Actinia equina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde março de 2014)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde março de 2014).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Como ler uma caixa taxonómicaAnémona (Morango-do-Mar)
Actinia equina (Boulogne-sur-Mer).jpg

Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Cnidaria
Classe: Anthozoa
Subclasse: Hexacorallia
Ordem: Actiniaria
Família: Actiniidae
Género: Actinia
Espécie: Actinia equina

Actinia equina é um cnidário da família das Actiniidae, conhecido como morango-do-mar. Seu tamanho vai até 8 cm de altura e 6 cm de diâmetro. O corpo é cilíndrico com disco adesivo tipo ventosa e tem cerca de duzentos tentáculos dispostos em seis círculos à volta da boca, completamente retrácteis. A cor pode variar do vermelho-escuro ao castanho e ao verde, podendo apresentar pintas.

Habita no eulitoral. Alimenta-se de zooplâncton e partículas orgânicas.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Actinia equina é um membro da ordem Actina, que tem um total de 13 espécies conhecidas. Actinia equina por vezes dividida em subespécies, com base na sua morfologia. Estudos genéticos recentes sugerem que as diferentes colorações de A. equina podem realmente ser espécies distintas. (Corrimão e Campbell, 1985; Waller, et al., 1996). Esta anémona possui uma ampla base (até 5 cm de diâmetro), que é moderadamente ou firmemente adesiva, com uma coluna Lisa. Possui até 192 tentáculos dispostos em 6 círculos, que tem a capacidade de se retrair quando o animal é perturbado. Esta anémona apresenta uma coloração uniforme, com nenhum padrão no disco e pode ser de cor vermelha, castanha, verde ou laranja.

A Actinia equina varia em tamanho de corpo, de 0,01 a 0,84 gramas de peso seco, mas a média da sua massa é de 0,42 gramas. No entanto, quando as anémonas estão na água a massa do seu corpo é principalmente composta pela quantidade de água absorvida no tecido e na cavidade gastrovascular. A sua anatomia é dividida em três partes: os tentáculos, a coluna de corpo (que abriga a cavidade gastrovascular, a faringe, as gônadas e os músculos do retrator) e pela base (que inclui o pé de base que se liga a uma superfície sólida). Uma característica clássica da Actinia equina e de todas as outras anémonas são os seus belos tentáculos com os quais ela captura e ingere as suas presas. Incorporado no final da coluna do corpo e nos tentáculos localizam-se os cnidoblastos, células de armazenamento que abrigam os nematocistos (células urticantes). (Ager, 2001; Corrimão e Campbell, 1985; Shick, 1991; Stachowitsch, 1992).

Pontos azuis brilhantes como manchas, chamados acrorhagi, são frequentemente encontradas dentro da margem superior da coluna. A. equina apresenta comportamento agressivo para com os organismos vizinhos devido á sua competição pelo espaço no intertidal. Este tipo de comportamento é estimulado quando os tentáculos das anémonas entram em contato. Utilizam tentáculos especializados, acrorhagi, utilizados exclusivamente para dissuadir outras colônias que invadem o seu espaço. Quando um pólipo faz contato físico com um membro de outra espécie, A. equina estende o acrorhagi para atacar a concorrente anémona com células urticantes, chamadas nematocistos.

Identificação[editar | editar código-fonte]

Ampla base até 5 cm de diâmetro, geralmente mais larga que alta. Coluna Lisa. Até 192 tentáculos retráteis, organizados em 6 círculos. Vermelho, verde, castanho ou laranja na cor. Apresentam muitas vezes pontos azuis brilhantes como manchas.

