António Jacinto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

António Jacinto do Amaral Martins (Luanda, 28 de setembro de 1924 — Lisboa, 23 de Junho de 1991) foi um poeta angolano.

Jacinto ganhou conhecimento com sua poesia de protesto, e devido à sua militância política, foi exilado no Campo de Concentração de Tarrafal, em Cabo Verde, no período de 1960 a 1972. Voltou para Angola em 1973, e se juntou ao MPLA - Movimento Popular de Libertação da Angola. Com a independência do país frente à colonização portuguesa em 1975, António foi nomeado Ministro da Educação e Cultura, cargo que ocupou até o ano de 1978.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Incompleta
  • António Jacinto, Poemas - 1961
  • António Jacinto, Outra vez Vovô Bartolomeu - 1979.
  • António Jacinto, Survivre dans Tarrafal de Santiago (em português, "Sobrevivendo em Tarrafal de Santiago")Anilson

Poemas célebres[editar | editar código-fonte]

  • O grande desafio
  • Poema da alienação
  • Carta dum contratado
  • Monangamba
  • Canto interior de uma noite fantástica
  • Era uma vez
  • Bailarina negra
  • Ah! Se pudésseis aqui ver poesia que não há!
  • Vadiagem

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Biografia e Poemas

Ícone de esboço Este artigo sobre a biografia de um(a) escritor(a), poeta ou poetisa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.