Arte macedônica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Davi tocando uma harpa, do Saltério de Paris.

A arte macedónica (às vezes chamada de Renascença macedónica) foi um período da arte bizantina que começou com o reinado de Imperador Bizantino Basílio I da dinastia macedónica em 867. Foi o período seguinte ao fim das proibições dos ícones (iconoclastia) e durou até a queda da dinastia no meio do século onze. Coincidiu com a Renascença otoniana na Europa Oriental. Nos séculos nove e dez, a situação militar do Império melhorou e a arte a arquitetura reviveram. Nova igrejas foram encomendadas e o estilos dos mosaicos bizantinos em igrejas padronizou-se. Os melhores exemplos são o Monastério de Hosios Lukas na Grécia continental e a igreja principal do Monastério de Mosteiro Novo na ilha de Quios. Os afrescos livres em Castelseprio na Itália também estão ligados, segundo muitos historiadores, à arte de Constantinopla do período. Houve um renascimento do interesse em temas clássicos (dos quais o Saltério de Paris é um testemunho importante) e técnicas mais sofisticadas foram usadas para representar figuras humanas.

Embora as esculturas monumentais são raras na arte Bizantina, o período macedónico viu um florescimento impressionante da arte da escultura em marfim. Muitos trípticos e dípticos em marfim sobreviveram, com o painel central geralmente representando ou deesis (como no Trípticod e Harbaville ) ou a Theotokos (como no tríptico em Luton Hoo, datado do reinado de Nicéforo II Focas (r. 963-969)). Por outro lado, túmulos em marfim (como Victoria and Albert Museum), muitas vezes apresentam motivos seculares, ao estilo da tradição Helenística, mostrando uma tendência ao gosto clássico na arte Bizantina.

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Arte macedônica