Ziadete Alá I

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Ziadete Alá I ibne Ibraim)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde outubro de 2013)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Ziadete Alá I
Emir aglábida de Ifríquia
Dirrã de prata datada do início do reinado de Ziadete Alá I (817)
Reinado 817-10 de junho de 838
Antecessor(a) Abdulá I
Sucessor(a) Abu Ical
Casa Aglábida
Nome completo
أبو محمد زيادة الله بن إبراهيم
Morte 10 de junho de 838
Pai Ibraim I Ibne Aglabe
Religião Islamismo

Abu Maomé Ziadete Alá I ibne Ibraim (em árabe: أبو محمد زيادة الله بن إبراهيم; transl.: Abū Muḥammad Ziyādat Allāh ibn Ibrāhīm; m. 10 de junho de 838), também conhecido apenas como Ziadata Alá I ou Ziadete Alá I (em árabe: زيادة الله الأول‎; transl.: Ziyadat Alá I ou Ziadet Allah I) foi o terceiro emir aglábida de Ifríquia (atual Tunísia e Argélia Oriental) de 817 até à sua morte.

Sucedeu ao seu irmão Abdulá I (r. 812–817). Durante o seu reinado as relações entre a dinastia reinante por um lado e os juristas e as tropas árabes por outro foram tensas. Quando Ziadete tentou desmantelar as unidades militares árabes em 824 isso provocou uma grande revolta em Tunes, a qual só foi terminada em 836 com a ajuda dos Berberes.

Ziadete tinha então já iniciado campanhas militares em Itália, numa tentativa de desviar as agitadas tropas árabes, e em 827 começou a conquista gradual da Sicília ao Império Bizantino, comandada pelo cádi Assade ibne al-Furat e a que chamou de modo pomposo jiade marítima. Apesar de inicialmente rechaçados pelos Bizantinos, os invasores conseguiram conquistar Palermo em 831. Lutas internas pelo poder no continente italiano propiciaram mais oportunidades de conquistas e pilhagens — um pedido de ajuda do duque de Nápoles permitiu-lhes estabelecerem uma base no sul de Itália e darem início a raides em larga escala contra os cristãos.

A prosperidade económica do emirado, apesar da agitação política, possibilitou um programa de construções apreciável, que inclui a renovação da Grande Mesquita de Uqba ibne Nafi em Cairuão e o reforço das defesas de cidades. Após a sua morte, Ziadete Alá foi sucedido pelo seu irmão Abu Ical, que reinou até 841.

Notas e bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Amari, Michele (1933-39), Storia dei Musulmani di Sicilia, edizione riveduta e corretta da C. A. Nallino (em italiano), Catânia: Romeo Prampolini  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  • Haarmann, Ulrich (1987), «Die Kirche in ihrer Geschichte 4, O, 1», Geschichte der Arabischen Welt, ISBN 9783406314889 (em alemão), Munique: C. H. Beck, p. 271-272 
  • Ronart, Stephan; Ronart, Nandy (1972), Lexikon der Arabischen Welt. Ein historisch-politisches Nachschlagewerk, ISBN 3-7608-0138-2 (em alemão), Zurique: Artemis Verlag