Acmeísmo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Acmeísmo se refere a um movimento literário modernista russo que tem origem na palavra grega akme ("cume", "ápice", "fastígio"). Trazia um certo espiritinovismo à poesia, em contrapartida a algumas tendências vanguardistas demolidoras, em prol da linguagem simples, clara e usual. Dois membros importantes deste movimento foram Anna Akhmatova e Osip Mandelstam.

O acmeísmo foi anunciado por Mikhail Kuzmin no seu ensaio Sobre a formosa claridade (1910). Os acmeístas defendiam a claridade apolínea através da sua revista Apollo em contraposição com o delírio dionisíaco propagado pelos poetas simbolistas russos como Andrei Beli ou Viatcheslav Ivanov. Por outras palavras, preferiam "a expressão direta através das imagens" à "intimação através dos símbolos"[1] .

No seu manifesto, A manhã do acmeísmo (1913), Osip Mandelstam definiu o movimento como "um anseio de cultura mundial", como "uma forma neo-clássica de modernismo com uma "continuidade cultural e do oficio poético"[2] , o que permitia situar entre os seus referentes poéticos Alexander Pope, Théophile Gautier, Rudyard Kipling, Innokenti Annenski e os poetas parnasianos.

Entre os poetas mais importantes do acmeísmo estão Nikolai Gumiliov, Osip Mandelstam, Mikhail Kuzmin, Anna Akhmatova e Georgi Ivanov.

Referências

  1. (inglês) Mark Willhardt, Alan Michael Parker. Who's Who in 20th Century World Poetry. Routledge, 2001. ISBN 0-415-16355-2. Page 8.
  2. (inglês) Michael Wachtel. The Cambridge Introduction to Russian Poetry. Cambridge University Press, 2004. ISBN 0-521-00493-4. Page 8.
Ícone de esboço Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.