A Maçã no Escuro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A Maçã no Escuro
Autor (es) Clarice Lispector
Idioma Português
País Brasil
Género Romance
Editora Flag of Brazil.svg Rocco
Lançamento 1961
Páginas 336
Cronologia
Último
Último
Laços de Família
A Paixão segundo G.H.
Próximo
Próximo

A Maçã no Escuro é um romance de Clarice Lispector que narra a trajetória de um homem, Martim, fugitivo da cena de um crime. Durante a fuga ocorrem diversos pensamentos que remetem ao existencialismo e mesmo à filosofia hindu. O livro ganhou Prêmio Carmem Dolores Barbosa de melhor livro em 1961. Em “A maçã no escuro”, Clarice Lispector (Chechelnyk- Ucrânia, 10 de dezembro de 1920 – Rio de Janeiro, 9 de dezembro de 1977) conta a história de Martim, um homem que foge na noite, se refugia num hotel e depois numa fazenda, pois pensa que havia matado a esposa. Completamente corporal, sentimos toda a agonia física de Martim durante essa fuga. O corpo é o artificie da escritura de Clarice durante todo o romance. O ambiente é o das sensações, do pensamento, nós vamos construindo o nosso entendimento aos poucos. Um livro denso, como costuma ser Clarice com a sua literatura psicológica. Nota- se claramente que esse livro foi o precursor de “A paixão segundo G.H.” (1965), a protagonista (aquela que comeu uma barata) e a forma de narrar é muito parecida com “A maçã no escuro”, inclusive usando expressões iguais ou similares, como as “coisas sem nome”, coisas que os narradores de ambos livros não conseguem nomear, sensações que parecem não ter nome. Martim está no coração do Brasil e foge na escuridão, anda de olhos fechados há duas semanas, desde que sua casa foi incendiada. Clarice escreveu esse livro quando morava no exterior entre Torquay (Inglaterra) e Washington (EUA), e foi escrito com trilha sonora: ela ouviu até a exaustão a Quarta Sinfonia de Brahms.

Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.