Habitat[editar | editar código-fonte]

Actinia equina também é encontrada em regiões de salinidade variável como estuários. Está altamente adaptada para as condições da zona do intertidal devido a sua tolerância a altas temperaturas e grandes períodos de dessecação É uma anémona intertidal consideravelmente versátil. Fixa-se a rochas, pedras ou outros substratos duros, é geralmente encontrada perto de costa mas pode viver em áreas intertidal até 20 m. A Actinia equina pode sobreviver completamente submersa em água ou completamente fora da água, alta nas margens. Às vezes sobrevive coberta de areia, devido ao vento. No entanto, ela está sempre retraída quando está fora da água. Visto que é uma espécie intertidal, é exposta a uma ampla gama de temperaturas, mas a sua temperatura ótima de crescimento é de 18,7 a 19.9 graus Celsius. (Ager, 2001; Nichols e A. L. Cooke, 1971; Shick, 1991).

Distribuição geográfica[editar | editar código-fonte]

Esta espécie é encontrada principalmente no norte do Oceano Atlântico e no Mar Mediterrânico. Uma das concentrações mais abundante desta espécie pode ser encontrada ao redor das Ilhas Britânicas. Também existem populações ao longo da costa atlântica da África. (Kruger e Griffiths, 1996; Nichols e A. L. Cooke, 1971).

Reprodução[editar | editar código-fonte]

O esperma dos machos vai para a cavidade gastrovascular, onde o ovo é fecundado e depois se desenvolve. São a única espécie de anémona a criar ninho para os seus descendentes (reprodução vivíparos). Embora Actinia equina se possa reproduzir sexualmente, elas podem também reproduzir-se assexuadamente através de partenogênese de crescimento vegetativo (por exemplo, regeneração ou laceração basal). (Corrimão e Campbell, 1985; Rostron e Rostron, 1978; Shick, 1991).

A anémona começa como uma fase larval planctónica onde rasteja para fora do seu progenitor e é livre no oceano por um curto período de tempo. Depois disso, ele entra na cavidade de outra anémona do mar, masculina ou feminina e desenvolve-se ainda mais. Assim que a anémona juvenil esteja pronta para ser libertada, a anémona “mãe” liberta o novo indivíduo através da água onde posteriormente irá aterrar e protege-se num substrato sólido, solitário. (Corrimão e Campbell, 1985; Rostron e Rostron, 1978; Shick, 1991).

Comportamento[editar | editar código-fonte]

                Embora as maiores anémonas saiam vitoriosas na captura de comida e sobrevivência competitiva quando comparadas com pequenas anémonas, o comportamento agressivo dos tentáculos mostrou estar sob o controle de alguns dos mesmos componentes neurais existentes em formas de vida superiores (ou seja, a ter aferente e eferentes neurais e para elem disso usam a serotonina como um neurotransmissor). Outro aspeto do comportamento de Actinia equina é a sua contração. Estes cnidários antozoários passam muito tempo fora da água ou mesmo cobertos por areia, então contraem-se para conservar a água. Têm três principais tipos de comportamento defensivo, que incluem: inflação da coluna corpo para reduzir áreas danificadas, desprendimento do substrato para que possam escapar de predação, ou o lançamento de nematocistos que contém toxinas. (Corrimão e Campbell, 1985; Shick, 1991).

Comunicação[editar | editar código-fonte]

Em antozoários, os órgãos sensoriais especializados estão ausentes e os nervos são organizados em redes nervosas. A maioria das células nervosas permite que os impulsos viajem em qualquer direção. Projeções tipo filamentosas em células individuais são mecanorreceptores e quimiorreceptores possíveis. Alguns antozoários mostram uma sensibilidade à luz. (Brusca e Brusca, 2003).

Alimentação[editar | editar código-fonte]

É conhecida por comer quase qualquer coisa que ela possa pegar. A fonte de alimento, mais abundante para estas anémonas são: isópodes, insetos e moluscos bivalves. No entanto, organismos maiores como gastrópodes (caracóis e lesmas), briozoários e quítons são que fornecem o alimento maior massa. Quando a anémona "deteta a presença de presas em potencial", ataca o organismo usando seus nematocistos. As células urticantes são desenroladas e podem liberar toxinas na presa. Estas toxinas paralisam o organismo, inibindo a sua capacidade de escapar. Foi demonstrado que Actinia equina foi tem a taxa de digestão mais rápida de todas as espécies do género Actinia. (Kruger e Griffiths, 1996; Kruger e Griffiths, 1997).

