Zabelê (ave)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a ave. Para o município, veja Zabelê (Paraíba).
Como ler uma caixa taxonómicaZabelê
Crypturellus noctivagus

Crypturellus noctivagus
Estado de conservação
Status iucn3.1 VU pt.svg
Vulnerável
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Tinamiformes
Família: Tinamidae
Género: Crypturellus
Espécie: C. noctivagus;
Subespécie: C. n. zabele
Nome trinomial
Crypturellus noctivagus zabele
Spix, 1825

O zabelê ou zebelê (Crypturellus noctivagus zabele) é uma ave brasileira da família dos tinamídeos, medindo entre 33 a 36 cm. É uma subespécie do jaó-do-litoral (Crypturellus noctivagus noctivagus) do litoral do sudeste e sul do Brasil, do qual difere principalmente pelo colorido mais pálido.[1] É ave cinegética. Segundo Bencke et al. (2003), a caça, assim como a destruição e a fragmentação do seu habitat, foram as principais causas do declínio da população de C. noctivagus no Rio Grande do Sul.[2] A espécie habita as matas de Minas Gerais e do Nordeste do Brasil, na caatinga, onde também é conhecida como zambelê.

Alimenta-se de sementes, bagas, pequenas frutas, insetos e outros artrópodes. Uma característica na reprodução dessa espécie é a da formação de haréns de fêmeas, no período de acasalamento, que são fecundadas por machos solitários, fator que contribui para os resultados escassos obtidos nas tentativas de sua reprodução em cativeiro. Seus ovos possuem coloração verde-água, e a postura de dois ou três deles. Seu canto consiste num forte piado de três ou quatro notas, sendo a primeira descendente, e as demais lineares. Segundo estudos em sonogramas, existem variações particulares entre as vocalizações de populações regionais dessas aves.

Referências

  1. Souza, Julio Seabra Inglez; Peixoto, Aristeu Mendes; Toledo, Francisco Ferraz de; Enciclopédia agrícola brasileira: I-M. EdUSP: 1995, p. 152
  2. Aves, Tinamidae, Crypturellus noctivagus noctivagus (Wied, 1820): Southward range extension and rediscovery in Rio Grande do Sul, Brazil. Por Luiz Liberato Costa Corrêa, Darliane Evangelho Silva e Lize Helena Cappellari. Check List, vol. 6 # 4, 2010, p. 585-586
  • Massarioli, Marcos. "Tinamiformes do Brasil". Uniabc-SP, 2003


Ícone de esboço Este artigo sobre Aves, integrado no Projeto Aves é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.