotário para a Itália e ele vê-se confinado ao mosteiro de Bobbio, onde morreu pouco depois de sua chegada, no dia 31 de agosto,[3] · [7]. Paschase Radbert escreveu com simpatia a vida de Vala, no seu Epitaphium Arsenii, curioso escrito relativo ao tempo de elogio, biografia, hagiografia, e o panfleto (contra Judite e Bernardo de Septimânia)[8].

Casamento e filhos[editar | editar código-fonte]

Ele se casou com sua prima Crotelinda (Rodelinda, Rolanda), filha de Guilherme I de Tolosa e neta por sua mãe de Carlos Martel. Este não é claramente indicado por fontes contemporâneas, mas Pascásio Radberto, o biógrafo e confidente de Vala, afirma que « Vala desposa a irmã de um tirano em função em Espanha, filha de duque da mais alta nobreza, mais jovem uma geração e com um irmão cego. Os historiadores concordam em ver neste tirano o duque Bernardo de Septimânia, irmão de Hériberto (cegos em 834) e filho de Guiherme de Gellone. Este Bernardo tinha três irmãs conhecidas: Helmburgis, que morreu jovem, antes de 804; Gerberga, executado em Chalon em 834; e Crotelinda[9] · [10].

Deste casamento terá provavelmente nascido Bertruda, relatada (« Bertrut, filha de conde Vala) na necrologia de Saint-Germain-des-Prés, para os lados de Crotelinda[11].

Referências

  1. «Título ainda não informado (favor adicionar)» .
  2. Settipani 1993, p. 355, note 1120.
  3. a b c Settipani 1993, p. 356.
  4. Riché 1983, p. 150.
  5. Pygmalion, ed. (1989). Charlemagne, empereur et roi. [S.l.: s.n.] 
  6. Charles George Herbermann, A enciclopédia Católica: um trabalho internacional de referência na constituição, a doutrina, a disciplina e a história da igreja Católica, A Enciclopédia Católica Inc., 1913, volume 1, p. 126
  7. Riché 1983, p. 155 et 276.
  8. Edição : PL 120, col. 1559-1650, ou melhor Ernst Dümmler, " Radbert do Epitaphium Arsenii ", em Preussische Akademie der Wissenschaften, em Berlim.
  9. Riché 1983, p. 143.
  10. Settipani 1993, p. 357.
  11. Settipani 1993, p. 358.