Predação[editar | editar código-fonte]

Apesar das suas células urticantes, a lesma do mar cinzenta, Aeolidia papillosa ataca a. E.quina. A lesma do mar de alguma forma não digere as células urticantes mais tóxicas. (Corrimão e Campbell, 1985; Waller, et al., 1996).

Importância econômica[editar | editar código-fonte]

Um estudo conduzido por Hutton e Smith (1996) descobriu que amebócitos contêm propriedades antibacterianas que parecem funcionar de forma diferente de outras propriedades antibióticas encontrado em animais. Parecem ser capazes de combater infeções bacterianas sem o uso de uma enzima chamada lisozima. Lisozimas são encontradas através de um largo número de filos e são o que os organismos comumente utilizam para combater as bactérias. As substâncias químicas produzidas pela Actinia equina possivelmente poderiam ser aproveitadas para uso medicinal ou em conservação (proteger as plantas contra bactérias estrangeiras). (Hutton e Smith, 1996).

Actinia equina é uma das espécies mais agressivas de anémonas. Possui poderosas toxinas (por exemplo, equistanina e equinatoxina) nos seus nematocistos que utiliza para a sua alimentação e defesa. Se um ser humano entra em contato com este organismo, pode causar dor e grande desconforto. (Nichols e A. L. Cooke, 1971).

Referências[editar | editar código-fonte]

Ager, O. 2001. Actinia equina, Beadlet anemone. Marine Life Information Network: Biology and Sensitivity Key Information Sub-programme. Plymouth: Marine Biological Association of the United Kingdom" (On-line). Accessed 08/03/2014 at http://www.marlin.ac.uk/species/Actiniaequina.htm.

Ayre DJ, Grosberg RK (2005) Behind anemone lines: factors affecting division of labour in the social cnidarian Anthopleura elegantissima. Animal Behaviour 70:97-110

Banister, K., A. Campbell. 1985. The Encyclopedia of Aquatic Life. New York: Equinox.

Barnes, R. 1987. Invertebrate Zoology. Orlando, Florida: Dryden Press.

Brusca, R., G. Brusca. 2003. Invertebrates. Sunderland, Massachusetts: Sinauer Associates, Inc..

http://animaldiversity.ummz.umich.edu/accounts/Actinia_equina/

http://www.marlin.ac.uk/speciesinformation.php?speciesID=2359

Hutton, D., V. Smith. 1996. Antibacterial Properties of Isolated Amoebocytes From the Sea Anemone *Actinia equina*. The Biological Bulletin, 191: 441-451.

Kruger, L., C. Griffiths. 1996. Sources of Nutrition is Intertidal Sea Anemones from the South-Western Cape, South Africa. South African Journal of Zoology, 31: 110-120.

Kruger, L., C. Griffiths. 1997. Digestion Rates of Prey Eaten by Intertidal Sea Anemones form the South-Western Cape, South Africa. South African Journal of Zoology, 32: 101-106.

Nichols, D., J. A. L. Cooke. 1971. The Oxford Book of Invertebrates. Oxford: Oxford University Press.

Rostron, M., J. Rostron. 1978. Fecundity and Reproductive Ecology of a Natural Population of *Actinia equina L*. Journal of Experimental Marine Biology and Ecology, 33: 251-259.

Shick, J. 1991. A Functional Biology of Sea Anemones. New York: Chapman & Hall.

Stachowitsch, M. 1992. The Invertebrates: An Illustrated Glossary. New York: Wiley - Liss.

Waller, G., M. Burchett, M. Dando. 1996. Sea Life: A Complete Guide to the Marine Environment. Washington D. C.: Smithsonian Institution Press.