Venâncio Henriques de Resende

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Venâncio Henriques de Rezende (Sirinhaém, Pernambuco, 1781Recife, 9 de fevereiro de 1866[1]) foi presbítero da Igreja Católica e político brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Padre, filho de José Henriques de Rezende e Maria de Nazareth da Graça. Natural de Sirinhaém, Pernambuco. Participou da Revolução de 1817, escapando da prisão, exilando-se na Inglaterra até 1821.

Foi Presbítero Secular, Cônego Honorário da Capella Imperial, Vigário da freguesia de Santo Antonio do Recife, condecorado com os seguintes títulos: Comendador da Ordem de Cristo e Oficial da Ordem do Cruzeiro.

Participou da Assembléia Geral, Constituinte e Legislativa do Império do Brasil, de 1823 (posse a 17 de maio de 1823). A câmara apuradora de votos de Olinda (PE), a pretexto de uma reclamação que no ato de verificação de votos lhe fizeram os "eleitores e homens bons" que se achavam presentes, não expediu o diploma do representante eleito Venâncio Henriques de Rezende - revolucionário de 1817 -, fundamentando-se no § 2º do Capítulo 4º das Instruções de 19 de junho de 1822, visto como constava por duas cartas assinadas pelo mesmo deputado eleito e impressa nos periódicos "Marimbondo" e "Gazeta Pernambucana" que "(...) ele não era afeto à causa do Brasil, promovendo o sistema republicano". Contra tal exclusão reclamou o referido deputado, e sendo sua petição enviada à Comissão de Poderes, esta, em luminoso parecer subscrito pelos deputados Estevão Ribeiro de Rezende (MG), Manoel Jacinto Nogueira da Gama (RJ), e Antônio Carlos Ribeiro de Andrada Machado e Silva (SP), opinou que se lhe desse assento na Assembléia Geral, Constituinte e Legislativa, como efetivamente se deu.

Foi Presidente da Câmara dos Deputados de 3 de junho a 2 de agosto de 1834. Na primeira quinzena de julho de 1834 apresentou requerimento pedindo demissão por falta de condições física e moral. Foi rejeitado (in: Anais, 1834, t. 2, p. 74, 2ª col., ed. 1879). Apesar de o requerimento ter sido rejeitado, não presidiu às sessões seguintes até a eleição da nova Mesa. O Sr. vice-presidente, Antônio Maria de Moura, Bispo Eleito, presidiu os trabalhos de 14 de julho a 2 de agosto de 1834, quando se processou nova eleição.

Foi eleito, novamente, presidente da Câmara dos Deputados para o período de 3 de agosto de 1841 a 25 de abril de 1842. Foi, também, vice-presidente da Câmara dos Deputados nos períodos de 5 de maio a 3 de junho de 1834; de 4 de maio a 2 de junho de 1839; de 3 de julho de 1839 a 3 de agosto de 1841; de 2 janeiro de 1843 a 2 de janeiro de 1845; de 2 de janeiro a 5 de maio de 1851.[2]

Faleceu de bronquite aos 84 anos de idade, no Recife, Pernambuco, e seu corpo inumado no Cemitério de Santo Amaro.[1]

Referências

  1. a b «Paóquia Santíssimo Sacramento de Recife, Livro de Óbitos nº 8». FamilySearch.org. 1862-1866. Consultado em 14 de agosto de 2019 
  2. A História da Câmara dos Deputados: Venâncio Henriques de Rezende


Precedido por
Bento de Oliveira Braga
Presidente da Câmara dos Deputados do Brasil
1834
Sucedido por
Antônio Maria de Moura
Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.