Aquarius (estação oceanográfica)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Visão submarina externa do Aquarius

Aquarius é uma estação oceanográfica localizada ao largo de Florida Keys, nos Estados Unidos, no Santuário Marinho Nacional de Florida Keys (Florida Keys National Marine Sanctuary) e é o único laboratório submarino de pesquisas no mundo dedicado à ciência.

O Aquarius pertence à NOAA - National Oceanic and Atmospheric Administration - foi construído no Texas em 1986 e as primeiras operações submarinas começaram a ser feitas nas Ilhas Virgens. Após a devastação causada na área pelo furacão Hugo em 1989, ele foi transportado para reparos no Centro Nacional de Pesquisa Submarina (NURC) e reconduzido a Florida Keys em 1992, onde fica instalado a 20m de profundidade sob a água, sobre um fundo de corais, numa área ideal para o estudo das barreiras de coral submersas da costa norte-americana.

O laboratório é frequentemente usado por biológos marinhos, que fazem do Aquarius uma base permanente para o estudo dos corais, dos peixes e das plantas aquáticas que existem ao redor e da composição do mar da região. Nele, há uma série sofisticada de equipamentos de pesquisa aquática e de computadores, que permitem aos cientistas realizar prospecções e examinar amostras sem necessidade de deixar as instalações do laboratório.

Instalações[editar | editar código-fonte]

Astronautas e técnicos no Aquarius durante a NEEMO 5, a quinta expedição subaquática da NASA no laboratório submarino, em 2003.

O habitat submarino tem acomodações para quatro cientistas e dois técnicos, que ali se instalam para missões com uma duração média de dez dias e seus ocupantes são chamados de 'aquanautas'. Os mergulhos realizados a partir da base submersa podem durar até nove horas, o que permite uma observação do meio ambiente por um tempo que não seria possível com um mergulho comum da superfície.

Ele consiste de três compartimentos: o acesso à água é feito através de um compartimento úmido, equipado com uma câmara que iguala a pressão do vestíbulo com a da água naquela profundidade, através de um equilíbrio hidrostático. O maior compartimento dele, o habitat, é mantido na pressão atmosférica normal, como um submarino. E um terceiro compartimento menor, é um tipo de corredor de espera entre os dois, enquanto a pressão do compartimento de saída é igualado à pressão do oceano do lado de fora ou vice versa, quando retornam do mar. Este tipo de construção permite que a equipe retorne a superfície sem anecessidade de uma câmara de descompressão. A tripulação permanece por dezessete horas dentro do compartimento principal à medida que a pressão é diminuída lentamente , de maneira que eles não sofrem os efeitos da doença de descompressão após a subida.1

NASA[editar | editar código-fonte]

Desde 2001, a NASA vem utilizando o laboratório submarino Aquarius para o seu programa NEEMO, nos estudos de vários aspectos das reações humanas em vôos espaciais tripulados, num meio ambiente similar. Assim como o espaço, o fundo do mar é um mundo hostil aos humanos e para a vida humana. O laboratório funciona como um porto seguro para que astronautas e cientistas da agência espacial vivam e trabalham por diversas semanas a cada missão ali instalada.

Referências

  1. Gregory Stone: "Deep Science". National Geographic Online Extra (Set. 2003).

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]