Ópera do Tejo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O palco da Ópera do Tejo no dia da sua inauguração, 31 de Março de 1755. A ópera em cena era Alessandro nell'Indie, de Perez.

A Ópera do Tejo ou Real Casa da Ópera era um faustoso teatro de corte, em Lisboa, Portugal. Foi inaugurado em 31 de Março de 1755 e destruído pelo grande terramoto de 1 de Novembro do mesmo ano. O teatro estava localizado no centro histórico de Lisboa, junto ao rio Tejo, na zona da Ribeira das Naus, anexo ao antigo Paço da Ribeira.

O projeto fora encomendado por D. José I ao arquitecto italiano Galli da Bibbiena.[1] A sala tinha capacidade para 600 pessoas, distribuídas entre a plateia e 38 camarotes,[2] possuindo ainda uma tribuna para a família real.[3] Segundo relatos, muitos espectadores distraíam-se da cena, porque o seu olhar se dislumbrava com "a riqueza da casa que era branca, e de muito ouro em ornatos".[4] Pensa-se que as obras não estivessem ainda totalmente concluídas quando o teatro ruiu em 1755: as obras de alvenaria teriam começado em Junho de 1752, estando ainda por dourar alguma talha aquando do terramoto.[5]

As ruinas da Ópera do Tejo após o Terramoto de 1755, por Jacques Philippe Le Bas (1757).

A inauguração ocorreu com a ópera Alessandro nell'Indie de David Perez, com libreto de Pietro Metastasio, tendo sido enquadrada nas celebrações do aniversário da rainha D. Mariana Vitória. A monumentalidade dos cenários foi complementada por ricos efeitos espectaculares, a cargo do maquinista Petronio Mazzoni. O elenco contou com duas das maiores estrelas internacionais da época, os castrati Anton Raaff, no papel principal, Alessandro, e Caffarelli no papel do antagonista, Poro.[5]

Foram ainda estreadas duas óperas de Antonio Mazzoni com libretos também de Pietro Metastasio: La clemenza di Tito (6 de Junho, por ocasião do aniversário do rei D. José I) e Antigono (16 de Outubro). A ópera Artaserse estaria planeada para o início de Novembro de 1755. Embora não se conheça um registo exaustivo de todas as récitas (nem todas são mencionadas na Gazeta de Lisboa, pelo que não se sabe ao certo quantas de cada ópera foram apresentadas), sabe-se que tinham lugar às Segundas e Quintas-feiras.[5]

Notas e referências

  1. L’Antigono torna a Lisbona AmadeusOnline. Visitado em 22 de janeiro de 2011.
  2. FERNANDES, Cristina. "A Ópera do Tejo e" Antigono "de Mazzoni: Memórias e sonoridades de um espaço mítico do espetáculo barroco" no programa das representações de Antigono no Centro Cultural de Belém em 21 e 22 de janeiro de 2011
  3. MASCARENHAS-MATEUS, João; Vargas, Carlos; et al.. São Carlos: um teatro de ópera para Lisboa: Património e arquitetura do Teatro Nacional de São Carlos. 1ª ed. Lisboa: Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 2014. Capítulo: "A inserção monumental neoclássica no programa da reconstrução pombalina". , p. 75. ISBN 978-972-27-2263-6
  4. Figueiredo, José. (1938). "Teatro Real da Ópera". Boletim da Academia Nacional de Belas Artes III.
  5. a b c FARIA, Miguel Figueira de; GALLASCH-HALL, Aline; et al.. Do Terreiro do Paço à Praça do Comércio - História de um Espaço Urbano. 1ª ed. Lisboa: Imprensa Nacional - Casa da Moeda & Universidade Autónoma de Lisboa, 2012. Capítulo: "A Ópera do Tejo e a sua ligação ao Paço Real: possíveis vestígios arquitectónicos". , p. 93-99. ISBN 9789722723022
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.