Viaduto Professor Alberto Mesquita de Camargo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Viaduto Professor Alberto Mesquita de Camargo, conhecido popularmente como Viaduto da Rua da Mooca, é um viaduto localizado na zona leste de São Paulo. Ele liga dois trechos da Rua da Mooca sobre os trilhos da Linha 10 da CPTM.

Originalmente, essa ligação era feita por uma passagem de nível, "a porteira da Mooca", uma das principais ligações da zona leste com o centro antes da construção da Radial Leste.[1] Como no local costumava haver muitos acidentes, a passagem chegou a ser fechada em 1967.[2] Ela foi reaberta em 24 de abril, com festa patrocinada por uma fabricante de bebidas, empresa que, segundo o jornal O Estado de S. Paulo, seria "a maior interessada na reabertura das cancelas".[2] Essa ligação foi encerrada em 5 de junho de 1976, quando a RFFSA,[3] que então controlava a linha ferroviária, construiu um muro, fechando a passagem de nível.[1] O motivo alegado para o fechamento foi a construção do prédio do Controle de Tráfego Centralizado da RFFSA no local.[4] O trânsito foi, então, transferido para o Viaduto Alcântara Machado, na Radial Leste.[1]

As mudanças aumentaram os congestionamentos na região, o que levou o então prefeito, Olavo Setúbal, a solicitar estudos para a construção de um viaduto sobre a antiga cancela.[4] "A construção de uma obra viária no local é algo viável, embora dependa de aprofundamento dos estudos globais", explicou o prefeito.[4] Embora o DSV previsse que o novo viaduto ficaria pronto em dois anos,[5] ele levaria vinte anos para ser construído, tendo sua obra iniciado apenas em setembro de 1994,[6] após promessa do então prefeito recém-eleito Paulo Maluf,[7] no início de 1993.

Apesar de Maluf ter prometido a entrega para o fim do primeiro semestre de 1995,[8] o viaduto só seria inaugurado em 8 de fevereiro de 1996.[3] Ele recebeu o nome de Alberto Mesquita de Camargo, um dos fundadores da Universidade São Judas Tadeu, próxima dali. Ele morrera em fevereiro de 1995.[9] Segundo a Prefeitura, a obra de quase cinco milhões de reais deveria desafogar cerca de 15% do tráfego da Radial Leste.[10] Alvo de diversas reivindicações dos moradores e comerciantes da região, quando finalmente foi inaugurado acabou por receber críticas desse mesmo grupo, inclusive de pessoas que antes eram a favor de sua construção.[11]

Referências

  1. a b c Alceu Luís Castilho (2 de janeiro de 1997). «Clima inspirou a criação do nome do bairro». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (37 696): Z7. ISSN 1516-2931 
  2. a b «As porteiras são reabertas». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (28 228). 12 páginas. 25 de abril de 1967. ISSN 1516-2931 
  3. a b Flávio Mello (9 de fevereiro de 1996). «Viaduto é inaugurado na Mooca». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (37 368): C4. ISSN 1516-2931 
  4. a b c «Mooca terá trânsito alterado desde hoje». Folha de S. Paulo (17 255). São Paulo: Empresa Folha da Manhã. 5 de junho de 1976. 9 páginas. ISSN 1414-5723 
  5. «Viaduto substituirá porteira da Móoca (sic)». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (31 043). 13 páginas. 5 de junho de 1976. ISSN 1516-2931 
  6. Claudio Augusto (1 de setembro de 1994). «Obras do viaduto da Mooca vão começar». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (36 842): Z5. ISSN 1516-2931 
  7. «Maluf promete túnel à Mooca». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (36 303): Cidades, p. 3. 11 de março de 1993. ISSN 1516-2931 
  8. Claudio Augusto (29 de setembro de 1994). «Prefeito visita a Mooca e promete entregar 2 obras». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (36 870): Z4. ISSN 1516-2931 
  9. «Mortes». Folha de S. Paulo (24 060). São Paulo: Empresa Folha da Manhã. 16 de fevereiro de 1995. pp. 3–4. ISSN 1414-5723 
  10. «Inauguração». Folha de S. Paulo (24 417). São Paulo: Empresa Folha da Manhã. 8 de fevereiro de 1996. pp. 3–4. ISSN 1414-5723 
  11. Alceu Luís Castilho (2 de janeiro de 1997). «Obra viária altera ritmo do bairro e se torna assunto polêmico na comunidade». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (37 696): Z6-Z7. ISSN 1516-2931